terça-feira, 27 de janeiro de 2015

Aledá


ALEDÁ
            Salve Deus!
            Ao entrar em qualquer templo do Amanhecer nossos médiuns e principalmente nossos visitantes deparam com um mundo cheio de formas e cores que enchem a imaginação das pessoas.
Nossa doutrina é uma junção de elementos que visam atrair a atenção das pessoas objetivando que elas busquem um padrão evolutivo capaz de modificar sua condição vibratória facilitando o intercâmbio espiritual.
Nossos médiuns ao chegar ao templo, muitas vezes se dirigem aos quadros das entidades e também aos ponto cabalísticos num processo de buscar uma interação ou mediunização antes de se dirigir ao trabalho.
No desenvolvimento não se incentiva tais situações, orienta-se antes de participar de qualquer trabalho, dirigir-se  ao castelo do silencio para se medianizar-se, ai então ele estará integrado a corrente mediúnica.
            Alguns médiuns gostam de fazer em suas residências um Aledá.
Este Aledá normalmente é um local onde o médium consegue se mediunizar deixando as  pesadas correntes e entrando na serenidade de seu sol interior, pressupondo-se que dessa forma poderá ter um ambiente melhor e mais energizado em sua residência.
            Tia Neiva as vezes, referia-se ao Aledá que está no coração dos médiuns, que deviam antes busca-lo em seu coração. Já ao Aledá físico normalmente é composto de alguns quadros e também outros elementos da doutrina. Pode-se fazer o terceiro sétimo  no Aledá. Também é um bom local para fazer suas preces.
É importante salientar que não se deve fazer do Aledá uma extensão do templo. O templo é um local protegido por uma corrente e toda uma equipe espiritual estão sempre atentos as correntes pesadas que normalmente chegam ao templo.
            Quando o médium começa a fazer de seu Aledá em sua casa um local para incorporações e até um ponto exagerado de mediunização ou prece, corre ele o risco de constituir um ponto de força, ou que alguns denominam “Portal de desintegração” ou “janela interdimensional”. Como não sabemos por não termos clarividência, nunca se sabe o que passa ou quem chega. Dessa forma alguns vezes a casa do médium fica impregnada de correntes pesadas originadas por sofredores. Essa energia acomoda-se com os moradores daquele ambiente, depois os espíritos sofredores ali presentes acostumam com o ectoplasma de seus moradores. E por mais que faça preces ou elevações ,dificilmente eles conseguirão ser elevados…
            Somos profissionais do mediunismo, nossa característica religiosa é menor que a nossa condição mediúnica, por isso que quando vamos para nossos templos, dizemos sempre que vamos trabalhar e nunca rezar. Também diziam que Pai Seta Branca, costumava afirmar que preferia médiuns trabalhadores que médiuns rezandinos.
Gilmar Adjunto Adelano
Enviar um comentário