terça-feira, 13 de janeiro de 2015

Magos do Evangelho - Tia Neiva


                                            O MAGO DO EVANGELHO, em 26/02/85.

Salve Deus!
Meus filhos, não os considero como os tradicionais espíritas das mesas de Kardec ou da mesma ordem dos luminosos terreiros. Concebo-os, sim, como preparados, Magos do Evangelho no limiar do Terceiro Milénio. Prepara-te meu filho para agir e sofrer. Em todo homem deve nascer o Cristo para convertê-lo em salvador e todo salvador tem que ser crucificado nesta vida... Tu não és maior do que os demais. Apenas chegastes antes, de modo que não tens nenhum privilégio. Todos os homens devem percorrer este caminho e o que chega primeiro tem que ajudar. Esta é a lei... Essa ajuda não deve ser sectária e nem nacionalista, mas sim universal.
Agora és um Mago e de quem muito sabe, muito é exigido. Deves conquistar todos os seres criados por teus desejos; eles são teus anjos e, como sabes, eles são de quatro categorias: Os Primeiros são os do Espírito; os que formam a Segunda categoria são os do Alma; os que formam a Terceira categoria são os da Mente, enquanto a Quarta categoria é composta pelos que formam os teus desejos. Todos estes anjos obedecem à Luz, porém, as duas últimas categorias também obedecem às Trevas.
O Mago deve buscar a fonte da luz, que está nele próprio, para dominar e conquistar todos para o Exército da Luz. Os outros homens só podem ver os anjos da sombra, que, para eles, são mais fortes ainda do que os da Luz. Faz tempo que és intuitivo... Deténs o Conhecimento, porém, não conheces o porquê das coisas. Mas, agora, o que nos importa o porquê se, de antemão, já sabemos o resultado? O porquê é trabalho da mente, enquanto que o fim é a herança dos Magos.
A intuição é o despertar. O porquê é o sonho da alma. O sofrimento é o meio deste despertar e o homem que não sofre continua sempre adormecido. O calor e a fumaça são agentes da luz. O espírito é a luz branca, e sua fumaça reside dentro do cérebro. Liga o pólo positivo ao pólo negativo, despertando o Mago. Então, pode-se ver a luz naquele centro divino do saber, da vontade e do amor.
Esta é a trindade do centro uno do homem. Calor, desejo e pensamento podem ser levados aos centros da pura chama. Este é o batismo do fogo do Espírito do Santo. Nesta chama provém a iluminação. O Mago deve ter sempre acesa e alimentada aquela chama no altar. Assim, terá sempre o poder. O dia em que quiseres utilizar esta chama, converterás o mais débil dos seres e serás uma luz na escuridão eterna, como disse o Divino e Amado Mestre.
Quem apaga a chama extingue o poder. Agora compreende o que é Magia, meu filho? Como é simples e poderosa, mas, ao mesmo tempo, como é difícil e perigosa. Sem esse fogo não há vontade. Porém, a vontade que maneja o fogo pode destronar até os deuses. Cada vez que o homem de vontade desejar pode, por meio de seus anjos, dominar os poderes do Universo e os acontecimentos do tempo. Todo Mago sabe isso, porém, deve também sacrificar-se com abnegação e humildade mental. Deve carecer de egoísmo. Então, assim, poderá manejar o mundo segundo a sua vontade, que é a vontade de Deus. O corpo humano é a chave das sete portas celestes do poder, O Mago está livre da fumaça e das suas paixões. Por isso, ele é sempre livre. O homem escravo de suas paixões é, infalivelmente, escravo dos demais porque é necessário que o homem não desenvolvido seja governado.
Por meio do fogo sem fumaça o Mago encontra o elixir da vida (auto-cura e saúde perfeita), a pedra filosofal (o poder de Cura dos demais que querem a Cura, sem desobedecer à Lei). Finalmente, pode manejar a mente dos demais, como o capitão maneja o seu barco através do leme. O Mago é ilimitado; o seu fogo-luz é sempre livre para ser e fazer; para pensar e agir, porém, somente para o bem dos demais.
Tia Neiva

Vale do Amanhecer/DF, 26/02/85.


Enviar um comentário