terça-feira, 17 de julho de 2012

Individualidade e Personalidade


A individualidade é toda a carga transcendental e meritória de um espírito. É, na sua essência, o próprio espírito, pois é una e indivisível, compreendendo a natureza, características, tendências, preferências e objetivos de cada espírito, tornando-o distinto de todos os outros.

A individualidade é uma qualidade do espírito, enquanto a personalidade (*) é relacionada com o corpo e a alma. Enquanto a personalidade (persona, pessoa) é o ser humano, efêmero, existente apenas em cada reencarnação com seu próprio nome, suas características e temperamento, resultantes da sua própria individualidade e da educação psicossocial, a individualidade é eterna.

Geralmente, são conflitantes, e esses conflitos ocorrem no campo consciencional e são contínuos.

Nós temos plena consciência de nossa personalidade, isto é, do que gostamos ou não gostamos, das necessidades de nosso corpo e dos anseios de nossa alma, que nos procuram enquadrar na sociedade em que vivemos, como atores em peças complicadas. Todavia, existe a percepção de que nem tudo é de acordo com o nosso íntimo, que divergimos continuamente das diversas tendências e inclinações de nossa personalidade, e vamos conseguindo penetrar pouco a pouco em nossa individualidade, o impulso fundamental e transcendente, uma energia latente que tenta romper as barreiras da personalidade.
Quando na Terra, Jesus falava perante multidões, mas, na realidade, falava para a individualidade, isto é, para o coração de cada um.
A individualidade é que nos permite a ligação com os planos espirituais, é a nossa verdadeira forma de ser, é onde se acumulam todas as experiências das encarnações por que passamos, é a nossa imagem real e sem retoques, é a responsável pelo nosso livre arbítrio e, por conseguinte, pelo nosso merecimento e pela nossa posição na escala evolutiva.
Dentro da Lei de Auxílio, não há como trabalhar com nossa personalidade, mas unicamente na nossa individualidade. Por isso, na Doutrina do Amanhecer, não é importante o grau de cultura ou posição social do médium, porque esses são fatores da personalidade.
Faz-se questão, sim, do amor, da humildade e da tolerância - os três reinos da natureza da individualidade - que dão as verdadeiras caraterísticas do espírito a caminho de Deus, proporcionando-lhe condições da realização de grandes fenômenos pela correta manipulação das forças que lhe forem confiadas pela espiritualidade.
Pela profunda diferença entre individualidade e personalidade é que nos é vedado o poder de julgar alguém, porque são inúmeros os casos de grandes individualidades que reencarnam com pesadas personalidades, dentro de um plano de evolução de almas afins".
Enviar um comentário