quarta-feira, 28 de novembro de 2012

Quando chegam melhores que nós...!!!

Quando chegam melhores que nós


Meus filhos, é chegado o momento de estarem prontos para receber os missionários do Terceiro Milênio.
Eles já estão chegando, já existem vários deles que estão em
nossa Doutrina.
Certa vez, na Cachoeira do Jaguar, estava com Zé Pedro divagando sobre o futuro que semeávamos naquele lugar tão abençoado. Tínhamos por fim a sonhada liberdade e vivíamos com dificuldade, pois somente a dificuldade abrandava nossos espíritos e nos mantinha ligado ao espiritual.
Um dia, chegou até lá um jovem branco, bonito
de feições, com roupas finas, mas bastante desgastadas.
Tinha um aspecto sofrido e uma humildade natural dos que passam por grandes dificuldades. Dividimos nosso alimento com aquele jovem, ouvimos suas histórias e ensinamos nossas lições. Em pouco tempo ele já parecia saber tudo como se sempre estivesse entre nós.
Muitos não aceitavam que ele estivesse ali e fosse tão útil, pois o ciúme é um triste sentimento que habita os que demoram demais para suas conquistas.
Não compreendiam como é que ele, recém-chegado, fazia tudo com tanta perfeição e dedicação.
Das tarefas mais simples, até corrigir certas atitudes dos mais velhos. E ele estava certo mesmo.
Com sua percepção aguçada, percebeu que não era mais bem vindo e resolveu ir embora. Insisti, junto com Zé Pedro, para que ele ficasse, mas ele disse que não adiantava, que aquele povo ainda não estava pronto para receber a ajuda que ele gostaria de dar.
E assim partiu.
Alguns anos depois, o reencontramos pelo povoado. Estava a cavalo, elegantemente vestido e tinha uma grande carroça, puxada por quatro cavalos, dirigida por outros dois negros bem vestidos.
- Salve Deus, pai Zé Pedro! Que alegria revê-lo! – ele cumprimentou.
- Salve Deus, sinhozinho, ainda não esqueceu nosso cumprimento? – retribuiu Zé Pedro.
- Jamais! O quê aprendi naquela Cachoeira ficou para
sempre. Pena que não pude ficar com vocês.
Segui meu caminho, e encontrou outro grupo que me recebeu igualmente de braços abertos, mas eles entenderam o quanto eu poderia ser útil se não houvesse tantos ciúmes.
Depois de um ano com eles, um parente me localizou dando notícias de uma herança.
Com ela fundei um povoado onde os negros são respeitados e sua religiosidade traz a cura para muita gente.
Meus filhos, os missionários do Terceiro Milênio são espíritos que chegam com um novo preparo, não suportam nossos ciúmes e irão nos deixar se forem mal tratados, levando sua energia e suas heranças para outras
correntes.
É preciso que controlem seus impulsos e entendam que nossa Doutrina chegou primeiro aos mais humildes, com maior receptividade para a Clarividente. Mas agora, vocês estão estabelecidos como Ciência Espiritual, respeitados nos Planos Espirituais e recebem missionários que já chegam com instrução!
Não vão aceitar tudo que vocês disserem sem que saibam exatamente do que estão falando.
Muitos já chegam conhecendo muito sobre a Espiritualidade e sobre a manipulação energética, é preciso ser humilde, ter tolerância e muito amor, para recebe-los.
É preciso não ―ciumar dos conhecimentos que possuem, se fazendo de donos da verdade. Não vão errar como erramos naquela época.

Pai João de Enoque

Enviar um comentário