sexta-feira, 2 de agosto de 2013

O Anfiteatro

O ANFITEATRO
            Salve Deus!
           
            Tia Neiva quando aqui estava mencionava em suas palestras o ANFITEATRO e sempre fazia referencia sobre nossas atitudes e o peso que a mesma terão depois de seu desencarne.
            No plano físico o Anfiteatro era um local em Delfos na Grécia em que eram julgados as pitonisas. Em Roma local de onde os Gladiadores lutavam e local de grandes apresentações.
            Nosso conhecimento das dimensões ou mundos espirituais ainda é muito limitado, como uma colcha de retalhos juntamos pedacinhos na tentativa de montar esse mosaico em busca de nos esclarecer e melhor nos conduzir em nossa vida diária.
            A encarnação de espírito é algo muito complexo, depende de muitos acertos e nesses, estão delineadas rotas pré programadas que aquele espírito deverá percorrer enquanto estiver na Terra. Esse arranjo é realizado pelo espírito junto a sua família de origem, seus mentores e também seus cobradores. Depois do sonos cultural as lembranças da s vidas anteriores são apagadas e aquele espíritos se vê  sob as influencias da Terra onde a alma tem seu peso em suas ações.

Ao nascer lhe é dado um nome, uma identidade, uma memória provisória, e essa é alimentada durante toda a vida física daquele individuo.
            Tia Neiva dizia que há um tipo de dor resultante das coisas que o espírito precisa e o que alma busca. Enquanto espírito quer as coisas que lhe foram programadas, a alma como elemento anímica, também denominada pelo Mestre Sol Tumuchy como Psicossoma, ou Psique busca tudo que pertence ao plexo físico, pois o corpo precisa  da alimentação derivada dos elementos físicos sejam orgânicos ou não, nisso inclui os sentimentos originados das paixões devastadoras e do poder emanado de vários posicionamentos aqui na Terra.
            O espírito quando cumpre sua programação, isto se estende a todos os seres humanos independemente  de seus laços filosóficos , religiosos e doutrinários, pode ter sua vida estendidas por mais tempo, pois sua ação a nível de ajudar a outros é necessária  portanto, os espíritos superiores o mantém aqui por mais tempo.

Também pode ocorrer o contrário, no Anfiteatro espiritual, os mentores são obrigados a levar seus tutelados numa espécie de leilão, e lá podem ser adquiridos por espíritos  das trevas . depois dessa ação Chapanã ou Cavaleiro da lança negra tem a função de cortar, desligar o fluido magnético da vida daquele espírito. Cessando a atividade dos órgãos vitais físico o individuo desencarna e é levado por quem o arrematou.

            Numa visão mais aprofundada, o Anfiteatro é o encontro do ser com sua consciência , seus atos e atitudes são projetadas em uma espécie de tela, então nessa hora que é só do individuo , ele se vê diante da verdade universal, não sua verdade.

Tia Neiva que muitas vezes dizia que o espírito chora pelas oportunidades que perdeu, daquilo que deixou de fazer, de ajudar, de perdoar, as mesquinharias que se apegou, então ele se envergonha diante de seus mentores e principalmente de si mesmo.
            Hoje vivemos momentos delicados onde tantas coisas estão confusas diante de nosso corpo mediúnico, a verdade está tomando papeis diferentes diante do mesmo assunto. Até mesmo situações deixadas pelo Pai Seta Branca e Tia Neiva que para nós eram sagradas estão sendo vistas de outra formas.
                        Contam quando nosso povo esteve na Cachoeira do jaguar, Pai Seta Branca também lá queria estar, porém ficou acertado que dos planos espirituais ele auxiliaria melhor nossa tribo.

Junto com os executivos Pai João, Pai Zé Pedro e Natacham preconizam a criação do Doutrinador e na UESB começam a lançar bases da formação iniciática de nossa doutrina.
            Os irmãos Gilberto e Raul Zelaya em suas narrativas sempre colocaram como ponto na formação de nosso povo e consecutivamente de nossa doutrina a disciplina e suas leis. Fato esse que anteriormente prevalecia a Fita Roxa por Mãe Yara.

Com o Avento do Mestrado e consecutivamente do Adjunto em 1978, a pirâmide hierárquica começou a ser estruturada com TRINOS-ADJUNTOS e o mestrado em geral,dessa forma, toda uma série de leis ritualísticas e comportamento doutrinário foram  implantados por orientação exclusiva de nossos mentores , então surgiu da decorrência dessa situação a força decrescente.

Em 1985 Tia Neiva parte para Deus, mas deixa o sistema quase pronto, porque  nao deixou claro a continuidade em relação aos Adjunto de povo que iriam desencarnar.
 De lá para cá com o consentimento dos Trino Presidentes Triadas; Tumuchy,Araken,Sumanã e Ajarã nossa doutrina teve que passar por alguns ajustes, os quais permitiram que ela crescesse e evoluísse. Com o desencarne de Tumuchy e Araken nossa situação interna ficou um tanto quanto confusa. Mesmo com mais de 800 templos externos, não há uma unificação doutrinária entre templo mãe e essas unidades.

            No Anfiteatro muito das questões hoje que poderiam ser resolvidas se realmente as três palavras que sustentam nossa doutrina fossem utilizadas que são Humildade, Tolerância e Amor  nos levariam ao patamar que a Clarividente e os Mentores nos prometeram.

Quando chegar a hora em que muitos de nossos irmãos de doutrina ante sua consciência forem questionados sobre que   fizeram dos poderes que lhe foram confiados será um momento muito decisivo e até difícil, mas ainda há tempo, sim, tempo para podermos colocar nossa consciência eterna em perfeita sintonia com os desígnios do que querem a Clarividente e nossos mentores.

Gilmar
Adjunto Adelano.

02/08/2013
Enviar um comentário