domingo, 29 de janeiro de 2012

História de Marta


A HISTÓRIA DE MARTA

SALVE  DEUS,

MEU FILHO JAGUAR !

Qualquer atitude do homem na faixa vibratória de evolução é válida, porque estamos em um mundo onde se confundem as sombras e as claridades.
Todos os males da vida concorrem para o nosso aperfeiçoamento.  Sobre o efeito de todos esses ensinamentos e, pela dor, pela prova e pela humilhação, desprendemo-nos, lentamente, para a vida eterna.
Vivemos no meio de uma multidão invisível, que assiste, silenciosamente, a lógica desta nossa Doutrina, nos dando segurança e nos facilitando a conduta de  um mundo para outro.
Filhos, quando o homem aprender a trabalhar harmoniosamente deixará de enganar a si mesmo, sentindo-se injustiçado ou aguardando a compaixão sem justiça.  Sim, porque é na vida mesmo, que se deve procurar os mistérios da morte.  A salvação ou a reparação começam aqui.  O seu céu ou o seu mundo inferior estão aqui.
Filho, a virtude é compensada.  Não faça desta vida o infernal templo dos teus anseios.
Filho, as células do nosso corpo agem, sempre, de acordo com os impulsos nervosos emitidos do cérebro.
Filho, há um exército de auxiliares medianeiros entre nós e Deus, procurando velar por nós, embora conheçam o nosso livre arbítrio.
Vejamos, filho, a rica oportunidade daqueles que viveram na mesma época de Jesus de Nazaré, dos quais  pensamos:
- Viveram com Jesus na mesma era e não souberam evoluir ?
Porém, toda a Jerusalém se preocupava com o grande profeta Jesus.
Sim, falava-se nas curas do grande Jesus de Nazaré.  Comentava-se em volta do leito de Maria, uma pequena viúva, que tinha uma única filha Marta.  Nisto, alguém chegou correndo e avisou:
- Ele está aqui perto.  Ele ressuscita os mortos. . .
A verdade é que Maria estava semimorta, deitada em seu leito.  Marta, sua filha, chorava, choravam também os demais vizinhos, quando Marta, num só pulo, se levantou, dizendo:
- Vou chamá-lo. Vou pedir para que Jesus venha até aqui.  Dizem que ele gosta dos humildes. Vou falar com ele e trazê-lo.  Ele irá curar a minha mãezinha e, jogando um manto sobre os seus ombros, foi até o profeta.
Chegando ao local, a multidão não a deixou se aproximar.  Marta pedia a Deus para que Jesus, pelo menos olhasse para ela, porém, ele estava atendendo milhares de pessoas e não a notava.
Marta saiu dali triste e chorosa, com o espírito esperançoso e, ao mesmo tempo triste, por não ter conseguido falar com Jesus de Nazaré.
Pensava:  Se pelo menos ele a tivesse visto ?  Oh, querido profeta, olhe esta tua pequena serva. Porém nada. . .Ele não volveu o seu olhar para a pequena Marta.
Marta não sabia dizer por quanto tempo ficou ali parada.  Já estava escurecendo e, sem esperanças, ela voltava para casa, quando de longe viu pessoas em volta de sua casa. Era quase uma multidão.  E a sua mãe, que deixara no leito em estado grave, estava de pé com os braços abertos, rindo e chorando ao mesmo tempo, enquanto dizia:
- Filha, por que você não veio com ele ?
- Ele quem ? perguntou Marta.
- Jesus de Nazaré, o profeta, respondeu a mãe de Marta. Ele me curou. Você não o chamou ?
- Sim, eu o chamei.
- E por que não veio com ele ?  Ele é maravilhoso.  Ele é a esperança e o amor.
- Marta saiu do êxtase e gritou:
- Oh, minha mãezinha!  O profeta me viu e me ouviu.  Deus seja louvado!
- Filha, disse a mãe, vamos acompanhá-lo ?
- Sim, mãe, vamos acompanhá-lo.
- E as duas seguiram Jesus, juntamente com aquela multidão.
- Mais uma vez, meu filho Jaguar, Jesus de Nazaré ensinava a vida, a verdadeira vida, que é o amor.
Marta aprendeu a sua filosofia e os seus ensinamentos. Não era preciso ir até Jesus.  O importante era estar em paz com ela mesma, ao lado dos seus  irmãos.
Foi um paraíso para elas. Marta e sua mãe auxiliavam os enfermos e os leprosos a se levantarem e os conduziam em frente a Jesus e seus apóstolos.
Com ele Marta fez a sua iniciação.  Porém, sempre repetia:
- Pensar que Jesus não me amava!
Sim, filho, Jesus ama aos que precisam dele, aos fracos e a todos que confiam nele.
Salve Deus, meu filho Jaguar!
COM CARINHO, A MÃE EM CRISTO,
TIA NEIVA

Enviar um comentário