quarta-feira, 20 de fevereiro de 2013

Perispírito


Cada espírito tem características, objetivos, tendências e preferências que são somente seus, e para retornar ao TODO DIVINO necessita apagar sua individualidade, isto é, desindividualizar-se, o que lhe é propiciado pelas encarnações, em sua adaptação ao corpo físico, cujas manifestações se fazem pelo processo sensorial de estímulo-resposta, chamado alma.
No macroplexo ou plexo etérico, o espírito atua no Homem, sobre a alma e através dela.
Como não podemos conhecer o espírito em sua essência, ele se reveste de energias que o tornam perceptível e cognoscível, tomando forma, embora não percebida por nossos sentidos, formando organismo homogêneo, uma película subcutânea, que desempenha todas as funções da vida psíquica ou da vida fora do corpo, com sensibilidade extrasensorial, à qual denominamos perispírito.
O perispírito é a sede da alma e carrega todas as funções psicossomáticas do ser humano, só que com uma vibração muito mais ampla, e molda todas as características da individualidade do Homem. Arquiva os pensamentos produzidos, preparando-os para se tornarem realidade conforme a intensidade de sua estruturação, e também arquiva as experiências vivenciadas, que alteram o modo de vida da pessoa.
Embora o perispírito registre todas as nossas ações, não influencia o sistema nervoso.
Quando se dá a concepção, aquele espírito que vai reencarnar inicia seu sono cultural, fase de desassimilação, onde toda a memória se apaga, e que se prolonga até o feto completar três meses, quando ele vai despertando à medida em que aperfeiçoa seus sentidos terrenos. É colocado em torno do corpo, sob a pele, razão pela qual é denominado perispírito, revestindo-se da mesma substância da alma, dela se diferenciando por ter uma herança transcendental, enquanto a alma tem, apenas, a herança de uma encarnação.
O espírito se prende ao corpo físico pela fagulha divina. A criança nasce e dá expansão aos seus sistemas sensoriais e começa a acumular informações, alimentando seu corpo e sua alma com a manipulação das forças telúricas. Traz toda a experiência e os mecanismos de defesa necessários à vida terrestre.
Com seu corpo preparado pela codificação genética impressa em seu perispírito - sua herança biológica – que lhe proporciona vacilações e conflitos originados por seus erros e má conduta em suas vidas passadas, o Homem inicia sua jornada, submetendo-se às leis da Terra, sob ação das forças do mundo psicofísico, e onde irá encontrar cobradores em seu redor, especialmente em seu próprio lar, e as dificuldades que fazem parte de suas provações aceitas no seu plano reencarnatório. Em sua mente e na sua consciência começarão a agir variadas forças, produzindo fenômenos de vibrações eletroquímicas que interagem com seus neurônios, provocando suas reações que irão refletir sua condição moral, afetiva e espiritual diante do seu carma. Recebe energias de suas origens, que só serão identificadas a partir do despertar de seu “Eu” (*) para a conscientização de seu espírito e efetivo resgate de seus erros do passado.
Assim, o Homem, liberto de suas formas animais, conquista sua autonomia, mas está contido por suas responsabilidades morais, por seus deveres e obrigações consigo mesmo e com a sociedade em que vive. Nasce, cresce, muda de um lugar para outro, faz amizades, vive paixões, chora, ri, ama, faz o bem ou o mal, resgata ou contrai dívidas transcendentais, agindo e reagindo dentro do livre arbítrio, de acordo com sua consciência e seus conhecimentos. Em seus encontros e desencontros, desde os atos mais simples aos mais importantes, está envolvido um complexo mecanismo que se modifica a cada momento, pela decisão que toma aquela pessoa. Se a decisão é correta, em harmonia com o planejado em seu plano reencarnatório, o resultado é bom, causando bem estar e conforto espiritual e mental; mas, se a decisão é errada, o Homem sofre angústias, tormentos e dores, experiências registradas no perispírito.
O espírito rompe o neutrom (*), indo buscar energia em seu plano evolutivo para se alimentar e, assim, também alimentar o Homem, embora sofra as influências da alma e do corpo. A maneira como ele recebe as decisões da alma é que determinam seu bom ou mau aproveitamento da situação de encarnado.
Aprisionado no perispírito, dentro da Lei de Causa e Efeito - o carma -, o espírito se evolui através de incontáveis testes e provas.
Após o desencarne, a alma e o perispírito formam o corpo astral.
(Veja: Plexos, Espírito, Reencarne)

  • Na vida absoluta do espaço existem todas as formas que consistem o organismo humano, mas nem sempre se põem em ação.
Porém, pela harmonia da corrente magnética do perispírito que, mesmo seguro ao sistema nervoso do corpo, emite a alma e se põe em movimento, se atrai e se comunica.
No envolvimento da alma a outra se faz o perigo da volta. Sim, se esta não estivesse presa ao magnético vital nervoso do corpo.
Este mesmo processo encontramos na manifestação de uma alma a outra ou baixando sobre outro corpo que não o seu, porém que emite carga magnética e faz harmonia, quebrando as barreiras do neutrom.
Existem muitas formas de manifestação dessas almas ou reencontros em planos diferentes, ou manifestação com diferentes magnéticos.
Analisando a filosofia do perispírito, levando em consideração o seu centro de força, temos a saber que este é o mais poderoso, o mais importante do corpo, tanto no invólucro terrestre quanto no invólucro astral.
O perispírito está sempre presente e não se inflama, não é tocado pelos desejos do corpo como o é o centro nervoso da carne.
Os hindus consideram o perispírito “rosário de pétalas”, por ser o mais significativo em razão de suas células.” (Tia Neiva, s/d)

  • E falamos na manifestação dos espíritos.
Falamos, falamos dos desencarnados e de suas manifestações, porque é pela corrente magnética que o perispírito se comunica com a alma.
Muitas vezes eu, neste plano, me assombro com certas manifestações, suas expansões junto à matéria, isto é, atingindo o sistema nervoso, na normalidade do todo emocional vibracional do Homem, em matéria e perispírito.
Um grande ódio do sexo oposto traz terrível desajuste nos dois planos, principalmente em quem o projeta.
No Homem se acentua uma complexidade de coisas, efeitos incomparáveis.
Porém, o mais terrível de todos é a vibração de pessoas irrealizadas. O fato é que existem muitos outros caminhos.
Quanto mais elevado o padrão do Homem nestes carreiros terrestres, mais originais e perfeitas vão se tornando as suas aberturas, que atingem os reinos de toda natureza.
Tudo isso contribuindo para o aperfeiçoamento da memória, da percepção.
Instintos que vão se adaptando às irradiações do extrasensorial, na cota extra da Humanidade, digo, em todas as partes de todos os reinos da Natureza!” (Tia Neiva, s/d)

  • Sabemos que o perispírito retém, guarda, conserva a modalidade adquirida durante a vida corpórea do ser.
Cada indivíduo imprime certa modificação à sua aura de conformidade, também, com suas necessidades, de como ou onde vai reencarnar.
Vem, então, dotado de sua força psíquica, quer em um quer noutro caso de reencarnação ou volta da alma à vida corpórea.
A força psíquica, quando chega a ser espírito humano - a alma -, tem necessariamente gravada no perispírito todas as qualidades distintas e caracterizadas, que são as condições absolutamente indispensáveis à manutenção da vida para cada um: mais timidez, mais audácia, tudo de conformidade à sua missão na Terra, porque a alma humana é o produto da evolução da força através do reino de sua natureza.
O mundo é um hospital, onde a cura é a própria desobsessão, porque a energia extra-etérica é átomo que se revela na aura.
Cada indivíduo concorre para o caráter do seu grupo, que se compõe de diversos graus, desde a variedade até a espécie.
Apesar dos milhares de espíritos, tudo gera, se afina, na individualidade.
Nascer, morrer, reencarnar... Progredir sempre, na sensação de fenômenos diversos, físicos, abalos fisiológicos, a comoção nervosa, a sua transformação no cérebro, o efeito, a reação orgânica de atração ou repulsa de emoções.
Temos, assim, o conhecimento fisiológico denominado consciência, que se estabelece entre o eu e o não-eu.. Cada indivíduo é um cenário diferente, porque age na individualidade. (...)
A sede do amor está na alma.
Cada criatura recebe de acordo com o que merece.
No campo cerebral do corpo espiritual é que os conhecimentos se imprimem, em linhas fosforescentes.”
(Tia Neiva, s/d)
Enviar um comentário