terça-feira, 20 de novembro de 2012

Sonhos

O sonho é uma vivência ou seqüência de imagens que ocorrem durante nosso sono, provocando movimentos oculares, aceleração das ondas eletroencefalográficas, alterações neurovegetativas, descargas de adrenalina, etc., como se a pessoa estivesse realmente vivendo aquelas situações.
É durante o sono que o corpo físico descansa, e não precisa das atividades físicas e mentais baseadas na ação do espírito, que, assim, pode se soltar para as experiências nos planos espirituais, que se revelam pelos sonhos.
Registros históricos mostram que o Homem há muito se preocupa com os sonhos. No Século 8 a.C. foi construído um templo em Epidauro, em honra ao deus Asclépio, onde eram colocados os doentes para que, pela interferência da entidade, recebessem, por seus sonhos, orientações para a cura.
Em 5 a.C., o filósofo grego Heráclito afirmou que os sonhos eram próprios de cada indivíduo, não submissos a influências externas, nem mesmo divinas. Dois séculos depois, Aristóteles proclamou que os sonhos refletiam condições do plexo físico, e que expressavam essas situações através de metáforas, podendo ajudar os médicos em seus diagnósticos, recebendo apoio de Hipócrates, o Pai da Medicina.
Um século antes de Cristo, foi escrito um tratado, em cinco volumes, pelo romano Artemidoro, intitulado Orneirocrotion, divulgando interpretação de sonhos, que refletiriam as condições sociais do sonhador.
Com Santo Agostinho e São Jerônimo, no Século IV, com base nas interpretações da Bíblia, foi reforçado o conceito de que os sonhos transmitiam, premonitoriamente, eventos vitais para o indivíduo.
E, pelas diversas passagens históricas, várias personalidades religiosas importantes valorizaram o fenômeno do sonho, como, por exemplo: Maomé recebeu o Alcorão em sonho; Lutero, o fundador do Protestantismo, e a Igreja Católica da época, consideravam o sonho como manifestação diabólica.
Com o despertar da Ciência da Mente, muitas teorias ocuparam os pesquisadores, entre elas:
a do alemão Johann Fichte, de que os sonhos revelam temores e desejos inconscientes;
a do austríaco Sigmund Freud, que os sonhos seriam de origem erótica e reflexo das frustrações sexuais do indivíduo; e
a do suíço Carl Gustav Jung, que essa concentração no aspecto sexual estava errada, uma vez que os sonhos refletiriam privações de qualquer natureza, de modo geral.
Segundo o Dicionário de Psicanálise, de Elizabeth Roudinesco e Michel Plon (Jorge Zahar Editor), fenômeno psíquico que se produz durante o sono, o sonho é predominantemente constituído por imagens e representações cujo aparecimento e ordenação escapam ao controle consciente do sonhador. A partir do século XVIII, o termo passou a designar também uma atividade consciente que consiste em imaginar situações cujo desenrolar desconhece as limitações da realidade material e social. Nesse sentido, a palavra sonho é sinônima de visão, devaneio, idealização ou fantasia, em suas acepções mais corriqueiras. Freud foi o primeiro a conceber um método de interpretação dos sonhos baseado não em referências estranhas ao sonhador, mas nas livres associações que este pode fazer, uma vez desperto, a partir do relato do seu sonho
Pelos estudos científicos, afirma-se que uma quarta parte do tempo que se dorme é ocupada pelos sonhos.
Não devemos nos preocupar nem nos deixar impressionar pelos sonhos, o que poderia nos levar a situações de desequilíbrio. Há sonhos que nos revelam verdades, mas temos que ter o maior cuidado em não nos envolvermos com interpretações supersticiosas. Nos sonhos em que vivemos situações de pavor e angústia, aos quais chamamos pesadelos, sofremos reflexos negativos em nossa mente e no corpo físico.
Existem vários fenômenos da alma que se confundem com a idéia de sonhos. Na realidade, são desdobramentos, quando a alma sai a vaguear, buscando seus anseios, quando muitas pessoas têm premonições de acidentes, mortes ou doenças afetando seus entes queridos, ou, então, quando existe alguma sobrecarga de sensações ou emoções que ficam atuando na mente.
Em numerosas pesquisas de laboratórios científicos ficou evidenciado que, durante o sono, surgem os movimentos rápidos dos olhos (MRO) que indicam estar o paciente sonhando. Podem ocorrer diversos períodos de MRO em um mesmo sono, mas, caso o paciente se recorde do que sonhou, só se lembra de um deles.
Não se deve confundir sonhos com o que vivenciamos em nossos momentos de vigília, isto é, quando ainda não estamos adormecidos e vemos algumas imagens representativas e o pensamento perde a sua capacidade dedutiva, aumentando nossa imaginação e a capacidade criativa.
Nos médiuns do Amanhecer, são comuns pequenas lembranças de trabalhos que realizam no plano etérico, principalmente no Canal Vermelho, que são interpretadas como sonhos.
Tia Neiva sempre nos alertou que os sonhos são as armas dos supersticiosos, para que não tivéssemos demasiada preocupação com a interpretação dos sonhos, porque temos desdobramentos durante o sono, quando somos conduzidos a diversos planos, inclusive para completarmos, no Canal Vermelho, nossos trabalhos nos Tronos ou na Mesa Evangélica.
É importante ter um bom sono, e, para isso, é necessário preparar-se para uma noite produtiva, tranqüila e calma, relaxando-se quando deitar, buscando acalmar-se exterior e interiormente, evitando preocupações que possam influir negativamente em seu sono, interferindo em seus sonhos. Faça um Pai Nosso e agradeça por tudo o que lhe foi concedido naquele dia que termina, tanto o que foi bom como o que você achou negativo. Complete com a Prece de Sabah.
Uma oração para noite foi feita pelo Padre João Batista Megale, que transcrevemos por achá-la universal :
Senhor, se esta noite, ao me deitar, no meu coração houver
a mágoa de uma ofensa recebida,
a dor de uma partida,
o tédio das horas de um dia de trabalho sem prazer,
a solidão dos meus passos sem companhia,
e da minha ternura retida,
o peso da minha consciência que não praticou o bem,
o vazio da minha alma que não se elevou na contemplação da Tua beleza e da Tuabondade,
o medo de fechar as pálpebras sem saber se um nova aurora irá surgir,
Eu Te peço, Senhor, que, ao despertar amanhã,
ainda experimente a alegria de viver através do sorriso de um rosto amigo,
da expectativa de um reencontro,
da luz do sol batendo na janela do meu quarto,
do brilho de um olhar pousando sobre os meus olhos,
do propósito de amar o meu próximo,
do gesto de adoração que me une a Ti,
da confiança nos Teus braços que me sustentam na escuridão...
E, se esta noite, ao me deitar, tudo está bem, feliz Te bendigo.
E, em tudo e por tudo, obrigado e boa noite, meu Senhor!...

  • Os obstáculos são atraídos pela força do nosso triste pensamento! Não se impressione com os sonhos e não fique a querer interpretá-los. O sonho é uma arma dos supersticiosos.
Procure o lado bom da vida, seja otimista. Procure subir e espere sempre o melhor.
Com o coração esperançoso, teremos todas as coisas nobres que desejarmos.
Filho, o que desejo é transmitir um pouco desta sabedoria que a Vida Iniciática nos tem proporcionado nesta jornada!” (Tia Neiva, 17.6.83)

Enviar um comentário