segunda-feira, 1 de dezembro de 2014

Ciência e Fé


Ciência e Fé

A fé que nega a ciência é tão inútil quanto a ciência que nega  a fé.”

Estas palavras de Pai Seta Branca resumem o posicionamento do mestre do Amanhecer diante dos aspectos místico e científico da Doutrina.

O conhecimento  das encarnações sucessivas, da Lei de causa e efeito e   da Ciência da vida fora da matéria  são necessários para que o médium compreenda o que está fazendo na Doutrina. Este conhecimento, se bem assimilado, traz segurança ao médium fazendo-o entender que o trabalho na  Lei de auxílio, além de equilibrar sua vida, vai permitir que se livre de dívidas de outras vidas quando, por falta de amor, fez outras pessoas sofrerem.

De modo singelo, como nos disse Tia Neiva, ele vai evoluindo, se libertando de velhos hábitos, deixando de dar valor a muitas coisas que antes o faziam sofrer.

Se bem posicionado, ele aprende que deve lutar por suas realizações materiais, tendo, porém, o entendimento de aceitar em sua faixa cármica aquilo que não pode evitar, atravessando os seus momentos difíceis sem se desequilibrar e, acima de tudo, sem deixar de trabalhar espiritualmente.

A fé é o conhecimento da Individualidade, que chega à personalidade na forma de segurança e convicção. O lado místico do médium, se bem dosado, traz, ao trabalho mediúnico, poderosas energias espirituais.

Equilíbrio deve ser a palavra de ordem. Muitas vezes, vemos mestres tão apegados à forma que se esquecem da essência. A Doutrina do Amanhecer trabalha em sintonia com o 7° Raio, movimentando, através da Magia Ritualística, um poder enorme.

Para se controlar esta força e com ela realizar curas, o mestre precisa colocar sua mente na sintonia correta e executar os rituais com precisão. O grande perigo é a realização de rituais frios e sem vibração.  O ritual deve ser um meio de se atingir objetivos espirituais e não um fim.

Certamente, haverá um dia nesta terra em que não fará sentido fazer distinção entre fé e ciência, pois estes dois aspectos estarão unificados em um só: o conhecimento. Com este conhecimento, o homem saberá se relacionar com outros mundos e movimentar as energias que necessita. Este tempo ainda não chegou e o misticismo da alma, que dá calor aos rituais e impulsiona o homem para Deus, ainda está muito associado ao aspecto religioso.

Da fé e do conhecimento surge a consciencialização que, se verdadeira, traz a sabedoria e coloca o ser humano em contacto com sua individualidade, sem afastá-lo das metas racionais, que a sua condição de medianeiro exige.

E mais uma vez, como nos disse nosso Pai Seta Branca:

 “Filho Jaguar, filho Esparta, ao cruzar as espadas em teu peito exigi que empunhasses sempre dividindo da direita para a esquerda, resguardando-se na conduta doutrinária, na ciência e na fé, porque tudo te pertencerá na alegria e na dor. Na filosofia dividirás o bem e o mal. Na religião, o amor unirás todas as pérolas e com elas enfeitarás o caminho onde um dia caminharás junto a quem tanto suspiras.”

Texto do Mestre Zílcio, Adjunto Parlo

Enviar um comentário