segunda-feira, 23 de julho de 2012

Pai João de Enoque


Pai João de Enoque

Meus filhos, o maior desajuste é o julgamento! Assim já lhes ensinou vossa Mãe Clarividente e hoje venho para trazer a disciplina para os que não olham o que estão fazendo e ficam se preocupando com o quintal do vizinho.

Meus filhos é fácil julgar, não é? Mas como vai doer quando nos dermos conta de que aquilo que condenamos pode fazer parte de nosso futuro, do futuro de um ente querido...

Pare para ouvir a voz do seu coração e não se envolva com os que se dizem vítimas apenas com as palavras. As palavras podem lhe confundir, e tomar partido significa mergulhar no julgamento.

Nunca conseguimos saber exatamente os dois lados de uma história. E por mais que se possa colher todas as informações dos atos físicos, o ser encarnado não pode ver o que espiritualmente está acontecendo. Muitas vezes uma grande injustiça é o melhor reajuste possível para aqueles espíritos endurecidos.

Meus filhos, vossa Mãe Clarividente tantas vezes alertou para os grandes dramas da história da humanidade e quantas vezes narrou atos em que vocês mesmos participaram. Não é verdade? Até hoje, a cada nova descoberta, tenta-se reparar as injustiças cometidas contra tantos líderes outrora execrados pelo julgamento manipulado.

É difícil que alguém passe pela vida neste planeta de expiação sem sofrer uma calúnia, sem sentir o frio da desolação.

Lembre-se de seus próprios atos passados e de quanta dor já podem ter gerado. Você esquece, mas quem sofreu a ofensa, não!!! Assim que segue o ciclo vicioso do karma, que Nosso Senhor Jesus Cristo veio romper coma lei do Perdão, com a Escola do Caminho.

Alerto para jamais entrarem na sintonia do justiceiro! Quem nunca errou atire a primeira pedra! Não se revistam da máscara de uma sinceridade que ainda não possuem! Assumam primeiramente seus erros, reajustem com todos aos quais um dia você ofendeu por não saber amar e então terão a sabedoria para compreender que somente pode haver um juiz e um réu: você mesmo! O melhor juiz é o juiz de si mesmo.

Meu filho, o peso que usas hoje para condenar estará sempre em sua própria balança na hora que encontrar seus cobradores. Lembre disso sempre e semeie o perdão para sua própria jornada.

Pai João de Enoque

Enviar um comentário