segunda-feira, 14 de novembro de 2016

Há 31 anos que nossa Mãe nos deixou


Meus irmãos e irmãs,
Salve Deus!
Amanhã, 15 de Novembro, completará 31 anos que Tia Neiva, nossa Mãe em Cristo, nos deixou fisicamente. Inevitavelmente, aqueles que buscam a essência de nossa Doutrina, procuram um elo de ligação com um passado que vai tornando-se cada vez mais distante.
Tia Neiva trazia uma segurança incomparável, não apenas pela sua Clarividência, que determinava os rumos a serem seguidos e as constantes “novidades” do Plano Espiritual, mas também pela presença da Mãe! Aquela que acolhia, entendia, tolerava e resolvia. Meia dúzia de suas palavras, ou mesmo um olhar com um esboço de sorriso no canto dos lábios, resolvia e decidia qualquer situação. Sua liderança era inquestionável!
Vivemos uma orfandade deste sua partida. Uma orfandade provocada pela falta de amadurecimento de seus ensinamentos em nosso coração. Ela preparou o Doutrinador para ser seu “substituto”. Não “um doutrinador”, mas “O” Doutrinador. O médium capaz de decidir com a intuição directamente conectada com os mesmos Planos Espirituais que a regiam. Aquele que sentiria o clamor dos mais sofridos, se emocionaria ao encaminhar a cada espírito em uma mesa ou trono. O Doutrinador que viveria a essência de seus ensinamentos na prática, sem semear discussões inúteis ou questionamentos não produtivos.
O Doutrinador que respeitaria a Voz Directa trazida pelo Apará, mas que ao mesmo tempo seria consciente da missão de ter nas mãos o livre arbítrio, jamais ferido por qualquer comunicação do Céu.
O Doutrinador que onde chegasse fosse o Farol da Luz do Amor! Falando de coisas boas e produtivas, trazendo sempre alento e esperança! Trazendo a liderança conquistada e nunca imposta por classificações.
O Doutrinador despido das vaidades e avesso às adulações. Que entendesse os mais pobres e permitisse a caminhada daqueles que sequer podem comprar a primeira fita. Que entendesse os mais ricos, rejeitando suas benesses materiais, mesmo que fossem por uma boa causa... Não pode haver agradecimento material! Não pode haver impedimento aos que nada de material  podem oferecer também.
Não falarei do que vejo, do que sinto, do que calo... Apenas convido a todos para que não desistam de buscar este Doutrinador! Que deixem de procurar nos homens, e passem a encontrar em seu coração.
Aos Aparás, que recordem que quando falamos “Doutrinador”, não falamos da mediunidade atribuída em seu teste mediúnico. Falamos daquele que “carrega a Doutrina em seu coração”... Este é o verdadeiro Doutrinador!
Kazagrande
14/11/2016

quinta-feira, 2 de junho de 2016

CONSCIENCIALIZAÇÃO DOS REAJUSTES CÁRMICOS

CONSCIENCIALIZAÇÃO DOS REAJUSTES CÁRMICOS

Tia Neiva fez muitas cartas individualizadas, esclarecendo a jornada de cada um, para melhor orientação e consciencialização dos reajustes cármicos.
Eis um exemplo, em que o nome do destinatário foi oculto:
Salve Deus, meu filho (....)!
Você é um espírito espartano que se destacou pela força e coragem. Percorreu as planícies macedónias na conquista de novos mundos e civilizações. Em Roma, foi Centurião, e impunha respeito pela força. Fez muitas desordens no Egipto, provocando a queda da rainha e exterminando com a civilização egípcia. Na França, participou activamente na batalha da queda da Bastilha. Quando Cigano, acompanhava Natacha e era, então, inteligente, astucioso e muito dinâmico. Foi deportado, no império de Dom Pedro, quando se perdeu nas desapropriações de direitos, desviando-se de suas obrigações e responsabilidades. Veio, então, no Angical, onde foi severo senhor de escravos, homem de grande fortuna e inteiramente voltado para os vícios e prazeres mundanos, jogos, bebidas, danças e roubos. Gostava de conquistas amorosas, sendo o causador de desajustes em muitos lares, e a cada dia destruindo seu próprio lar. Teve que fugir e abandonar toda a sua riqueza, porque, na Abolição, os negros libertos, que tanto haviam sofrido em suas mãos, queriam matá-lo. Sempre foi um espírito de fortuna e até hoje não se conforma com a riqueza perdida. O que possui é concedido pela Providência. Procure não fazer inimigos, para não aumentar sua bagagem cármica. Destruiu toda a sua família e, por isso, sua principal missão, hoje, é se recuperar e se reajustar com seus familiares, que são os mesmos do passado. Procure cultivar e conservar tudo aquilo que Deus lhe concede a cada instante e, com a força do seu amor, vencerá mais esta batalha difícil do seu carma. Pai Seta Branca está lhe dando especial assistência e protecção, para que possua sempre, em seu íntimo, a paz e a tranquilidade, mesmo em meio às dificuldades que são comuns a todos nós que peregrinamos na Terra. A Mãe, em Cristo Jesus, Tia Neiva.
Pela força do nosso carma, muitas vezes nos aproximamos de alguém e sentimos um impacto desagradável, apesar de ser um primeiro encontro – pelo menos nesta vida! – e não entendemos essa estranha sensação de antipatia. É fruto da situação cármica, vibratória, que nos envolve na presença de um outro espírito com o qual termos reajustes a fazer, base desse fator muitas vezes avassalador que nos torna antipáticos sem qualquer motivo aparente. Isso é fato comum em nossa jornada, e precisamos estar atentos para contornar a situação sem agravar os atritos e, por conseguinte, agravar o nosso carma.
Tia Neiva sempre nos ensinou que, ao trabalharmos na força da Alta Magia, recebemos uma força magnética extra que nos ajuda em nossas passagens cármicas.
· “Deus não castiga nem premia. Dentro desta vida, nossos actos, são praticados por nós mesmos. Nós nos auto-punimos, nos auto-castigamos, nos auto-elogiamos e nos auto-engrandecemos.
É preciso perceber que o orgulho e a vaidade nos levam a nos colocarmos em posições, às vezes, querendo substituir o próprio Deus. Mas devemos nos lembrar que não foi Deus quem fez isto ou aquilo, mas nós é que estamos fazendo a partir da obra que somos deste próprio Deus.
O limite de nossa acção é a nossa própria vida. Ninguém recebe além daquilo para que foi preparado para fazer. Todos nós temos o nosso roteiro de vivência e nada acontece por acaso, senão pela atracção do charme e das linhas cármicas. Tudo está programado em nossas vidas.
Nada há que nos faça deixar de recorrer a Deus pelo fato de estarmos em falta, porque Deus é bondade e só nos traz a luz. A todo momento podemos recorrer a Deus, porque, sem a energia divina, deixaremos de existir.
Mas é preciso abrirmos a oportunidade para que esta energia se manifeste. Se fecharmos os olhos de nossa alma e não estivermos conscientes deste Deus, a energia não penetrará em nós! (...)
O que vamos fazer no futuro depende do que estamos fazendo agora. Então, a Eternidade está sendo vivida neste instante. Tudo que quiserem, tudo que desejarem alcançar, poderão pedir a Deus neste instante.
Vamos, pois, cuidar da nossa vida com esmero. Temos um sistema planetário, herança transcendental, coisas verdadeiras trazidas para nós, às quais teremos que corresponder.
Vamos viver, portanto, com intensidade, porque nós poderemos modificar todo o nosso destino, numa concentração dentro de um processo evangélico como, por exemplo, uma Contagem. (...)
É com o coração que nós temos que aprender. Não adianta mergulhar mais fundo do que aquilo que podemos ir. Temos que saber qual é o nosso tamanho. E não esqueçamos, nunca, que enquanto não liquidarmos com as coisas que estão ao nosso alcance, as coisas do nosso carma, não entenderemos a voz de Deus, que nos fala através de mil mensagens a cada dia!” (Mestre Tumuchy)

terça-feira, 1 de setembro de 2015

Projecções Mentais ou Fluídicas


Proporciona a Divina Providência este nosso encontro.
Deixemos por instantes, os nossos pensamentos libertos, a vaguear na amplidão circunstancial desta doutrina, para esta nova era.
Remontamos séculos, atingindo nossos ensinamentos e nossas heranças transcendentais, porque sabemos que tudo vibra e irradia neste universo, onde tudo é força, luz e vida.
Meus filhos, nós somos o rio que corre tranquilo e se encontra no mar. Quando recebemos uma projecção mental fluídica a seguimos com a mente ou somos por ela atraídos. Conforme as nossas propriedades ou heranças, ajudamos ou destruímos. As projecções podem ser mentais ou fluídicas.
As projecções mentais quando se apresentam, atingem o processo mental e se são de amor, destinadas a beneficiar ou socorrer, elas produzem bons pensamentos. Essas projecções benéficas são recebidas no coração.
A energia mental é o fermento vivo que improvisa, altera, constrange, alarga, desassimila, pulveriza ou recompõe a energia em todas as dimensões.
Na criação do todo, sentimos a força da Mente Divina, e dizemos: O Senhor tem o seu templo em meu íntimo, nenhum poder é demasiado ao poder dinâmico do meu espírito, o amor e a chama branca da vida residem em mim.
Nossos maus desejos criam em torno de nós uma atmosfera fluídica impura, propícia à acção das influências da mesma ordem, ao passo que as nobres aspirações atraem as vibrações benéficas, principalmente se estamos em prece. "Bem aventurados os puros de coração, porque verão a Deus" (Mateus 5:8).
Todas as coisas são regidas pela Lei das atracções.
As vibrações atraem sempre as similares, aproximam e vinculam as almas, os corações e os pensamentos. Portanto, se falando de uma condição hierárquica entre os desencarnados, diremos que entre os mesmos, a única base é a virtude e são as qualidades morais, conquistadas pelo trabalho e pelo sofrimento. Verificamos, pois, que eles estacionam na faixa da erraticidade, de acordo com seu padrão psíquico e moral.
Assim também nós outros alimentamos-nos agora com boas obras, avivando o drama do amor puro, transformando-nos num facho que esclareçam todos aqueles que de nós se aproximam, a fim de caminharmos cada vez mais em frente, sem tropeços, cumprindo o que Jesus nos disse: "Amai-vos uns aos outros".
Se você tem fé você se sustentará, sobretudo no esforço diário do próprio burilamento, através das pequeninas e difíceis vitórias sobre a natureza inferior. Aperfeiçoando a nós mesmos temos mais condições de segurança e reflectimos o amor e a sabedoria das leis.
A fé cega é como o farol vermelho, cujo clarão não pode trespassar o nevoeiro. A fé esclarecida é o foco que brilha iluminando a nossa própria estrada, foco esse que transpõe todo e qualquer nevoeiro.
Ninguém adquire sem ter passado pelas tribulações da dúvida, sem ter padecido as angústias da libertação dos nossos compromissos cármicos.
É preciso também cuidado com a fé religiosa que anula a razão e nos submete ao juízo dos outros. A razão humana é um reflexo da razão eterna, é Deus em nós.
Vivemos num propósito firme em busca de aprimoramento e evolução; entretanto, estacamos ao menor empecilho. Somente a verdade nos dá a libertação dos nossos espíritos.
Meus filhos, sempre que uma estrada termina, nasce outra; portanto, não há motivo para trocar de estrada e sair para outra que não conhecemos; é mais uma precipitação da época vibrante que estamos vivendo, que 'acelera o ritmo das experiências. A época que vivemos, na condição feliz ou infeliz deve ser pensada antes de qualquer mudança.
Passar pelo Amanhecer ignorando sua disciplina ou seus esclarecimentos não cura coisa alguma. Devemos procurar a nossa "luz íntima" oferecendo-'nos ao Pai e a Jesus, agradecendo este paraíso renovador dos nossos espíritos. Devemos cultivar o santuário de nossa inteligência, uma vez que é ele (o santuário) que evoluímos. Jesus não veio destruir a lei dos homens, cuja lei vem de Deus, mas sim esclarecer e fazer cumprir o grau de desenvolvimento de cada um de nós.
No dia em que a alma se liberta das formas animais, chegando ao estágio humano, ela conquista sua autonomia, compreende suas responsabilidades morais, seus deveres, mas nem por isso atinge o seu fim ou termina a sua evolução. Longe de acabar aí, começa sua Obra real.
O corpo espiritual, isto é, o "perispírito” , como toda a matéria, nada mais é do que a concentração de energia do fluído cósmico em várias camadas vibratórias, que o espírito manipula para sua realização.
Desde quando o espírito escolhe a sua mãe, um grande laço os envolve. Sim, pai e mãe. Na minha concepção de clarividente e mãe experiente, eu digo das mães que elas assumem toda a responsabilidade.
Somos, cada um de nós, um íman de elevada potência espiritual, de um centro de vida inteligente, atraídos por forças cármicas, que se harmonizam com as nossas forças e com as deles (dos pais), com isso, constituindo o nosso domicílio na matéria ou no perispírito. A criatura, encarnada ou desencarnada, onde estiver respira entre raios de vida, superiores ou inferiores, que emitem ao redor dos próprios passos, tal qual a aranha que se confunde nos fios escuros que produz, ou então como andorinhas que corta os céus com as próprias asas. Todos nós exteriorizamos as energias com as quais nos revestimos, cujas energias nos definem muito mais que as palavras.
Para simplificar: Essa é a verdadeira coordenação do espírito. Enfim, existe somente uma lei: Individualidade - Livre arbítrio - Lei divina - Lei do auxílio.
É no Centro Coronário que se originam as manifestações e os registos, que calçam na sensibilidade e envolvem no físico sua actuação passada que, reflectida no presente, plasma em ondas de retorno num circuito fechado a Lei de Causa e Efeito (Carma).
Desses centros de força são recebidas e localizadas no "duplo etérico" as energias manipuladas pelo perispírito, Esses "centros de forças" recebem e movimentam esses fluídos, transmitindo glóbulos vitalizantes aos órgãos do corpo físico, através dos chamados "plexos".
Temos assim no Centro coronário a complementação de forças, determinantes dos planos superiores, que passam por uma selecção paulatina, fazem a sua expansão, filtradas as emanações e cuidadosamente encaminhadas, através de reflexos benéficos, que são os momentos da individualidade, com base nas vibrações próprias do Espírito, que eu chamo também de "força nativa".
Neste labor o Centro Coronário imprime emanações fluídicas electromagnéticas que levam ao centro da alma irradiações energéticas estimulando, vitalizando, agindo sempre de forma independente de si para si, de suas propriedades, sempre gerando o bem ou o mal.
O homem bom em suas condutas doutrinárias emite seus reflexos bons; o negativo deturpa de acordo com sua recepção.
Deste modo o Centro Coronário regista a responsabilidade marcando o próprio homem, com as consequências felizes ou infelizes.
Essas são leis emanadas pelo Criador - causa e efeito.
Sob a orientação dos mentores espirituais as células são reunidas compondo os tecidos, moldando e funcionando sempre pelo governo espiritual. Mas, deixemos agora o funcionamento do Centro Coronário, onde concluímos, que o homem herda o corpo conforme sua disposição mental, para entrarmos na Lei do Auxílio.
Na Lei do Auxílio é que se aplica o trabalho da caridade, no emprego das faculdades mediúnicas. Cada um de nós é uma força curadora e inteligente que cura o seu próprio corpo.
Quando o espírito se liberta das forças animais, nada mais tem a fazer na terra. O homem tem que sentir constantemente a força vital.
Ao sentirmos, em nosso íntimo, falhas de nosso lado, temos que reagir com coragem suficiente para discernir, a fim de reparar o negativo de hoje, que será o mal de amanhã. Cada consciência vive e se envolve nos seus próprios pensamentos.
Através dos séculos e dos tempos, nada escapa a lei do progresso, as religiões acima de tudo, pois são as fronteiras que nos iluminam as muitas passagens.
As células que compõe o nosso corpo físico são as mesmas do corpo, astral.
Salve Deus. Relatemos, aqui uma importante passagem que nos deixou estarrecidos: Tendo completado o seu tempo na terra, uma nobre família voltou os planos espirituais. Houve muitas festas em comemoração por tão rica passagem.
Quando nos referimos a uma "família espiritual" trata-se de muita gente. Havia, porém dois jovens que pertenciam a essa família, mas que não participavam dessa alegria: Rúbio e Rúbia cuja tristeza irradiava em tomo deles com uma intensidade anormal. Enquanto todos os outros membros da família, eram designados e seguiam para suas missões específicas, os dois nada recebiam; chegou à vez deles e o chefe da família tomou as providências que o caso requeria; os dois jovens foram levados ao Grande Aledá Alufã onde foi feito o diagnóstico: Numa passagem na terra eram mudos e surdos devido a um grande erro cometido na “guerra dos 100 anos”. Eles haviam se aproveitado dos seus poderes e fizeram actos de espionagem, que causaram muito mal.
Foi muito triste o que aconteceu, pois o casal não podia, acompanhar a grande família e seguir o curso normal da vida. Foram então levados para o Sono Cultural de onde, nove meses depois iriam procurar uma mãe para reencarnar. Foi uma encarnação triste porque não tinham na terra nenhum parente espiritual, o que resultava na ausência de ideais e alegrias. Nem mesmo o Sono Cultural curou sua tristeza. Ainda assim tiveram um lar feliz e pagaram com amor a sua triste dívida.
O fato real é que mesmo na decorrência dos tempos e dos Séculos, nada escapa à Lei do Progresso, que é a lei das religiões e das doutrinas.
Temos que corresponder às necessidades da época em que vivemos, uma vez que para isso viemos preparados dos planos espirituais. Só teremos o “espírito da verdade" pela vivência única e simples do Evangelho de Nosso Senhor Jesus Cristo, pois, somente, por esse caminho chegaremos à glória máxima do Espírito da Verdade.
Qualquer situação que se destaque preocupa com mais constância a ideia ou a mente do homem, porém tudo nesse particular é propósito mal dirigido. Devido à existência de forças mal distribuídas passa-se a considerar a vida um terrível espinho e a vivê-la nas provas com agonia existencial. Entretanto, se, se conversar com Deus e os mentores espirituais a gente sentirá a alegria que este Planeta produz. A manifestação dos espíritos por meio dos aparelhos mediúnicos alivia em muito nossas dores e não são mais do que a evangelização. Se a gente se alertar no primeiro passo então se ficará seguro e dar-se-á outros mil passos, sempre se defrontando com as antenas de outros fenómenos, porém, o que consta para nós é que os espíritos vêm ensinar a darmos os primeiros passos sem segurar nas nossas pernas. Não devemos ignorar que, nem o poder, a juventude, o ouro, a fama ou a ciência nos confere qualquer privilégio de fixação no conhecimento de um palmo se quer acima da nossa cabeça.
Pense nisso, meu filho, e se lembre que você se encontra no mundo como numa viagem; sempre as despedidas, sempre as saudades, sempre o adeus. Sua queixa é aparentemente justa; porém, antes de você perder o equilíbrio, examine primeiro as intenções mais íntimas do portador dela.
É nosso dever salientarmos a necessidade do nosso equilíbrio.
Temos a assistência espiritual e todos os dias devemos estar mais conscientes dos nossos compromissos e responsabilidades, não para com Deus como para connosco. O peixe mora gratuitamente na água, mas sabe que deve nadar por si mesmo. Assim somos nós, se compreendemos a vontade de Deus, então sabemos que só através de nossos esforços atingiremos nossa meta.
Devemos procurar, no cumprimento de nossas obrigações interiores e exteriores e nos unir ao Altíssimo.
Estamos vivendo os últimos dias e sabemos que a inteligência e o pensamento não são atribuições da matéria. Verificamos também que o elemento espiritual e a matéria são dois princípios característicos do universo. Individualizando o princípio espiritual constituímos os seres chamados espíritos, assim como individualizando o princípio chamado matéria constitui os diferentes corpos da natureza orgânica e inorgânica. Não é, somente, a alma humana; é uma coisa que preexiste e sobrevive dos corpos físicos e fluídicos. Assim, em todo homem vive um espírito e, por espírito deve-se entender a alma revestida pelo seu envoltório fluídico que tem a forma do corpo, físico, que participa da imortalidade do mesmo, do qual é inseparável.
Revela-se por seus pensamentos e também por seus actos. Para que possa agir e impressionar os sentidos físicos, transporta-se com o envoltório semi-material que denominamos "perispírito", nome dado ao invólucro fluído, imponderável e invisível. Muitas vezes estamos com o nosso invólucro fluído junto à meia-alma e o nosso psique está atravessando outros planos, conservando os instintos do corpo físico, acumulando forças, vivendo as nossas múltiplas existências ou o futuro da nossa desejada evolução.­
Durante a encarnação, como anteriormente foi explicado, o Centro Coronário se incumbe de captar e transportar aos outros centros de forças as energias que, por sua vez, são transportadas aos órgãos vitalizando-os.
Estimulados por essas energias os órgãos executam duas importantes tarefas: A assimilação e a desassimilação (ou excreção).
Estamos no limiar do terceiro milénio e tudo esperamos. Espero até mesmo juntos, em breve, o céu e a terra; porém, grandes catástrofes nos desentendimentos humanos.
Bendito sejas Jesus querido, que por sua piedade devolvestes o meu espírito aqui para a terra, confiante nos dotes que me deste.
A Mãe em Cristo.
TIA NEIVA

domingo, 30 de agosto de 2015

Carta do Adjunto


CARTA DO ADJUNTO!
Salve Deus!
Meu Filho Adjunto Koatay 108: No Templo curando todas as moléstias, evitamos, muitas vezes; a morte, e chegamos à velhice. Porém, na eternidade pessoal, sem poder matar as transformações de uma existência, é acrisolado na ciência do movimento perpétuo, que é a ciência da Vida. Filho, tudo se renova e se opera pelo equilíbrio da mente. O acrisolamento de um espírito, além da Vida Física, é tão terrível como as enfermidades do corpo.
Meu Filho, Adjunto; sem a pretensão de te fazer um Monge, e ou, um Robô místico, vou te descrever as pequenas obrigações de um Ativo Adjunto:
- Tornar-se um perfeito cavalheiro e aprender a dar o devido respeito aos outros.
- Não passar simplesmente de um religioso acomodando-se nas maravilhas do misticismo.
- Aprender a ser tolerante mesmo diante da provação dos cobradores.
- Seguir os princípios do Santo Evangelho e suas revelações, fixando-se nas comunicações reveladas.
- Não causar ansiedades para os outros, pelas ações de teu corpo, pelos pensamentos de tua mente, e ou, por palavras.
- Não se identificar falsamente com grosserias, se fazendo de melhor, abusando de tua autoridade.
- não se apegar a nada que te faça sofrer.
- Procurar assumir teu compromisso de família com Amor, mesmo à distância dos mesmos ou quando, por incompatibilidade, te afastares de esposa e filhos.
- Discernir entre o que é importante e o que não é: ser firme como uma Rocha, quando à frente tiver que decidir entre o bem e o mal. Esforça-te para averiguar o que vale a pena ser feito, não usando, em vão; as tuas armas.
- Não entregar a tua alma à fatalidade, que é a verdade infernal, possessões das fatalidades almas enfraquecidas, sem Fé em Deus. Estamos com duas Espadas, com que podemos nos defender. Filho, o segredo das Ciências Ocultas é o da natureza mesmo: é o segredo da geração dos Grandes Iniciados e dos Mundos de Deus. Os Grandes Talismãs da Vida; a substância criada é chamada Atividade Geradora. A manipulação do fogo na Mirra, Sal e Perfume.
- Evitar a disciplina relacionada com os Outros. Lembra-te sempre que, enquanto tiveres um corpo material, terás que enfrentar as Forças do teu Plexo Físico; nascimento, velhice, doença e morte. Não devemos apegar a nada além das necessidades da Vida Física.
- E para melhor servir em tua hierarquia, criar uma personalidade em frente das Três Portas da Vida Iniciática: sem Ironia, e com distinção dos que Respeita; amando. A tua Missão é o teu Sacerdócio.
Na Doutrina Espírita, a fé representa o dever de raciocinar, com a responsabilidade de viver, porém, com amor no equilíbrio do seu SOL INTERIOR. Sim, meu filho, O SOL, a nossa vida por Deus constituída. Porque o SOL INTERIOR é formado pelos três plexos no REINO CORONÁRIO. Sendo corpo físico, devemos estar sempre compreendendo os nossos instintos da carne do reino físico. No PLEXO ETÉRICO, ou PERESPÍRITO, “A nossa alma ou micro plexo”, quando bem sintonizado, se desprende do corpo e parte em busca dos nossos desejos. Se estivermos em perfeita sintonia com Deus, ela vai até o CÓSMO, nos traz força e energia, formando o nosso SOL INTERIOR. Tudo dependerá de nós sabermos harmonizar estes TRÊS REINOS de nossa natureza: AMOR, HUMILDADE e TOLERÂNCIA. A nossa responsabilidade é grande demais pelo compromisso que assumimos nos planos espirituais para sermos o socorro final nesta nova era.
Meus filhos farão de nossa missão o nosso sacerdócio. Jamais irei exigir nos vossos aparelhos, os anjos do Céu, porém, irei sempre às matas de XINGU em busca das mais puras ENERGIAS, para o conforto e harmonia da cura do corpo e do espírito, e desenvolvimento material de vossas vidas.
Força de XINGU é força vital, extracósmica. A LEI FÍSICA QUE NOS CONDUZ À RAZÃO É A MESMA QUE NOS CONDUZ A DEUS.
Não somos políticos, porém, temos como obrigação obedecer às leis, cumprir com dignidade o que nos regem os nossos governantes de nossa Nação. Não vos considero como tradicionais espíritos das mesas de KARDEC ou dos LUMINOSOS TERREIROS; concebo-vos preparados, MAGOS DO AVANGELHO no LIMIAR DO III MILÊNIO. Existe um Céu espiritual ao nosso alcance. Existe outra natureza que está além da manifestação habitual que conhecemos que só mesmo as heranças transcendentais nos levarão a VIDAS ALÉM CARMA.
Rogando a Jesus, a quem entreguei os meus olhos, pelo vosso amor.
A Mãe em Cristo.
Tia Neiva!
Vale do Amanhecer, 11 de Setembro de 1977.


sexta-feira, 28 de agosto de 2015

SITUAÇÕES INQUIETANTES E QUE CAUSAM DESARMONIA E DÚVIDAS


Salve Deus!
O pressuposto de ser um religioso ou alguém que busca normas religiosas em uma doutrina é a proposta de buscar ser melhor, e apagar as máculas de suas encarnações desastradas. Princípios religiosos é tão antigo quanta a existência humana na terra; nasceu da necessidade de buscar essas raízes ou origens enigmáticas de sua origem, do mito veio essa busca e aos poucos rituais foram surgindo e com a vinda de Jesus e o nascimento da religião católica e protestante deus possibilidade que o evangelho de Jesus fosse propagado os quatro cantos do planeta.
Na Cachoeira do Jaguar, Pai João, Pai Zé Pedro e Natacham preconizam a criação do Doutrinador. Em 1925 em Propriá Se, nasce Neiva chaves.
Com o descortinar de sua visão tem início o projecto de reforma espiritual mais arrojado depois da vinda de Jesus. Na década de cinquenta na Serra do Ouro entre Alexânia e Brasília começa a UESB e começamos a receber via directa dos planos espirituais a informação contida em leis e rituais que culminaram com a formação da DOUTRINA DO AMANHECER.
A formulação desse todo da Corrente Indiana do Espaço é conjunto de rituais, indumentárias, cânticos, mantras, construções arquitectónicas, enfim realmente um todo onde a disciplina e a hierarquia normatiza a doutrina.
A primeira pessoa passar por esse código disciplinador foi a então Neiva, que começou suas actividades como fotografa na cidade de Ceres-Go.
Mãe Yara, ainda na roupagem de Adelina com muita paciência aos poucos foi levando Neiva ao entendimento da evangelização. Pai João com sua força imperativa e disciplinadora fez os ajustes necessários e sob o amor do cacique da Lança Branca ela chegou a UESB e então o berço, a origem da doutrina se fez naquela região.
Depois da UESB, o grupo vai para Taguatinga e de lá mudam se para aos arredores de Planaltina em 09 de Novembro de 1969 e fundam o Vale do Amanhecer.
Com o advento da Iniciação Dharman-Oxinto, a força do Mestre Humarran, entramos na fase iniciática da Doutrina. O mestrado foi a porta de entrada para a chegada do Trino, e este foi é o princípio da formação da hierarquia de nossa doutrina, Tia Neiva na formação e criação dos Trinos, delega aos mesmos que esses sejam seus representantes físicos e espirituais transferindo também seus poderes a eles. Por volta de 1978 nasce o Adjunto, que recebeu esses poderes na recém construída Estrela candente.
A partir de então começou nesse processo hierárquico a formação da força decrescente que é a responsável pela captação e distribuição das forças espirituais pelos componentes de nossa doutrina.
Tia Neiva a medida que recebia essas orientações passadas pelos executivos espirituais foi organizando os Adjuntos com seus componentes formando o Povo e esse agregou-se ao CONTINENTE.
Até 1985, data de seu desencarne, nossa Clarividente deixou um sistema hierárquico perfeitamente instrumentado para conduzir a doutrina e mesmo com sua ausência os Trinos Presidentes Triadas consagrados por ela, TUMUCHY, ARAKEN,SUMANA E AJARÃ a representou para cumprir e se fazer cumprir as leis da Doutrina do Amanhecer.
Quando Tia Neiva desencarnou haviam 42 templos do Amanhecer e essa quantidade ficou impedida de aumentar em virtude dos Mestres Doutrinadores em condição de implantar mais templos não terem os nomes de Ministros, para resolver essa situação os Trinos Presidentes se reuniram instituindo o ritual de entrega de nomes de Ministros, Cavaleiros e Guias Missionárias
Então acontece um fato que mudaria essa organização perfeita hierárquica deixada por nossa Clarividente! Desencarna o Primeiro Mestre Sol Tumuchy e cerca de seis anos depois o Trino Araken.
Por razões que não nos compete julgar ou comentar assume a doutrina no Templo Mãe o Trino Ypoarã Mestre Raul Zelaya. O Trino Ajarã cria CGTA e então a Doutrina passa ter duas estruturas criadas para administrar o património físico e administrativo pertencentes a Doutrina do Amanhecer. É importante frisar com bastante veemência que a condução da Doutrina do Amanhecer no que diz respeito a rituais e todo o segmento espiritual deixado e outorgado por nossa Clarividente esteve e está sob a jurisdição dos Trinos Presidentes Triadas classificados por ela.
Sabemos que na ordem natural das coisas todos nós estamos nesse planeta numa condição transitória e essa situação é latente e certa para nós outros seres humanos.
Muitos de nossos Adjuntos veteranos já estão nos planos espirituais e também dois de nossos Trinos Presidentes, a pergunta que muitos estão a fazer o que deverá acontecer quando não mais tivermos esses Trinos entre nós?
-Os dois Trinos Presidentes que estão entre nós haverão de encontrar uma solução para essa situação.
Depois de fazer um relato extenso sobre o histórico de formação de nossa doutrina, gostaria de deixar enfatizado alguns itens aqui relacionados e dizer que o faço baseado em meu juramento de Mestre cuja consciência me impede de dizer qualquer situação que fuja a essência doutrina de nossa Clarividente em Koatay 108 e tão pouco ser parcial ao Trino Ajarã o qual me classificou como Arcano e convidou-me a ser seu Sub coordenador e também Primeiro Príncipe Maia dos Templos do Amanhecer.
CLASSIFICAÇÃO DE ARCANO:
-Somente um iniciado poderá conduzir um outro a uma iniciação.
Na formação do Adjunto tem um fato que exemplifica outorga essa condição!
Para ser formado um Adjunto , o aspirante a essa condição vai até a Pitonisa, essa lhe diz que ele deve se espiritualizar primeiro, voltando até ela depois!
Então ela o envia ao Trino que o outorga a ser um Adjunto, só depois autorizado pelo Trino é que ele pode ser um Adjunto.
Portanto quem pode Classificar um Arcano é um Trino...
Lei do Adjunto:
A única lei do Adjunto existente é um texto de conduta transcrito por nossa Clarividente. Nenhum Mestre seja ele quem for está acima as leis de nossa Clarividente.
Cruzamento de corrente:
Não há dois Pai Seta Branca ou duas Tia Neiva todos os Mestre deste Amanhecer passam pela mesma iniciação e consagrações, portanto possa haver siglas administrativas, mas a doutrina é uma só.
Independência de Templos.
Não se divide o indivisível, a doutrina do Amanhecer, portanto não pode ser dividida, e portanto querer ser independente dessa hierarquia e da força decrescente é o mesmo que abandonar a fonte de força que foi nos dada pelos Mentores que criaram nosso sistema de Hierarquia. E de forma alguma esses mesmos Mentores iriam contra o que eles mesmos criaram.
Deixar de buscar nos Trinos consagrados pela Clarividente é criar uma estrutura diferenciada, isolada que não está ligado a ninguém e Tia Neiva exemplifica isso quando fala dos Mestre que saem na decrescência de seus Adjuntos...
OU VOCE ESTÁ CONTIDO NA FORÇA OU FORA DELA.
Portanto meus Mestres, essas são as observações de um Doutrinador que fez um juramento em uma Pira e que procura a todo custo segui-las.

Gilmar
Adjunto Adelano

terça-feira, 25 de agosto de 2015

Os que ficam para trás


Muitas vezes lembramos-nos de caros amigos que ficaram para trás. Perderam-se de nós simplesmente na falta de contacto, no tempo escasso que nos envolve em três vidas a serem mantidas nesta encarnação complexa, onde o necessário equilíbrio entre o material, emocional e físico tanto nos cobram...

Alguns mergulham em suas vidas materiais, e, a necessidade de “sempre fazer mais” facilmente consome o tempo que poderia ser mais bem dividido. Trazer o conforto para família ou semear um futuro sem onde possa ter “mais tempo”, está nossa luta diária, e estes desafios são apenas parte de um todo, não o objectivo final.

Outros permitem as emoções da personalidade dominarem por completo. Entregam-se ao desejo de fazer feliz os mais próximos e esquecem-se de tantos que podem estar igualmente precisando do seu afecto. O amor cativado gera responsabilidades e traz vibrações...

Existem ainda os que investem tudo na busca espiritual. Dedicam-se ao conhecimento e se isolam, sem compartilhar as conquistas ou, fanatizados pelo que acreditam, passam a tentar converter a fé alheia, afastando aqueles que os amam, mas não os entendem.

Todos estes ainda se debatem em seus karmas que não serão quebrados porque o equilíbrio ainda não chegou! Perdem-se pelas “prioridades” e tornam-se cada vez mais sós, mesmo que não percebam. Nossa vida é uma constante busca pelo equilíbrio, atreveria mesmo a dizer que nossa maior lição como encarnados é tentar alcançar o equilíbrio!

Porém resta o consolo de que a verdadeira ligação espiritual independentemente do binómio físico de “espaço-tempo”. Está registada em nosso espírito e a afinidade se mantém mesmo quando distantes. Por isso existem aqueles que encontramos, anos depois de nos afastarmos, e “parece que foi ontem”. Os olhares se cruzam, o coração emociona e o abraço caloroso aparece. Não parece que os anos passaram, não existem as perguntas repletas de cobranças, apenas a saudade que de imediato se converte em um sentimento de carinho e respeito. Isto é afinidade espiritual, isto é amor incondicional também.

Outros... Simplesmente ficaram para trás! Os reencontros são frios, disfarçados, ou repletos de cobranças. Um grande amigo do passado passa a não significar mais nada, pois a escada da evolução é fatal. Até mesmo um grande amor pode se apagar por completo e transformar-se em apenas uma lição ou questionamento.

Resta lembrar as sábias palavras de Tia Neiva nos afirmando para que, quando encontramos um grande amigo, ou um grande amor, nos esforcemos para não perder vista, não deixa-los para trás, ou ficarmos para trás. Ninguém é de ninguém, mas as afinidades podem ser construídas dia a dia.

quinta-feira, 20 de agosto de 2015

Raio ou Raiz


RAIO OU RAIZ


Raio ou Raiz é algo como um estado de acomodação de forças em movimento de destaque. São formadas, na Terra, pelos Grandes Iniciados e, com nosso trabalho, estamos homogeneizando a Raiz do Amanhecer.
Cada raio ou raiz tem seu próprio conceito, porque atrai sempre a mesma origem, formando uma contagem.
O Raio é uma energia bem caracterizada, emanada de um Oráculo ou de uma Cabala, com força determinada e especial para cada tipo de trabalho. Não existe Raio melhor ou maior, mas, apenas, diferenciação em suas aplicações, em sua utilização. Podem agir isoladamente ou em conjunto.
É preciso, principalmente para realizar um trabalho espiritual, fazer nossa captação de energia, buscar a nossa Raiz. Nenhuma entidade traz uma carga de energia. Ela vem, sim, para trabalhar com a energia que lhe for proporcionada pelas nossas condições como médiuns, isto é, pela nossa corrente, da qual somos os elos formadores. Pela emissão, captamos na vertical o que pudermos nos planos espirituais, e alimentamos nosso Sol Interior, para, através do nosso canto, emitindo na horizontal a força recebida, nos tornarmos um elo da corrente e unificar a energia para a realização, em conjunto, de um trabalho.
Para que isso funcione com mais precisão é bom que sempre, na participação de qualquer trabalho, façamos nossa emissão silenciosamente, acompanhando a emissão do comandante, e, em seguida, o nosso canto, para que possamos nos ligar como elo da corrente que é formada, por ação do nosso Eixo Solar (*). Com nossa parcela vamos ampliar a energia disponível para a realização, pelas entidades, daquele trabalho.
É claro que as entidades possuem suas energias próprias e as utilizam, também, para os diversos trabalhos. Assim, um Preto Velho tem sua energia e a usa tanto com a presença, em espírito e em verdade, em um Trono ou, de forma oculta, em uma Mesa Evangélica; e uma Entidade de Cura participa com sua energia própria para a realização da Cura Desobsessiva, mas, sempre, ampliando aquela intensidade com o que pudermos oferecer como elos daquela corrente.
Não há condições de um médium saber quais ou o quanto de força está recebendo. Isso depende de muitos factores. Porém, com padrão vibratório elevado, em sintonia e dentro de correta conduta doutrinária, pode ficar certo de que estará recebendo o máximo de energia que seu plexo pode suportar, para se realizar em nossa Corrente.
A raiz que nos rege, nesta Era, é o Raio de Arakém, Terceiro Sétimo de Xangô, projectado do Oráculo de Ariano (veja: Simiromba).
Há cerca de trinta dois mil anos antes de Cristo, chegou à Terra um grupo de espíritos missionários originários de Capela, em busca da evolução que necessitavam para habitar naquele planeta de Luz. Apesar de sua situação de exilados de Capela, estavam plenos de Deus e da Eternidade, pois sua constituição era de pura luz e sua individualidade era conhecida apenas de Deus e dos Grandes Mestres. Para poderem cumprir sua missão, passaram a habitar corpos densos e, para operá-los, tiveram necessidade de criar corpos intermediários - as almas.
Os Capelinos (*) vieram em chalanas, desembarcando em sete pontos do nosso planeta – nos Himalaias (região actual do Tibete); na Mesopotâmia (atual Iraque); nos Hiperbóreos (actual região árctica, incluindo a Groenlândia e o Alasca), na Atlântida (actualmente submersa pelo oceano Atlântico); na Egea (civilização que foi submersa na região do mar Mediterrâneo, dando origem às ilhas gregas do mar Egeu); no Planalto Central Africano (entre o lago Vitória e nascentes do rio Congo, no Zimbabwe); e na cordilheira dos Andes (na faixa oriental da América do Sul, atuais Peru, Bolívia e Colômbia), onde foram formados portais de integração com forças cósmicas e extra-cósmicas, constituindo-se em raízes.
Nestes pontos – as sete raízes - os Capelinos foram padronizando a exploração das energias vitais com vistas à energização da Terra, enquanto utilizavam energias das usinas solares contrabalançadas pelas geradas por usinas lunares.
Cada uma das regiões ocupadas tinha seus planos evolutivos, sendo controladas suas alterações na crosta terrestre e dispondo de aparelhos específicos para os trabalhos.
Com as quedas sofridas por estes espíritos Capelinos, as raízes foram sendo perdidas pelo Homem, permanecendo em contínuo funcionamento a dos Himalaias.
Tia Neiva, missionária que foi incumbida da renovação dos espíritos Capelinos na Terra, através do estabelecimento da Doutrina do Amanhecer, com base em duas raízes – a dos Himalaias e a Andina - teve, também, que reavivar as forças adormecidas das outras cinco, preparando a humanidade para o III Milénio. Isso foi obtido no 1º de Maio de 1980, quando a Grande Consagração reuniu as sete raízes, propiciando ao Jaguar a sua verdadeira condição de trabalhador da última hora.
No trabalho “Transcendentalidade da Doutrina do Amanhecer” poderão ser vistos alguns detalhes das Sete Raízes.

7º. Raio

Quando Tia Neiva formou o Mestrado, pelo poder de sua clarividência, fez uma classificação dos mestres de acordo com a aura de cada um, tal como é feita na Divina Legião do Mestre Lázaro.
Para nós, neste plano físico, é apenas uma referência, porque Sétimo Raio é uma classificação muito elevada nos planos espirituais. Por exemplo, Pai Seta Branca é um Sétimo Raio de Jesus; Arakém é um Sétimo Raio de Pai Seta Branca.
Com o desencarne do 1º Mestre Jaguar, Trino Arakém, Mestre Nestor, que era o instrutor do Curso de 7º Raio e 7º Raio Lunar, em Outubro de 2004, os Trinos informaram que aquele curso estava suspenso até posterior decisão.
O Trino Arakém explicava que não fazia consagração dos mestres e ninfas após o curso porque não dispunha de clarividência, e seria muita pretensão classificar alguém como um Sétimo Raio, mesmo tendo concluído aquele curso. Dizia que quem iria fazer a consagração seriam os Mentores ou os Guias, para que o médium recebesse tudo o que tinha direito, pelo seu merecimento. A certeza de cada um seria tão somente após o desencarne, quando a realidade do desempenho de sua missão nesta reencarnação mostraria o merecimento de ser ou não consagrado.
No meu ponto de vista, considerando que a própria Tia Neiva dava como pronto para qualquer missão o médium Centurião, seria extinto o curso de 7º Raio, que foi criado pelo 1º Mestre Jaguar e somente por ele ministrado, no Templo-Mãe, tratando-se mais de uma reciclagem da Centúria. Para isso, o currículo da Pré-Centúria e das aulas de Sétimo seriam fundidos, mesmo que isso exigisse um pequeno número de aulas adicionais, mas todos teriam acesso simplificado aos conhecimentos que foram desdobrados e se constituiriam em um único curso de Pré-Centúria.