domingo, 28 de dezembro de 2014

Os Caminhos na formação de um Arcano


Observação:Diante das poucas informações contidas foi o que podemos apurar, se no futuro conseguirmos mais informações postaremos.

 
OS CAMINHOS NA FORMAÇÃO DO ARCANO

Salve Deus!
Mesmo com um acervo enorme à disposição do nosso povo, nossas coisas, o sagrado de Tia Neiva, continua ainda envolto em mistérios, e como um tesouro a ser descoberto depende de cada um encontrar seu diamante e dele fazer uso em sua missão.
O Doutrinador, a promessa para este terceiro milénio, procurando sair das amarras que ele mesmo criou, oriundas dos conceitos mal interpretados, acabaram criando dogmas, impedindo que a sua condição de cientista dos mundos espirituais se desenvolva, o que dessa forma ampliaria seus canais de energia.
Surgido de uma reunião na UESB, essa nova mediunidade proporcionou um impulso na condição de curar espiritualmente, de tratar as coisas do espírito de forma mais cientifica, sem no entanto ser um religioso propriamente dito, aliou as técnicas do evangelho às condição de uma nova força chamada Cabala em rituais específicos.
Após o surgimento do Doutrinador, Tia Neiva conduzida pelos Mentores do Amanhecer, começa a formar uma estrutura doutrinária baseada em princípios hierárquicos, cuja função é o movimento das forças iniciáticas.
Por volta de 1974, surge o Trino, que é a representação de nossas raízes, e daí surgiu a ordem para a formação do Adjunto. O Adjunto tem a condição de, reunir espíritos comprometidos com determinada situação no tempo e espaço, e cuja ação necessita de um representante encarnado na Terra. O Ministro é o responsável por essa condição e missão espiritual, principalmente os primeiros adjuntos que aqui denominaremos de RAIZES; segundo O Primeiro Mestre Sol Trino Tumuchy, são espíritos de altíssima hierarquia, têm o compromisso com o universo, e de seu universo, sua origem, projetam suas forças aqui na Terra. São objetivos, diretos emitem sua força, sua lei e depois voltam ao estado ou sua origem.
Em 1978 Tia Neiva cria e consagra o Adjunto, implantando essa força na Terra. O nome Adjunto significa aquele que está junto, representante. Portanto essa individualidade tem seu representante que deverá ser seu povo, espiritualmente dentro da força cabalística do Amanhecer.
Dentro de uma contagem iniciática, essa foi formada pelo orixá-Linha Africana e Arjuna-Rama na linha indiana ou Primeiro sétimo, Adjunto Koatay 108 Arjuna-Rama (tradução: Multiplicação Divina); VII Raio - D’Havaki Gita (tradução: Ilimitado); VI Raio - D’Hira e o Purã que é Ajanã , essa contagem é a raiz das forças cabalísticas do Amanhecer, essa força é a sustentação da força decrescente e é exercida em princípios hierárquicos os quais todo o arquétipo espiritual recebe toda a força espiritual ou etérica e é distribuída, acomodada pelos Trinos, e sua decrescência chegando a todos médiuns deste Amanhecer.
Surgiram as classificações entre os Doutrinadores, para essa distribuição de forças, e à medida que os rituais foram surgindo em sua complexidade foi necessária uma adaptação ou renovação dos Mestres em suas classificações para atendimento a esses rituais.
Na década de oitenta, por volta de mil e novecentos e oitenta e quatro, começa a funcionar a Estrela de Sublimação que faria uma espécie de triangulação de forças com o Turigano e Estrela Candente. Tia Neiva realiza a Consagração de Enlevo e logo depois por coincidência ou não, os Adjuntos Rama 2000, os 39 que foram primeiramente consagrados por ela juntamente com os Trinos são elevados à condição de Arcano Rama 2000. Nessa época as emissões sofreram alterações inclusive com o trecho que diz “subi ao reino de Jurema e estou na continuação dessa jornada para o terceiro milénio”
Tia Neiva, na criação dos Príncipes do Amanhecer, como ela os chamava, começou a prepara-los para o comando da Estrela de Sublimação, o Santo Nono, que segundo o Mestre Tumuchy, é o mais alto poder cabalístico sobre a terra. Convoca então os Adjunto Yucatã(Alberto) , Yumatã(Caldeira) e Cayrã(António Carlos) que retornassem à base, e deixassem as presidências de seus Templos. Assim como sugeriu a esses Arcanos que por sua condição especial evitassem o trabalho de tronos.
Segundo Tia Neiva, o Adjunto é um médium em condição especial, pois, seu plexo emite forças e segundo Tia Neiva o Adjunto Koatay 108 dispõe de uma energia que é designada a grandes fenómenos extra-sensoriais. Esta força se expande porque o Adjunto Koatay 108 gera do Primeiro para o Terceiro. Digo: Primeiro para o Terceiro é força decrescente. Por conseguinte, gera força energética. Energética é força de energia vital ou força do Jaguar. Essa energia é uma força, quando emitida em um ritual religioso. A energia que sobe do Primeiro para o Terceiro Plano, que eu conheço pelos meus olhos de clarividente, é única e exclusivamente do Jaguar Consagrado, que emite até sua Legião, na Linha do Auxílio, para beneficiar outros da mesma tribo. Isto é, a energia que o Mestre Jaguar desenvolve na emissão, ou melhor, emite em seu canto, e é captada nas pequenas estações de sua Legião para servir em socorro dos grandes vales da incompreensão, dos necessitados em Cristo Jesus. Esse pequeno posto que eu, Jaguar, emito, é o meu Terceiro Sétimo, é o que é MEU. É do que dispõe a minha abertura e a dos demais que precisam de mim, digo, em nome de qualquer emissão de um mestre consagrado. Toda a força decrescente de um Adjunto segue pelo que é SEU, o SEU Aledá, o SEU posto de recetividade na linha do SEU Adjunto.
Porquê - podem perguntar - somente um Adjunto consagrado em seu povo decrescente? Porquê somente um povo decrescente consagrado em uma força poderá emitir a sua energia no que É SEU!? Digo, no posto, na legião original, na amplidão do que é seu, o seu Aledá, o seu Terceiro Sétimo. Não há condições de um mestre, sem as suas devidas consagrações, atingir o seu Terceiro Sétimo. As hierarquias o obrigam, uma vez que tudo é Ciência, precisão e amor. Mesmo porque a recetividade ou energia dessa natureza, na qual estamos, é extraída da força extra-cósmicas que reina nos três reinos de nossa natureza. O ectoplasma a envolve, dando a faculdade para ultrapassar as barreiras do neutrom e chegar ao reino prometido. Não há fenómenos sem causa porque não há causas sem fenómeno! E é dentro destes princípios, que pensamos que valem a pena nossos esforços. O menor trabalho de um Adjunto é esse, que vemos, a olho nu, aqui no mundo físico. A grandeza, mesmo, é o que os meus olhos de Clarividente, em nome de Nosso Senhor Jesus Cristo, tem registado: são as chegadas dessas forças nas origens, onde quer que haja necessidade. Porque essa força - ENERGIA VITAL - é a libertação do espírito a caminho, é o alimento que arrebenta as correntes dos acrisolados, das vibrações da Terra.” (Tia Neiva, 9.10.79)
Na criação desses primeiros Arcanos, segundo a Orientação do Comandante Janatã Mestre José Luís, não se dava lei no quadrante pois segundo afirmavam o Arcano tem sua Lei.
Os médiuns do Amanhecer até aproximadamente a década de noventa, quando um desses Arcanos chegava na fila de preparaçã ,os médiuns que ali estavam ,gentil e orgulhosamente cediam a vez para que ele tomasse a frente na preparação, assim como na Estrela Candente em respeito à força que aquele Mestre trazia e representava.
Mas dentro do mesmo princípio de hierarquia e força decrescente, esse Mestre Adjunto Koatay 108 Arcano tem suas responsabilidades as quais segundo palavras da Clarividente deixaremos abaixo. Meu filho Ajunto Koatay 108: sem a pretensão de te fazer um monge ou um robô místico, vou te descrever as pequenas obrigações de um ATIVO ADJUNTO:

Tornar-se um perfeito cavalheiro e aprender a dar o devido respeito aos outros.
Não passar simplesmente de um religioso acomodado nas maravilhas do misticismo.
Aprender a ser tolerante, mesmo diante da provocação dos seus colaboradores.
Seguir os princípios do Santo Evangelho e de suas revelações, fixando-se nas comunicações reveladas.
Não causar ansiedade para os outros pelas ações de teu corpo, pelos pensamentos de tua mente ou por tuas palavras.
Não se identificar falsamente com grosserias, fazendo-se de melhor, abusando de tua autoridade.
Não se apegar a nada que te faça sofrer.
Procurar assumir teu compromisso de família com amor, mesmo à distância dos mesmos, ou quando, por incompatibilidade, te afastares da esposa e dos filhos.
Discernir entre o que é importante e o que não é; ser firme como uma rocha quando à tua frente tiver que decidir entre o Bem e o Mal. Esforçar-se para averiguar o que vale a pena ser feito, não usando, em vão, as tuas armas.
Não entregar tua alma à fatalidade, que é a verdade infernal, possessões da fatalidade das almas enfraquecidas, sem fé em Deus. Estamos com duas espadas com que podemos nos defender. Filho, o segredo das Ciências Ocultas é o da Natureza mesmo. É o segredo da geração dos Grandes Iniciados e dos mundos de Deus. Os grandes talismãs da Vida, a substância criada, é chamada ATIVIDADE GERADORA. A manipulação do fogo na mirra, sal e perfume.
Evitar a disciplina relacionada com os outros. Lembra-te, sempre, que enquanto tiveres um corpo material terás que enfrentar as forças do teu plexo físico: nascimento, velhice, doença e morte. Não devemos pagar nada além das necessidades da vida física.
E, para melhor servir em tua hierarquia, criar uma personalidade em frente das três portas da Vida Iniciática, sem ironia, com distinção do que respeita, amando!” (Tia Neiva, 17.5.78)

É esse pouco que conseguimos extrair para tentar descortinar o que é o Arcano, que acima de qualquer posicionamento e seu princípio hierárquico não ser de condição para se colocar acima das pessoas ferindo as ou sentindo melhor, abusando de sua autoridade e escravizando sentimentos, outra situação que devemos colocar em nossos corações e mentes que quanto maior a hierarquia maior deveria ser sua humildade e também seu carma e consequente divida, seu carma.
Gilmar
Adjunto Adelano
Doutrinador

 
Obs; foi utilizado como material de pesquisa o Curso de Estrela de Mário Sassi e as observações Tumarã.

sexta-feira, 26 de dezembro de 2014

Ciclos - Adjunto Apure


Salve Deus!
Entre acertos e desacertos nós fechamos mais um ciclo crístico. A nossa vida é regida por altos e baixos, uma forma de reflexão da consciência física espiritual. Cada dia mais nós nos aproximamos do nosso reencontro com o Grande Mestre e aqueles que estiverem com suas armas em punho serão recompensados. O ciclo da vida iniciática é diferente da evangélica, todos já sabem, porém o evangelho é o começo e o fim nossa formação encarnatória e é nele que temos a mensagem mais humilde de um povo simples. A nova era será diferente, será de liberdade, mas não devemos confundir com libertinagem. Eu fico olhando o céu na sua conquista onde tudo parece calmo quando não se tem ligação terrena, mas quando os pés tocam este solo há uma grande transformação na essência do espírito. A perda da visão real afasta o espírito de sua evolução.
O céu perderá sustentação gravitacional pelos buracos deixados nesta estrada. Os buracos irão crescer em proporção assustadora assustando os homens pássaros com suas naves que terão de desviar muitos graus ao redor para darem a legitimidade da segurança.
Vamos medir o silencio pela audição graduada além terra. O silencio será o grito dos inocentes que se debatem entre a certeza e incerteza de poderem amar, respirar e respeitar.
Vamos nos sustentar com a força máxima da nossa concentração atómica que se chama doutrina do amanhecer, porque jaguares, ninguém sabe o dia seguinte as verdades que serão debatidas nos seminários. Em verdade serão só debates e não a aplicação dos fenómenos da antimatéria.
Vamos nos sustentar, vamos abrir o canal vermelho com a segurança do grande Obatalá. Recebi minha lança, ela tem um cristal incrustado perto da ponta, mas eu não a posso carregar, porque é a minha ninfa escrava que pode empunhá-la. Eu só posso usar de sua vibração, porque quem abre o caminho do mestre jaguar é ninfa emitindo na força do seu ventre as forças da vida eterna. Não há vida que nasça sem que a mulher seja este instrumento. Mesmo Jesus teve que se submeter a este processo regulador da existência humana. Quem sabe como será o despertar da ciência daqui a mil anos.
Vamos formar nossas opiniões e relatar ao mundo o nosso aprendizado.
Salve Deus!
Adjunto Apurê
25.12.2014

terça-feira, 23 de dezembro de 2014

Por Vir - Thiago Dias Trindade


Paulo, em sua carta aos Romanos (8:18) nos fala diretamente sobre Esperança e Objetivo. Nos inspira a vencer nossas más tendências, transitórias ante a Imortalidade do Espírito.

Referenciando a Glória que nos está reservada – a Perfeição – o Apóstolo dos Gentios afirma que esta ainda será revelada a nós. Revelada, sim, desde que nos comprometamos verdadeiramente com a inexorável Lei do Amor.

No fragmento 8:8 da mesma carta, o antigo perseguidor de Cristãos é taxativo:
Portanto, os que estão na carne não podem agradar a Deus.”

Com essa frase dura, direta e precisa, Paulo se refere à carne como as coisas mundanas de baixo teor moral. Não seria melhor o termo “mundano” somente? Não. Existem coisas mundanas que nós precisamos e que cumpridas com Sobriedade nos são benéficas moralmente. Um exemplo: o sexo bem compreendido.

O tempo presente a que Paulo se refere é o nosso momento em que, conscientes de quem somos, e quais virtudes e defeitos possuímos, nos propomos a alcançar o Alto, de acordo com nosso empenho em nos modificarmos interiormente.

O glorioso “por vir” citado por Paulo não pode ser mensurado por nós. Nem mesmo ele fazia ideia disso, mas seu sentimento para o que estava além de sua limitada compreensão era tão grande que talvez o Apóstolo fosse o único de sua época, na Terra, a chegar perto de compreender melhor o que significava “o Reino dos Céus”. Prova disso é que percebemos em suas cartas, que sobreviveram aos séculos de manipulações, mas que mantiveram o cerne da Grande Mensagem de Amor inalterada, e também pelo impacto de sua própria transformação espiritual.

Era a certeza do “por vir” da Bem Aventurança que dava a Paulo a força necessária para se esforçar em vencer as suas próprias más tendências, e mais, inspirar nos outros o crescimento da luz do Cristo em seus corações.

O “por vir” de Paulo, para ele mesmo, chegou mais cedo e desde então ao Apóstolo da Caridade vêm trabalhando incessantemente junto a nós, com a Luz de Mestre Jesus a iluminar seus passos.

O “por vir” citado por Paulo nos leva a transformação da semente dura, seca e opaca em uma bela e frondosa árvore, sempre orvalhada e repleta de flores e frutos, capaz de alimentar os famintos da Alma, levando-os ao refazimento junto ao Cristo e assim, ao tão falado Reino dos Céus.

Nunca estamos sós no Caminho. Connosco vai quem convidamos. Que seja sempre Jesus” Espírito Joaquim

segunda-feira, 22 de dezembro de 2014

O Iniciado que deixa a Doutrina - Kazagrande


Meus irmãos e irmãs, Salve Deus!

Nestes últimos meses tenho publicado diversos trechos de Mensagens de Pai Seta Branca. Ao mesmo tempo tenho procurado ouvir gravações de Tia Neiva que não foram editadas em forma de “cartas”.

Nestas lembranças o mais forte é sempre o sentimento de “mãe” que impera, sempre que escuto sua voz gravada. No meio das reuniões, ela para, cumprimenta um médium que chega atrasado, preocupa-se com outro se tomou seus medicamentos, brinca com algum, chama à razão outro... Enfim, fica claríssimo seu sentimento de mãe, onde ela, em meio a uma mensagem espiritual, deseja abraçar a cada um dos presentes e distribuir seu imenso amor!

Ter um filho ingrato é mais doloroso que a mordida de uma serpente!”. Esta frase de Shakespeare, nunca foi repetida por ela, mas acredito que assim ela sente quando um filho, que ela acolheu sob a égide dos nossos mistérios da Iniciação Dharma Oxinto, a mesma de Nosso Senhor Jesus Cristo, abandona a Doutrina pela falta de suporte doutrinário. Abandona por incompatibilidade com seus irmãos. Abandona porque não entendeu sua missão dentro do Vale.

Não falo daqueles que “passam” pela Doutrina... Daqueles que iniciam suas aulas, por vezes emplacam e trabalham um tempo e, depois de manipulada a energia que necessitavam para sua evolução, partem para seguir suas vidas, curados espiritualmente.

Falo daqueles que penetram nos Mistérios da Iniciação. Que fazem seus Juramentos e assumem um compromisso perante Nosso Senhor Jesus Cristo.

Não podemos jamais permitir que se banalize a Iniciação! O médium deve estar preparado para dar este passo! Uma Iniciação fica marcada em nosso plexo por 10.000 anos, não foi assim que aprendemos?

Vamos dividir nossos conhecimentos! Informar, ensinar, passar a experiência vivida! Não precisamos de fariseus doutores da lei... Precisamos de missionários desprendidos que compartilhem o conhecimento e auxiliem aos aspirantes a compreender a simplicidade da essência da Doutrina: Amor, Humildade e Tolerância!

A Iniciação tem um Mantra Sagrado que revela toda a verdade da vida a ser assimilada! Nestas simples palavras, que temos o compromisso de repetir nos três horários Iniciáticos, está toda a sabedoria a ser vivenciada neste plano físico!

Mas por que um Iniciado deixa a Doutrina?

Estaríamos perdendo a magia consagrada que Tia Neiva nos deixou? Estaríamos tão envolvidos em disputas de poder temporal que envenenamos a pureza do iniciante sincero em suas intenções de servir?

Como Filho Adotivo de Koatay 108 não posso admitir estas perguntas!!!

A Doutrina do Amanhecer segue encaminhando milhares, milhões de espíritos. A simples presença de um par, Doutrinador e Apará, já permite a realização de trabalho de valor incalculável. Pode salvar uma vida! Pode resgatar um espírito há séculos acrisolado no etérico terrestre.

A grande nave da Doutrina do Amanhecer segue seu curso e continua cumprindo a jornada de encaminhar, doutrinar e emanar!

Vocês podem dizer que não podem alienar-se... Salve Deus! Nunca nos alienamos, apenas compreendemos que devemos mergulhar na Individualidade e nela não existem os problemas deste plano. Somos espíritos experientes, com toda uma consciência transcendental a ser despertada e que nos trará a compreensão do Juramento a ser respeitado.

Mestre, eu não suporto nem olhar para determinado Mestre ou Ninfa, saio de sintonia até em ouvir o nome dele”...

Salve Deus! Jesus nos disse:

Perdoa o teu irmão não só sete vezes, e sim setenta vezes sete”.


Kazagrande

sexta-feira, 19 de dezembro de 2014

Jesus e os Cobradores - Mario Sassi



Estes ensinamentos de Mário Sassi, Trino Tumuchy, " Sob os olhos da Clarividente" é muito relevante e pode ser semente que. se cair em corações fecundos, floresce dando bons frutos! Salve Deus.
" Esse problema é tão fundamental em nossa vida, que o Mestre dedicou a ele boa parte da Doutrina. Em Mateus 5 ele nos aconselha a não zombar de nosso próximo e procurar sempre a reconciliação antes de oferecer os serviços a Deus.
Mas, quando ele diz, que não devemos hesitar em fazer a paz com o adversário, enquanto estivermos em caminho com ele, Ele é categórico e, em poucas palavras define toda a situação  dos espíritos encarnados na Terra.
O principal objetivo de nossas encarnações são os nossos reajustes. Para que o espírito aceite essas situações desagradáveis, e saiba que, na condição de ser encarnado, ele só compreende o acontecimento se as condições forem semelhantes. Por isso o cobrador é colocado em nosso caminho, para que possamos percorrer com ele a mesma, sentir as mesmas dificuldades, numa espécie de reavivamento de memória do espírito.
Mas, se ele não perceber a situação, não entender que os motivos da cobrança não se referem a essa etapa, mas resultam de males causados anteriormente ao espírito que o persegue, ele pode perder a oportunidade encarnatória e com isso se libertar e seu carma. Essa e a principal preocupação de Jesus ao exortar o reajuste como algo importante de nossas vidas.
Sem dúvida, muita coisa pode ser resolvida, em termos de débitos cármicos, com a nossa "oferenda", isto é, com o nosso trabalho mediúnico, com a prática da caridade e do amor ao próximo. Mas essa oferenda não tem validade para o nosso cobrador. Dele roubamos uma energia específica e ele só se sente "vingado" quando vê o seu devedor "castigado" da mesma forma que ele foi injuriado. Por isso é feita uma encenação semelhante àquelas reconstituições de crimes, que a polícia faz quando quer provar a culpa do criminoso.
É por este prisma que o Médium deverá  entender os fatos atuais que lhe acontecem, apesar de sua dedicação ao trabalho e seu propósito de servir a Deus. A lei terá que ser cumprida até o último centil e Jesus foi muito claro quando disse: " Não julgueis que vim abolir a Leio e os profetas; não os vim abolir mas levar à perfeição; pois em verdade vos digo que enquanto não passarem o céu e a terra, não passará um jota nem um ápice sequer da Lei até que tudo chegue à perfeição". ( Mateus 5, 17-18)
Com isso nós temos a garantia de que enquanto existir uma conta a ser acertada, existirão o céu e a terra para proporcionar condições para esse acerto. Por outro lado, à adesão à Escola do Caminho não isenta o aluno do cumprimento daquilo que é fundamental, seu reajuste com a Lei do carma."

quinta-feira, 18 de dezembro de 2014

Sua frequência no Templo


Sua frequência no Templo?
Meus irmãos e minhas irmãs,
Salve Deus!

Sei que muitos de nós nos perguntamos “qual deve ser minha frequência no Templo?”, afinal todos têm outros compromissos, existe uma vida familiar, social, material... E tantos fatores que são importantes para o equilíbrio de nossa vida física e emocional.
Por isso sua frequência no Templo depende exclusivamente do tipo de médium que você é, e do tamanho do compromisso que você assumiu.
Vamos passo a passo:
Quando entra para a Doutrina você tem o compromisso de não faltar às aulas, para que a sequência de seu Desenvolvimento mediúnico não seja interrompida. Este é seu compromisso!
Ao ser emplacado, passa a ter a necessidade de manipular a energia acumulada, frequentando o Templo de acordo com suas possibilidades, ou necessidade. Neste ponto já começa a delinear qual o tipo de médium que irá se transformar.
Com a Iniciação seu ingresso na Doutrina é confirmado e seu nome escrito no Grande Livro dos Iniciados dos Himalaias, passando a fazer parte integralmente da Doutrina do Amanhecer e da Corrente Indiana do Espaço. Seu compromisso é de um Retiro por mês.
Com a Elevação chega-se ao Mestrado! O compromisso assumido nesta Consagração é de realizar uma Estrela Candente por mês, além do Retiro já assumido com a Iniciação (em outra oportunidade comentarei sobre o médium dos Templos com Estrelas distantes geograficamente).
A Centúria traz a responsabilidade com os trabalhos Iniciáticos e Comandos, e quando recebe Cavaleiro, Guia Missionária e Ministro, passa a ter o compromisso de emitir ao menos uma vez por mês.
Chegando a Rama 2000, classificado ou como Ninfa de um Mestre com tal classificação, o compromisso passa a ser de estar presente em todos os trabalhos oficiais possíveis! Este é o principal motivo que sempre se recomenda que não corram atrás de suas classificações! Não é mais poder e força, e sim, MAIS COMPROMISSO!!! Forças? Tem que fazer valer a classificação, registar espiritualmente seu prefixo pela sua atuação nos trabalhos, aí pode ser que as receba.
Padrinho e Madrinha têm a obrigação de acompanhar, aconselhar, estar presente junto de seus afilhados! Não o contrário... Não é o afilhado que fica buscando os dois, são eles que devem se fazer presentes em todos os trabalhos que sejam possíveis acompanhar o afilhado, e ainda estar alertas e disponíveis para aconselhar e auxiliar nas dificuldades. Ser Padrinho e Madrinha de um Adjunto de povo é um dos maiores compromissos da Doutrina do Amanhecer!
Assumir esta missão específica, bem como outras (Janatã, Lança Vermelha, Recepção, etc.), é espontaneamente agregar mais um compromisso em sua jornada. Não iludam com poderes e vaidades!!! Somente assuma se puder cumprir!
Existem muitos médiuns, mas poucos são verdadeiramente jaguares. O Jaguar tem compromisso! Sente falta de ir ao Templo, e não troca um trabalho espiritual por qualquer outra atividade que não seja verdadeiramente importante. Jaguar é Filho de Pai Seta Branca, o restante é apenas médium.
Com isso, percebendo seu compromisso, tendo consciência de sua classificação e da posição que ocupa, é que se pode definir “sua frequência no Templo”.
Salve Deus!
Foto: Templo Olinda do Amanhecer
Phillipe Santana
Doutrina do Amanhecer – Acervos Históricos

terça-feira, 9 de dezembro de 2014

Magia Nativa - Tia Neiva


MAGIA NATIVA
Magia Nativa ou Neutra é uma poderosa força que age através do magnetismo, alterando o neutrom (*) e, consequentemente, o Sol Interior do médium, provocando a emissão de ectoplasma bom ou ruim, conforme o desejo de quem a está manipulando. É muito perigosa, porque envolve todo o magnético animal e alimenta todos os chakras com energia de determinado valor - positiva ou negativa -, havendo uma poderosa emissão de vibrações que podem ir muito longe, rompendo o neutrom e atingindo outros planos, atraindo espíritos distantes para junto de quem está emitindo.
É usada, normalmente, nos trabalhos executados por médiuns que não têm plexo iniciático, cheios de medo e superstições, dificultando muito sua evolução.
As Leis espirituais não a proíbem, mas aquele que a usa, mesmo para caridade, paga um preço muito alto. Por isso, principalmente para o médium que já tem um plexo iniciático, deve ser evitada. Pode se constituir no fator de condenação de uma reencarnação, pode levar o médium ao total desequilíbrio, tornando-o instrumento de poderosas forças do Vale das Sombras.
• “A Magia Neutra ou Nativa é capaz de engrandecer o trabalho ou provocar o desastre, dependendo isso daqueles que manejam o magnetismo. Em si o magnetismo não é bom nem mau. Ele apenas existe, dependendo sua ação do Agente Nativo Neutro, que é capaz de gerar o Bem ou produzir o Mal. Por exemplo: abre-se um trabalho de Magia Neutra ou Nativa, capaz de produzir correntes magnéticas, com todos os seus perigos. Nele não há aperfeiçoamento da alma, além de se correr o perigo do acrisolamento no Baixo Astral, dos valores negros. Porém, nada há nas Leis Etéricas que impeçam a realização desses trabalhos, que não passam de correntes eletromagnéticas sem a luz do néon. Meu filho Jaguar: Tenha em mente que quando sintonizamos no desejo de servir com amor, servimos sempre e sempre temos algo para oferecer, porém no curso extrasensorial, contidos em possibilidades virtuais na esfera do pensamento. Ninguém espera milagres mas sim os fenómenos produzidos pela Lei de Causa e Efeito na individualidade. Saudemos a Criação, sentindo a lógica acima de tudo. Porque, acima dos sentimentos, há a Razão! Nada nos impede de subirmos ao cimo da montanha pela Velha Estrada. Porém, por quê, se temos o roteiro exato da Nova Estrada? A diferença entre a Velha e a Nova pode ser observada nas ruínas de velhos templos que marcam a Velha. A Velha Estrada foi pontilhada por mil tribos e dividida durante muitos séculos. Prosseguindo nessa viajem chegamos a um longo e puro sentimento, que nos dá a Razão deste novo caminho, de novas perspectivas, onde desmancharemos o ciclo vicioso que nos leva à Velha Estrada. As primeiras coisas que observamos no velho caminho são as ruínas dos velhos templos! Filho, procure sempre a lógica do que lhe digo. Não raciocine por mim e sim pelo que pode acumular. Do nosso lado esquerdo sentimos a Magia Magnética Animal “dançando” ou se movimentando em diferentes mecanismos, oferecendo o sacrifício do corpo humano, despejando as pesadas cargas da superstição, da insegurança e do medo. A Magia Nativa acompanha a Velha Estrada, que é construída por experiências de tribos diversas e envolveram sacrifícios de bichos e animais, no Egito primitivo, nas ofertas aos deuses. Então, meu filho, prosseguindo cautelosamente, mais um pouco, nessa viagem, chegaremos a um lugar onde veremos a construção definitiva desta Nova Estrada, cuja obra se faz dentro de nós mesmos, edificada pela Lei do Auxílio do Cristo único, Jesus, Nosso Senhor, lutando contra a pobreza e a doença. Pelo outro lado do caminho vemos ainda outras tribos naturais, realizando as mesmas cerimonias de superstição e medo. O que me assusta são os Homens-Pássaros com semelhança humana, rápidos, inteligentes, oferecendo a cura e coisas materiais, e que ficam revoando até conseguir seu objetivo. Deus não trouxe o Homem a esta Terra para sofrer ou levá-lo à miséria. Criou-o para ser feliz, dando-lhe a inteligência no livre arbítrio. Todavia, depois de tudo o que o Homem fez contra as Leis, se aproveitando dos velhos pergaminhos, buscando o que já deixamos para trás e o que nos fez voltar, segundo as Leis e as forças que Deus criou, filho, o mundo nos faz perguntas e a sociedade nos obriga a responder. As perguntas são transmitidas e aplicadas pelas vibrações.” (Tia Neiva - Carta Aberta n. 8, 4.10.77)

sexta-feira, 5 de dezembro de 2014

Jaguar Espartano



O exército Espartano teve a sua memória atravessando os séculos pela sua capacidade suprema de lutar e vencer aqueles que o desafiavam.
Era cruel, pois não conhecia o medo, se lançava a batalha sem temer a morte. Sua maior força era a sua capacidade de se entregar somente a missão que lhe era dada, não se intimidava, não temia nada nem ninguém.
Mas fracassou, pois embora possuía uma perseverança inabalável e uma honra inviolável, não sabia amar. Hoje volta a terra esse espírito determinado, mas agora, guiado e iluminado pelo evangelho vivo de nosso senhor Jesus Cristo.
Reza a lenda que o exército de Esparta era invencível, pois lutavam todos como apenas um, os soldados defendiam aqueles que estavam ao seu lado como a si próprios. Esta deve ser a força de organização a buscar, mas agora, nos princípios de amor ensinados por Cristo.
Na missão que lhe é confiada no terceiro milénio ele deve ter a sua frente somente o seu objetivo, sem se abalar ou temer os desafios que lhe forem impostos. Ciente de que poderá fraquejar, mas confiante de que terá ao seu lado um centurião preparado, que irá lhe defender com a mesma garra que ele próprio o faria. Assim é a nossa missão meus irmãos, muitos de nós iremos passar por momentos de fraqueza, mas sempre haverá um de nós tomando a frente e dando continuidade ao nosso objetivo.
O soldado que servia Esparta, servia os interesses e a missão de Esparta. Não colocava suas fraquezas ou os seus objetivos pessoais em alta, estava apenas guiado pelo objetivo de seu povo.
Muitos soldados não se importavam em morrer na guerra, pois faziam isso pela consciência de que não lutavam apenas por si próprios, mas pelo seu povo. Muitas vezes não seremos nos que estaremos a frente dos trabalhos, mas fortalecidos na busca de um objetivo maior, iremos fortalecer o nosso irmão.
Pois embora seja grande as nossas diferenças, temos que buscar a união, pois somente através dela nos faremos todos em apenas um. Um objetivo, uma razão; uma missão. Estamos aqui buscando a nossa realização íntima e ela só será alcançada quando nos entregarmos por inteiros para o objetivo de todos!
Salve Deus!

quinta-feira, 4 de dezembro de 2014

Vou Consagrar Centuria

 
Mestre, sou Ninfa Lua e no próximo dia 18/06 farei a minha Consagração de Centúria. O quê vou receber? Mais força, energia, espiritualidade?

Sim minha irmã! Você irá receber tudo isso: novas forças, novos preparos para poder manipulá-las, mas principalmente mais responsabilidade e compromissos.

Ninguém mais poderá lhe corrigir, ou chamar sua atenção. De maneira que deverá saber executar todos os seus trabalhos com compromisso e perfeição!

O quê ainda não souber, deverá buscar o conhecimento por conta própria. Terá um compromisso com seu Adjunto e o Ministro, e ele com você! Passará a ter nele o referencial necessário para seus trabalhos e fonte para sanar suas dúvidas.

Evoluir em conhecimento, dentro de nossa Doutrina, é uma missão pessoal. Muitos ficam completamente satisfeitos com o quê aprenderam e executam suas missões dentro do que lhes foi ensinado, sem preocupar-se em “saber mais”. Outros, porém, com a mente mais aberta, desejam compreender exatamente o quê estão fazendo e por que.

Nossa Doutrina oferece todas as respostas que desejar. Nunca fiquei sem resposta aos meus questionamentos, e passei por todos eles, chegando mesmo a afirmar que o dia que não encontrasse em nossa Doutrina, respostas coerentes, eu deixaria meu colete.

Leia o Acervo deixado por Nossa Mãe Clarividente, releia e encontre coisas novas, pois assim se passará. O conhecimento não vem de fora para dentro, é despertado em nosso espírito e confirmado pela intuição e pelo Acervo Mágico que temos nas mãos.

Sempre falo da Magia das Cartas de Tia Neiva, porque a cada nova fase vivenciada, a cada experiência adquirida, ao reler, encontramos “algo” que parece que não estava ali antes.

Centurião é o médium completo. Preparado e conhecedor das Leis e Chaves do Amanhecer. Através da Centúria o médium verdadeiramente deve tomar consciência de sua missão. Passa a ter a responsabilidade de conhecer nossas leis, e saber conduzir-se em um trabalho, seja comandando ou comandado. Soma-se a isso a responsabilidade de também externar a sua conduta.

Quando falo em externar sua conduta, significa que não apenas dentro do Templo se deve buscar o equilíbrio, a humildade, a tolerância e o amor. O conhecimento implica em assumir nossos atos, e buscar verdadeiramente, 24 horas por dia, a própria evolução. É compreender que terá que aplicar na prática diária o comportamento que já deve estar tendo dentro do templo. Por este motivo, nunca se questiona “quem é a pessoa” quando ingressa na Doutrina. O conhecimento vai libertando cada um de sua ignorância inicial, e aquele que antes poderia estar na marginalidade, com o tempo, vai compreendo a incompatibilidade do que realiza no templo, com o quê possa estar fazendo de errado fora dele.

Através de nossas ações é mudamos nossa vida! Todos os dias devemos pedir o devido auxílio para zelar pelos nossos pensamentos, palavras e ações.

O Centurião perde o direito ao julgamento do próximo, passa a ser juiz de si mesmo! Tia Neiva já afirmava que “o maior desajuste é o julgamento". Julgamento é uma palavra bastante abrangente, se refere até mesmo para aqueles momentos em que acreditamos estar sendo vibrados. Esta simples preocupação já gera uma vibração, e aquele que a recebe, muitas vezes está isento, assim aquela força volta para sua origem, fazendo mal justamente ao seu emissor.

Nossa forma de avaliação só pode basear-se nas coisas práticas. Verificando pelos frutos... É pelo fruto que se conhece a árvore.

As Consagrações e Classificações implicam primeiramente em MAIS RESPONSABILIDADE E COMPROMISSO.

Parabéns pela Centúria! Que seja seu verdadeiro despertar como médium! Que sua Individualidade prevaleça sobre a personalidade transitória e dentro do Templo seja o seu verdadeiro eu. Assim, gradativamente, permitirá que seu espírito siga a jornada proposta e termine feliz e realizada mais esta passagem terrestre.

Kazagrande

"A Centúria significa para o Apará um portal de desintegração aos mundos ainda desconhecidos, é mais uma chave com mil conhecimentos”.   Tia Neiva

terça-feira, 2 de dezembro de 2014

A Energização pela Mentalização


A Energização pela Mentalização

Pode ser a energização dos chackras, harmonizando e recompondo o fluxo energético, procedendo-se mentalização em local tranquilo e deitado ou sentado, numa posição que propicie conforto e relaxamento.

Comece a respirar bem profundamente, em ritmo pausado e lento, sentindo se corpo cada vez mais tranquilo e relaxado. Leve sua mente até os dedos dos pés e imagine que eles estão ficando completamente relaxados.

Você a energia relaxante ir subindo, lentamente, pelos pés... Pelos calcanhares... Pelos tornozelos... Pela barriga da perna... Pelos joelhos... Pelas coxas, chegando até os quadris; conduza, então, a energia relaxante em volta dos braços e ombros, entrando pelo pescoço... Pelo rosto... E chegando à cabeça.

Neste ponto, você deverá ter atingido total relaxamento. Quando expirar, expila o ar pela boca, mentalizando tudo o que quer expulsar de dentro de si, livrando-se dos sentimentos que não mais deseja.

O nível de tranquilidade pode ser melhorado com música suave, um incenso e respiração profunda e bem compassada, imagine-se dentro de uma pirâmide, num ambiente colorido que pode ser modificado de acordo com o comando de sua mente. Pode, também, segurar um cristal e imaginar esse cristal emitindo raios na cor que você pretende trabalhar.

Quando sentir que conseguiu atingir um bom grau de relaxamento, comece a trabalhar os seus chakras, dispensando cerca de 30 segundos para cada uma das seguintes etapas, ordenando mentalmente, a seus órgãos que tenham um bom funcionamento e mentalizando-os para sentir se há algum problema ligado a eles.

O homem deve mentalizar o chackra básico mentalizar a cor vermelha. A mulher mentaliza o chackra esplêndido em ambiente de cor alaranjada, procurando sentir os pés, a pernas e seus órgãos genitais. Indague se sua saúde está boa, amplie sua força de vontade, coragem e sua boa disposição para o trabalho.

Concentre-se no chackra umbilical ou solar, numa ambiente amarelo dourado e verifique seu órgãos desta área: bexiga, rins intestinos, baço, estômago e fígado. Busque seu equilíbrio emocional, metalizando fatos que tenham originado algum sentimento negativo, ansiedade, insegurança.

Mentalize o chackra cardíaco, numa ambiente verde. verifique o coração, os pulmões, os braços e as mãos. Elimine sentimentos que o tenham levado a tristezas, mágoas, angústias ou depressão.

Passe ao chackra laríngeo, em ambiente azul turquesa, em ambiente azul turquesa, verificando como e estão sua garganta, e suas vias respiratórias. Investigue se tem tido problemas com a comunicação ou com sua criatividade.

Termine mentalizando seu chackra frontal, mergulhando num ambiente azul índigo investigando os órgãos sensoriais- olhos, ouvidos, nariz e boca- e verificando o cérebro, sentindo como está funcionando dentro do equilíbrio necessário à intelectualidade e à sensibilidade.

Em qualquer dessas etapas, se sentir algum problema com algum órgão mentalize fortemente ou por mais tempo o chackra correspondente recebendo a energia colorida que irá fortalecê-lo

Fonte: “Observações Tumarã.

segunda-feira, 1 de dezembro de 2014

Ciência e Fé


Ciência e Fé

A fé que nega a ciência é tão inútil quanto a ciência que nega  a fé.”

Estas palavras de Pai Seta Branca resumem o posicionamento do mestre do Amanhecer diante dos aspectos místico e científico da Doutrina.

O conhecimento  das encarnações sucessivas, da Lei de causa e efeito e   da Ciência da vida fora da matéria  são necessários para que o médium compreenda o que está fazendo na Doutrina. Este conhecimento, se bem assimilado, traz segurança ao médium fazendo-o entender que o trabalho na  Lei de auxílio, além de equilibrar sua vida, vai permitir que se livre de dívidas de outras vidas quando, por falta de amor, fez outras pessoas sofrerem.

De modo singelo, como nos disse Tia Neiva, ele vai evoluindo, se libertando de velhos hábitos, deixando de dar valor a muitas coisas que antes o faziam sofrer.

Se bem posicionado, ele aprende que deve lutar por suas realizações materiais, tendo, porém, o entendimento de aceitar em sua faixa cármica aquilo que não pode evitar, atravessando os seus momentos difíceis sem se desequilibrar e, acima de tudo, sem deixar de trabalhar espiritualmente.

A fé é o conhecimento da Individualidade, que chega à personalidade na forma de segurança e convicção. O lado místico do médium, se bem dosado, traz, ao trabalho mediúnico, poderosas energias espirituais.

Equilíbrio deve ser a palavra de ordem. Muitas vezes, vemos mestres tão apegados à forma que se esquecem da essência. A Doutrina do Amanhecer trabalha em sintonia com o 7° Raio, movimentando, através da Magia Ritualística, um poder enorme.

Para se controlar esta força e com ela realizar curas, o mestre precisa colocar sua mente na sintonia correta e executar os rituais com precisão. O grande perigo é a realização de rituais frios e sem vibração.  O ritual deve ser um meio de se atingir objetivos espirituais e não um fim.

Certamente, haverá um dia nesta terra em que não fará sentido fazer distinção entre fé e ciência, pois estes dois aspectos estarão unificados em um só: o conhecimento. Com este conhecimento, o homem saberá se relacionar com outros mundos e movimentar as energias que necessita. Este tempo ainda não chegou e o misticismo da alma, que dá calor aos rituais e impulsiona o homem para Deus, ainda está muito associado ao aspecto religioso.

Da fé e do conhecimento surge a consciencialização que, se verdadeira, traz a sabedoria e coloca o ser humano em contacto com sua individualidade, sem afastá-lo das metas racionais, que a sua condição de medianeiro exige.

E mais uma vez, como nos disse nosso Pai Seta Branca:

 “Filho Jaguar, filho Esparta, ao cruzar as espadas em teu peito exigi que empunhasses sempre dividindo da direita para a esquerda, resguardando-se na conduta doutrinária, na ciência e na fé, porque tudo te pertencerá na alegria e na dor. Na filosofia dividirás o bem e o mal. Na religião, o amor unirás todas as pérolas e com elas enfeitarás o caminho onde um dia caminharás junto a quem tanto suspiras.”

Texto do Mestre Zílcio, Adjunto Parlo

terça-feira, 25 de novembro de 2014

Tia Neiva fala dos “discos voadores”

Tia Neiva fala dos “discos voadores” 

Meu filho Adjunto Rama 2000!

Houve uma era em que o sol e a lua apareciam e ainda não se entendiam, nem o dia nem a noite.

Era a Terra uma grande formação e seus habitantes não surgiam. A terra gerava muitos animais, mas ainda não sabia gerar o Homem. Porém, tudo era Deus!

Deus pintando lindas aguarelas, plantando e fazendo nascer árvores. Plantou e viu nascer, crescer. Abriu as cachoeiras, os regatos... Emitia em canto a sua luz silenciosa... E ficava hieroglificamente a sua harmonia luminosa.

Até que uma grande nave chegou a este maravilhoso planeta e seus tripulantes se comprometeram... Trazer... voltarem e formarem seus habitantes. Subiram... Subiram e desapareceram no resplendor de suas estrelas. Eram inluz na Terra!

E, assim falando, assim cumpriram. Voltaram... Voltaram, porém aqui não poderiam ficar, com o aroma das matas frondosas, das rosas... que Deus, tão seguro, já havia plantado. Não poderiam... não conseguiriam respirar, se não criassem o plexo físico.

Criaram, modificaram, engrossaram a sua estrutura e este Deus se fez Homem, ficando esclarecido que o Homem como espírito podia viver na Terra.       

E, assim, puderam voltar, puderam ficar.

Porém, a ausência do contacto com outros mundos, de outras matérias... Salve Deus!

E então, o Homem começou a se promover, esfera sobre esfera, em ritmo de luz e sombras, paz e guerra, amor e ódio... veio o grande perigo: A falta de contato, a solidão...

Largavam-se do seu plexo físico e caminhavam sem harmonia, sem consciência. Com isso começaram a se perder, desalinharam-se... pois o espírito encarnado depende do plexo físico, pressão sanguínea... ectolítero, ectolítrio, ectoplasma... Salve Deus!

Porque este desajuste tão grande se eram seres divinos?

O plexo físico-orgânico desajusta o plexo etérico, principalmente quando vivemos na baixa individualidade.

O espírito entra no corpo e é invisível no plano físico, porque não tem charme. Não tem charme antes do contacto com a carne.

O charme é um átomo... uma energia que se refaz na Terra, da vibração da Terra, do aroma das matas, das águas... O charme é uma energia.

Por exemplo: se um disco, uma amacê, desgoverna-se em direção à Terra, não cairia como um avião. Ficaria balançando a 1km acima da faixa da terra, porque não tem charme, átomos... não sei bem  as entidades não me dão uma resposta decisiva. 

A amacê não cairia na Terra, assim como os espíritos não podem pisar na Terra. Aparecer, sim; pisar na Terra, não. Afirmo, por isso, que nenhum disco baixa na Terra e leva passageiros. Espíritos encarnados? Impossível!

O plexo físico é que traz a vibração... forma o charme e, inclusive, liga o espírito ao feto.

O plexo físico é formado por energias do próprio planeta Terra.

Por exemplo: o aroma das matas frondosas, das cachoeiras... é o charme que se refaz das têmperas das pedras, do lodo, das campinas, dos mares...

Meu filho Jaguar: Somos a centelha divina do verbo encarnado... Verbo encarnado, verbo luminoso.

Tia Neiva, 9 de outubro de 1984


terça-feira, 18 de novembro de 2014

Projeções mentais e mediúnicas - Tia Neiva


Projeções Mentais ou Fluídicas, por Tia Neiva


Vale do Amanhecer – DF, 07 de setembro de 1977.

Salve Deus!
Proporciona a Divina Providência este nosso encontro.
Deixemos por instantes, os nossos pensamentos libertos, a vaguear na amplidão circunstancial desta doutrina, para esta nova era.
Remontamos séculos, atingindo nossos ensinamentos e nossas heranças transcendentais, porque sabemos que tudo vibra e irradia neste universo, onde tudo é força, luz e vida.
Meus filhos, nós somos o rio que corre tranquilo e se encontra no mar. Quando recebemos uma projeção mental fluídica a seguimos com a mente ou somos por ela atraídos. Conforme as nossas propriedades ou heranças, ajudamos ou destruímos. As projeções podem ser mentais ou fluídicas.
As projeções mentais quando se apresentam, atingem o processo mental e se são de amor, destinadas a beneficiar ou socorrer, elas produzem bons pensamentos. Essas projeções benéficas são recebidas no coração.
A energia mental é o fermento vivo que improvisa, altera, constrange, alarga, desassimila, pulveriza ou recompõe a energia em todas as dimensões.
Na criação do todo, sentimos a força da Mente Divina, e dizemos: O Senhor tem o seu templo em meu íntimo, nenhum poder é demasiado ao poder dinâmico do meu espírito, o amor e a chama branca da vida residem em mim.
Nossos maus desejos criam em torno de nós uma atmosfera fluídica impura, propícia à ação das influências da mesma ordem, ao passo que as nobres aspirações atraem as vibrações benéficas, principalmente se estamos em prece. "Bem aventurados os puros de coração, porque verão a Deus" (Mateus 5:8).
Todas as coisas são regidas pela Lei das atrações.
As vibrações atraem sempre as similares, aproximam e vinculam as almas, os corações e os pensamentos. Portanto, se falando de uma condição hierárquica entre os desencarnados, diremos que entre os mesmos, a única base é a virtude e são as qualidades morais, conquistadas pelo trabalho e pelo sofrimento. Verificamos, pois, que eles estacionam na faixa da erraticidade, de acordo com seu padrão psíquico e moral.
Assim também nós outros alimentamo-nos agora com boas obras, avivando o drama do amor puro, transformando-nos num facho que esclareçam todos aqueles que de nós se aproximam, a fim de caminharmos cada vez mais em frente, sem tropeços, cumprindo o que Jesus nos disse: "Amai-vos uns aos outros".
Se você tem fé você se sustentará, sobretudo no esforço diário do próprio burilamento, através das pequeninas e difíceis vitórias sobre a natureza inferior. Aperfeiçoando a nós mesmos temos mais condições de segurança e refletimos o amor e a sabedoria das leis.
A fé cega é como o farol vermelho, cujo clarão não pode trespassar o nevoeiro. A fé esclarecida é o foco que brilha iluminando a nossa própria estrada, foco esse que transpõe todo e qualquer nevoeiro.
Ninguém adquire sem ter passado pelas tribulações da dúvida, sem ter padecido as angústias da libertação dos nossos compromissos cármicos.
É preciso também cuidado com a fé religiosa que anula a razão e nos submete ao juízo dos outros. A razão humana é um reflexo da razão eterna, é Deus em nós.
Vivemos num propósito firme em busca de aprimoramento e evolução; entretanto, estacamos ao menor empecilho. Somente a verdade nos dá a libertação dos nossos espíritos.
Meus filhos, sempre que uma estrada termina, nasce outra; portanto, não há motivo para trocar de estrada e sair para outra que não conhecemos; é mais uma precipitação da época vibrante que estamos vivendo, que 'acelera o ritmo das experiências. A época que vivemos, na condição feliz ou infeliz deve ser pensada antes de qualquer mudança.
Passar pelo Amanhecer ignorando sua disciplina ou seus esclarecimentos não cura coisa alguma. Devemos procurar a nossa "luz íntima" oferecendo-'nos ao Pai e a Jesus, agradecendo este paraíso renovador dos nossos espíritos. Devemos cultivar o santuário de nossa inteligência, uma vez que é ele (o santuário) que evoluímos. Jesus não veio destruir a lei dos homens, cuja lei vem de Deus, mas sim esclarecer e fazer cumprir o grau de desenvolvimento de cada um de nós.
No dia em que a alma se liberta das formas animais, chegando ao estágio humano, ela conquista sua autonomia, compreende suas responsabilidades morais, seus deveres, mas nem por isso atinge o seu fim ou termina a sua evolução. Longe de acabar aí, começa sua Obra real.
O corpo espiritual, isto é, o "perispírito” , como toda a matéria, nada mais é do que a concentração de energia do fluído cósmico em várias camadas vibratórias, que o espírito manipula para sua realização.
Desde quando o espírito escolhe a sua mãe, um grande laço os envolve. Sim, pai e mãe. Na minha conceção de clarividente e mãe experiente, eu digo das mães que elas assumem toda a responsabilidade.
Somos, cada um de nós, um íman de elevada potência espiritual, de um centro de vida inteligente, atraídos por forças cármicas, que se harmonizam com as nossas forças e com as deles (dos pais), com isso, constituindo o nosso domicílio na matéria ou no perispírito. A criatura, encarnada ou desencarnada, onde estiver respira entre raios de vida, superiores ou inferiores, que emitem ao redor dos próprios passos, tal qual a aranha que se confunde nos fios escuros que produz, ou então como andorinhas que corta os céus com as próprias asas. Todos nós exteriorizamos as energias com as quais nos revestimos, cujas energias nos definem muito mais que as palavras.
Para simplificar: Essa é a verdadeira coordenação do espírito. Enfim, existe somente uma lei: Individualidade - Livre arbítrio - Lei divina - Lei do auxílio.
É no Centro Coronário que se originam as manifestações e os registos, que calçam na sensibilidade e envolvem no físico sua atuação passada que, refletida no presente, plasma em ondas de retorno num circuito fechado a Lei de Causa e Efeito (Carma).
Desses centros de força são recebidas e localizadas no "duplo etérico" as energias manipuladas pelo perispírito, Esses "centros de forças" recebem e movimentam esses fluídos, transmitindo glóbulos vitalizantes aos órgãos do corpo físico, através dos chamados "plexos".
Temos assim no Centro coronário a complementação de forças, determinantes dos planos superiores, que passam por uma seleção paulatina, fazem a sua expansão, filtradas as emanações e cuidadosamente encaminhadas, através de reflexos benéficos, que são os momentos da individualidade, com base nas vibrações próprias do Espírito, que eu chamo também de "força nativa".
Neste labor o Centro Coronário imprime emanações fluídicas eletromagnéticas que levam ao centro da alma irradiações energéticas estimulando, vitalizando, agindo sempre de forma independente de si para si, de suas propriedades, sempre gerando o bem ou o mal.
O homem bom em suas condutas doutrinárias emite seus reflexos bons; o negativo deturpa de acordo com sua receção.
Deste modo o Centro Coronário regista a responsabilidade marcando o próprio homem, com as consequências felizes ou infelizes.
Essas são leis emanadas pelo Criador - causa e efeito.
Sob a orientação dos mentores espirituais as células são reunidas compondo os tecidos, moldando e funcionando sempre pelo governo espiritual. Mas, deixemos agora o funcionamento do Centro Coronário, onde concluímos, que o homem herda o corpo conforme sua disposição mental, para entrarmos na Lei do Auxílio.
Na Lei do Auxílio é que se aplica o trabalho da caridade, no emprego das faculdades mediúnicas. Cada um de nós é uma força curadora e inteligente que cura o seu próprio corpo.
Quando o espírito se liberta das forças animais, nada mais tem a fazer na terra. O homem tem que sentir constantemente a força vital.
Ao sentirmos, em nosso íntimo, falhas de nosso lado, temos que reagir com coragem suficiente para discernir, a fim de reparar o negativo de hoje, que será o mal de amanhã. Cada consciência vive e se envolve nos seus próprios pensamentos.
Através dos séculos e dos tempos, nada escapa a lei do progresso, as religiões acima de tudo, pois são as fronteiras que nos iluminam as muitas passagens.
As células que compõe o nosso corpo físico são as mesmas do corpo, astral.
Salve Deus. Relatemos, aqui uma importante passagem que nos deixou estarrecidos: Tendo completado o seu tempo na terra, uma nobre família voltou os planos espirituais. Houve muitas festas em comemoração por tão rica passagem.
Quando nos referimos a uma "família espiritual" trata-se de muita gente. Havia, porém dois jovens que pertenciam a essa família, mas que não participavam dessa alegria: Rúbio e Rúbia cuja tristeza irradiava em tomo deles com uma intensidade anormal. Enquanto todos os outros membros da família, eram designados e seguiam para suas missões específicas, os dois nada recebiam; chegou à vez deles e o chefe da família tomou as providências que o caso requeria; os dois jovens foram levados ao Grande Aledá Alufã onde foi feito o diagnóstico: Numa passagem na terra eram mudos e surdos devido a um grande erro cometido na “guerra dos 100 anos”. Eles haviam se aproveitado dos seus poderes e fizeram atos de espionagem, que causaram muito mal.
Foi muito triste o que aconteceu, pois o casal não podia, acompanhar a grande família e seguir o curso normal da vida. Foram então levados para o Sono Cultural de onde, nove meses depois iriam procurar uma mãe para reencarnar. Foi uma encarnação triste porque não tinham na terra nenhum parente espiritual, o que resultava na ausência de ideais e alegrias. Nem mesmo o Sono Cultural curou sua tristeza. Ainda assim tiveram um lar feliz e pagaram com amor a sua triste dívida.
O fato real é que mesmo na decorrência dos tempos e dos Séculos, nada escapa à Lei do Progresso, que é a lei das religiões e das doutrinas.
Temos que corresponder às necessidades da época em que vivemos, uma vez que para isso viemos preparados dos planos espirituais. Só teremos o “espírito da verdade" pela vivência única e simples do Evangelho de Nosso Senhor Jesus Cristo, pois, somente, por esse caminho chegaremos à glória máxima do Espírito da Verdade.
Qualquer situação que se destaque preocupa com mais constância a ideia ou a mente do homem, porém tudo nesse particular é propósito mal dirigido. Devido à existência de forças mal distribuídas passa-se a considerar a vida um terrível espinho e a vivê-la nas provas com agonia existencial. Entretanto, se, se conversar com Deus e os mentores espirituais a gente sentirá a alegria que este Planeta produz. A manifestação dos espíritos por meio dos aparelhos mediúnicos alivia em muito nossas dores e não são mais do que a evangelização. Se a gente se alertar no primeiro passo então se ficará seguro e dar-se-á outros mil passos, sempre se defrontando com as antenas de outros fenómenos, porém, o que consta para nós é que os espíritos vêm ensinar a darmos os primeiros passos sem segurar nas nossas pernas. Não devemos ignorar que, nem o poder, a juventude, o ouro, a fama ou a ciência nos confere qualquer privilégio de fixação no conhecimento de um palmo se quer acima da nossa cabeça.
Pense nisso, meu filho, e se lembre que você se encontra no mundo como numa viagem; sempre as despedidas, sempre as saudades, sempre o adeus. Sua queixa é aparentemente justa; porém, antes de você perder o equilíbrio, examine primeiro as intenções mais íntimas do portador dela.
É nosso dever salientarmos a necessidade do nosso equilíbrio.
Temos a assistência espiritual e todos os dias devemos estar mais conscientes dos nossos compromissos e responsabilidades, não para com Deus como para connosco. O peixe mora gratuitamente na água, mas sabe que deve nadar por si mesmo. Assim somos nós, se compreendemos a vontade de Deus, então sabemos que só através de nossos esforços atingiremos nossa meta.
Devemos procurar, no cumprimento de nossas obrigações interiores e exteriores e nos unir ao Altíssimo.
Estamos vivendo os últimos dias e sabemos que a inteligência e o pensamento não são atribuições da matéria. Verificamos também que o elemento espiritual e a matéria são dois princípios característicos do universo. Individualizando o princípio espiritual constituímos os seres chamados espíritos, assim como individualizando o princípio chamado matéria constitui os diferentes corpos da natureza orgânica e inorgânica. Não é, somente, a alma humana; é uma coisa que preexiste e sobrevive dos corpos físicos e fluídicos. Assim, em todo homem vive um espírito e, por espírito deve-se entender a alma revestida pelo seu envoltório fluídico que tem a forma do corpo, físico, que participa da imortalidade do mesmo, do qual é inseparável.
Revela-se por seus pensamentos e também por seus atos. Para que possa agir e impressionar os sentidos físicos, transporta-se com o envoltório se mi-material que denominamos "perispírito", nome dado ao invólucro fluído, imponderável e invisível. Muitas vezes estamos com o nosso invólucro fluído junto à meia-alma e o nosso psique está atravessando outros planos, conservando os instintos do corpo físico, acumulando forças, vivendo as nossas múltiplas existências ou o futuro da nossa desejada evolução.­
Durante a encarnação, como anteriormente foi explicado, o Centro Coronário se incumbe de captar e transportar aos outros centros de forças as energias que, por sua vez, são transportadas aos órgãos vitalizando-os.
Estimulados por essas energias os órgãos executam duas importantes tarefas: A assimilação e a desassimilação (ou excreção).
Estamos no limiar do terceiro milénio e tudo esperamos. Espero até mesmo juntos, em breve, o céu e a terra; porém, grandes catástrofes nos desentendimentos humanos.
Bendito sejas Jesus querido, que por sua piedade devolvestes o meu espírito aqui para a terra, confiante nos dotes que me deste.
A Mãe em Cristo.
TIA NEIVA

sexta-feira, 14 de novembro de 2014

Santa Sara Kali padroeira do Povo Cigano


Santa Sara Kali é a padroeira do povo cigano, é pouco conhecida, como também é pouco conhecida a sua história. Acredita-se ser Egípcia, era escrava, venceu os mares com sua fé e virou Santa.
Conta a lenda que Maria Madalena, Maria Jacobé, Maria Salomé, José de Arimatéia e Trofino, junto com Sara escrava, foram atirados ao mar, numa barca sem remos e sem provisões. Desesperadas as três Marias puseram-se a orar e a chorar. Sara então retira seu lenço da cabeça, chama por Jesus Cristo e promete que se todos se salvassem, ela seria escrava de Jesus, e jamais andaria com a cabeça descoberta em sinal de respeito.
Milagrosamente, a barca sem rumo, atravessou o oceano e aportou com todos salvos em Petit-Rône, hoje a tão querida Saintes-Maries-de-La-Mer, no sul da França. Por ser escrava e negra, ao aportar não foi acolhida como os outros de seu barco.
Um grupo de ciganos a encontrou e ficaram penalizados, então acolheram-na. Sara cumpriu a sua promessa até o final de seus dias. Conta a lenda que ela operou alguns milagres entre o povo cigano e por isso, após sua morte foi cultuada como padroeira do povo cigano.
Suas histórias e milagres a fez Padroeira Universal do povo cigano, sendo festejada todos os anos no dia 24 de maio. Segundo o livro escrito pela cigana Miriam Stanescon, deve ter nascido deste gesto de Sara Kali, a tradição de toda a mulher cigana casada, usar um lenço, tornando a peça mais importante do seu vestuário, tanto que quando se quer presentear uma cigana com o mais belo presente, se diz:- “Te darei um lindo lenço”.
Além de trazer saúde, prosperidade, Sara Kali é cultuada também pelas ciganas por ajuda-las diante da dificuldade de engravidar. Muitas que não conseguiam ter filhos, faziam promessas, no sentido de que, se concebessem, iriam à cripta da Santa, em Saintes-Maries-de-La-Mér, fariam uma noite de vigília e depositariam aos seus pés como oferenda, um lenço, o mais bonito que encontrassem. Lá existem centenas de lenços, como prova que muitas mulheres receberam essa graça.
Para a mulher cigana, o milagre mais importante da vida, é o da fertilidade. Quanto mais filhos tiver, é considerada pelo seu povo, uma mulher dotada de sorte. A pior praga para uma mulher cigana é desejar que ela não tenha filhos. Talvez seja esse o motivo das mulheres terem desenvolvido a arte de simpatias e garrafadas milagrosas para a fertilidade.
Uma outra lenda diz, que Sara Kali, as três Marias e José de Arimatéia, teriam fugido numa pequena barca, transportando o Santo Graal (o cálice sagrado), que seria levado para um mosteiro da antiga Bretanha. A barca teria perdido o rumo durante o trajeto e atracado no porto de Camargue, às margem do Mediterrâneo, que ficou conhecido como Saintes-Maries-de-La-Mer, transformado num grande local de concentração cigana.
O seu dia é comemorado e reverenciado através de uma longa noite de vigília e oração pelos ciganos espalhados no mundo inteiro, com candeias de luzes azuis, flores e vestes coloridas, muita música e muita dança. Cujo simbolismo religioso representa o processo de purificação e renovação da natureza e do eterno “retorno dos tempos” CIGANOS LUZ DO AMANHECER