sexta-feira, 26 de dezembro de 2014

Ciclos - Adjunto Apure


Salve Deus!
Entre acertos e desacertos nós fechamos mais um ciclo crístico. A nossa vida é regida por altos e baixos, uma forma de reflexão da consciência física espiritual. Cada dia mais nós nos aproximamos do nosso reencontro com o Grande Mestre e aqueles que estiverem com suas armas em punho serão recompensados. O ciclo da vida iniciática é diferente da evangélica, todos já sabem, porém o evangelho é o começo e o fim nossa formação encarnatória e é nele que temos a mensagem mais humilde de um povo simples. A nova era será diferente, será de liberdade, mas não devemos confundir com libertinagem. Eu fico olhando o céu na sua conquista onde tudo parece calmo quando não se tem ligação terrena, mas quando os pés tocam este solo há uma grande transformação na essência do espírito. A perda da visão real afasta o espírito de sua evolução.
O céu perderá sustentação gravitacional pelos buracos deixados nesta estrada. Os buracos irão crescer em proporção assustadora assustando os homens pássaros com suas naves que terão de desviar muitos graus ao redor para darem a legitimidade da segurança.
Vamos medir o silencio pela audição graduada além terra. O silencio será o grito dos inocentes que se debatem entre a certeza e incerteza de poderem amar, respirar e respeitar.
Vamos nos sustentar com a força máxima da nossa concentração atómica que se chama doutrina do amanhecer, porque jaguares, ninguém sabe o dia seguinte as verdades que serão debatidas nos seminários. Em verdade serão só debates e não a aplicação dos fenómenos da antimatéria.
Vamos nos sustentar, vamos abrir o canal vermelho com a segurança do grande Obatalá. Recebi minha lança, ela tem um cristal incrustado perto da ponta, mas eu não a posso carregar, porque é a minha ninfa escrava que pode empunhá-la. Eu só posso usar de sua vibração, porque quem abre o caminho do mestre jaguar é ninfa emitindo na força do seu ventre as forças da vida eterna. Não há vida que nasça sem que a mulher seja este instrumento. Mesmo Jesus teve que se submeter a este processo regulador da existência humana. Quem sabe como será o despertar da ciência daqui a mil anos.
Vamos formar nossas opiniões e relatar ao mundo o nosso aprendizado.
Salve Deus!
Adjunto Apurê
25.12.2014
Enviar um comentário