quinta-feira, 3 de novembro de 2011

Alma II


Quando o feto completa três meses de gestação, recebe o perispírito e a alma. A alma passa, então, a alimentar o feto com a energia vital. No desencarne, a alma deixa o corpo, ligada ao perispírito, que passa a ser o seu invólucro, atuando como o corpo fazia com o espírito, formando o corpo astral.
No Homem, quando a alma está fora, o perispírito comanda suas atividades vitais. São muitos os fatores que levam uma alma a sair do corpo, principalmente doenças, problemas, preocupações e vibrações. É fácil sair, para almas irresponsáveis, espíritos sem lei ou sem doutrina. Para estes casos, torna-se muito difícil o retorno.
 “Nós sabemos que o Homem é composto de corpo, alma e espírito. O corpo e a alma são instrumentos do espírito. Na verdade, nós separamos todos, pois há uma independência muito grande de cada um. O corpo é uma projeção do espírito, uma vez que é o espírito que fabrica seu corpo, de acordo com o tipo de carma por ele planejado. Da mesma forma, a alma é projetada segundo o espírito. O trabalho evolutivo do espírito é feito através do corpo e da alma. Assim, nós colocamos nosso corpo e nossa alma a serviço do espírito, através de nossas heranças. Assim, quando fazemos nossas emissões, estamos nos reportando a  todas as vivências do nosso espírito, porque ele não pertence a este plano mas, sim, às nossas origens.”  (Tia Neiva, s/d)
“A conservação ou reprodução da alma depende da disposição afetiva, do caráter, de gostos, inclinações elevadas como amor e raciocínio. É incrível as coisas que se desagregam em virtude da mente conturbada!” (Tia Neiva, s/d)
“A força psíquica, quando chega a ser espírito humano - a alma -, tem necessariamente gravada no perispírito todas as qualidades distintas e caracterizadas, que são as condições absolutamente indispensáveis à manutenção da vida para cada um: mais timidez, mais audácia, tudo de conformidade à sua missão na Terra, porque a alma humana é o produto da evolução da força através do reino de sua natureza. O mundo é um hospital, onde a cura é a própria desobsessão, porque a energia extra-etérica é átomo que se revela na aura. Cada indivíduo concorre para o caráter do seu grupo, que se compõe de diversos graus, desde a variedade até a espécie. Apesar dos milhares de espíritos, tudo gera, se afina, na individualidade. Nascer, morrer, reencarnar... Progredir sempre, na sensação de fenômenos diversos, físicos, abalos fisiológicos, a comoção nervosa, a sua transformação no cérebro, o efeito, a reação orgânica de atração ou repulsa de emoções. Temos, assim, o conhecimento fisiológico denominado consciência, que se estabelece entre o eu e o não-eu.. Cada indivíduo é um cenário diferente, porque age na individualidade. (...) A sede do amor está na alma. Cada criatura recebe de acordo com o que merece. No campo cerebral do corpo espiritual é que os conhecimentos se imprimem, em linhas fosforescentes.” (Tia Neiva, s/d)
“Pelo nosso supremo estágio da alma porque, na maioria, vivemos, oscilamos, duvidamos, entre a revolta muda e o murmúrio da submissão que as dúvidas nos causam. E ficamos no mais alto estado da mente e revoltamo-nos contra aquilo que a alma obedece, porque a canção do mar morre ao atingir a praia ou tocar no coração que a ouve.” (Tia Neiva, 19.10.78)
“Faz-se preciso a maior concentração da alma sobre si mesma, a mais profunda introspeção, fazendo agir a percepção, nessa busca para encontrar os fatos, agindo à luz da razão em todos os campos psíquicos...” (Tia Neiva, 9.2.80)
“Sabemos que a alma  tenta modificar o organismo através dos séculos. Em geral, a sensibilidade fluídica do ser é proporcional ao seu grau de pureza e de adiantamento moral. Nessa regra, vivemos no meio de uma multidão invisível que assiste, silenciosa, atenta, às mesquinharias de nossa existência. Participam, pelo pensamento, de nossos trabalhos, de nossas alegrias e de nossas penas. Lembre-se, filho, de que não é possível animar o corpo se a alma está ausente. Se sua alma busca as coisas distantes de sua Doutrina, não há calor para a Doutrina. Sim, filho, além do perispírito, que vive dentro do nosso corpo (centro nervoso), temos partículas do sistema fluídico, que vivem dentro de nós e que, na realidade, como antimatéria, nos sustentam e se transmutam pela alma. Estas partículas que adquirimos são a própria vida e nos dão todas as variedades de percepções sensoriais - calor e frio, se temos muitas partículas - e são, também, a ENERGIA dos rituais! Contudo, os materialistas grosseiros não acreditam nos mundos antimatéria. No entanto, até hoje ainda não conseguiram cortar ou queimar coisa alguma das que lhes incomodam. No entanto, a prece, o nosso canto, lhe faz sentir ou perceber uma presença explicada mais claramente!... O Homem vive a buscar a destruição do outro. Falta de visão! E teima em não aceitar, porém, que a sua vida é a sua antimatéria... Na realidade, vivemos a nos destruir!”  (Tia Neiva, 14.8.81)
“Filho, diminua os teus pensamentos e aumente mais os teus afazeres, para que, filho, tua alma atômica, vazia, não atue ao longe do teu objetivo, deixando o teu centro nervoso atravessar as grandes estradas e a grande ponte sozinho e, sozinho, comece a morrer...”  (Tia Neiva, 15.1.81)
“Tudo o que possuímos, pelo que somos pessoalmente responsáveis, é a nossa alma. E esta Lei, filho, é baseada no fato de que toda a matéria, todas as forças, os oceanos, a Terra, o Sol e a Lua foram criados por Deus! O Homem não pode criar ou destruir a matéria, nem pode criar ou destruir em vão.” (Tia Neiva, 19.9.80)
“Quando sentires as sombras do teu crepúsculo, de mansinho, se aproximarem de ti, e as últimas chamas de esperança num adeus partir, não cedas... Vibra na volúpia da saudade, vibra! É cedo! Encha de harmonia a tua taça... e, num gemido de amor, leve-a aos lábios - beba! Não é a final - beba! É a saudade do além - a tua alma, que, cheia de esperanças e de receios, vive no eterno a te esperar!... (Tia Neiva - Um Toque do Além - 24.5.80)
“Deus, criando os espíritos, não poderia lhes dar uma personalidade conscienciosa de si mesmo se não subdividisse sua força, seu plexo. A alma, no seu invólucro, sempre buscando algo, separadamente dos instintos do corpo, que se alimenta do clima atmosférico sólido de outra natureza. A alma dificilmente se realiza com os prazeres da Terra, ou melhor, com os prazeres do corpo físico. Tudo se torna claro, como é claro o que chamamos de MORTE, que é um nascimento em uma nova vida. É porque a alma permanece buscando sua verdadeira  moradia, ou sua verdadeira origem, enquanto o corpo físico tem como tendência libertar seu comportamento religioso.” (Tia Neiva - As Obrigações de um Adjunto - 17.5.78)
«“Não entregues tua alma à fatalidade, que é a verdade infernal, possessão da fatalidade das almas enfraquecidas, sem fé em Deus. Estamos com duas espadas com que podemos nos defender. Filho, o segredo das Ciências Ocultas é o da Natureza mesmo! É o segredo da geração dos Grandes Iniciados e dos mundos de Deus, os grandes talismãs da Vida. A substância criada é chamada ATIVIDADE GERADORA - a manipulação do Fogo na mirra, no sal e no perfume.”  (Tia Neiva, s/d)
“Na vida absoluta do espaço existem todas as formas que consistem o organismo humano. Mas nem sempre se põem em ação. Porém, pela harmonia da corrente magnética do perispírito, que mesmo seguro ao sistema nervoso do corpo emite a alma e se põe em movimento, se atrai e se comunica. No movimento da alma a outras se faz o perigo da volta. Sim, se ela não estivesse presa ao magnético vital nervoso do corpo. Este mesmo processo encontramos na manifestação de uma alma a outra, ou baixando sobre outro corpo que não o seu, porém que emite carga magnética e faz harmonia, quebrando as barreiras do neutrom. Existem muitas formas de manifestação dessas almas - ou reencontros - em planos diferentes, ou manifestação com diferentes magnéticos.” (Tia Neiva - O Perispírito - s/d)
“Obedecendo, sempre, aos instintos dos outros plexos, buscando sempre seu mundo transcendental, o Homem conhece os mundos pela força de seus contatos em reencontros transcendentais do seu microcosmo ou microplexo. A possibilidade de um conhecimento místico da justa aspiração, do direito legítimo e de suas necessidades, pelos reencontros, penetram e desabrocham os anseios de sua alma. O Homem não tem forças para construir um roteiro filosófico, isto é, mesmo uma teoria, digo sim, algo que busque além de seus rudes pensamentos, além do alcance de seus olhos físicos, para descobrir os segredos ocultos da própria alma, que é o microplexo. Descobrir os segredos ocultos existenciais, se desenvolver, conhecer os enigmas das lendas, na certeza de que tudo vive em Deus, existe, e se relaciona através dos grandes recursos da alma. A consciência é o peso indefinido do inconsciente ao consciente. Quando sentir o peso da consciência, arraigue-se ao seu inconsciente, busque algo que pese na sua consciência e a desperte. O Homem que passa despercebido dos anseios de sua alma, não se envolve e não se preza. É, como disse o grande Victor Hugo, um espectador, não é Homem; passou pela vida e não viveu!”   (Tia Neiva, 26. 4.80)
“Quando dormimos, os três reinos de nossa natureza, na sua totalidade, ficam para atender às exigências do corpo. De vez em quando, nossa alma sai a vaguear e, conforme sua mediunidade, chega a demorar-se fora do corpo. Passeia, vai longe, e adquire ilustrações, muitas vezes em busca da cura do próprio corpo físico.” (Tia Neiva, s/d, 1984)
“O corpo físico é ornamentado pela herança transcendental, que é o charme. Quando fazemos consagrações estamos justamente buscando nossas heranças. (...) Quero lembrar-lhe que nem toda força que se desagrega é tudo de bom, como acontece em nossos plexos. Existem em nós forças em pontos vitais que quando se desagregam é tudo de mal! Lembre-se do interoceptível e as forças incríveis que se desagregam quando  nos desequilibramos. Nem preciso explicar: é tudo de mal! Como espíritos encarnados somos corpo físico, alma e perispírito. (...)  A alma, o microplexo, pequeno corpo posicionado no corpo físico entre a cintura e a nuca, é o corpo sangüíneo do espírito. Revela-se por nossos pensamentos, é por onde recebemos e emitimos vibrações, é a sede de nossos sentimentos. O núcleo central de nossas decisões está na alma, onde vive nossa individualidade transcendental, emitindo nossa personalidade transitória. (...) Analisamos agora, com mais profundidade, o plexo físico, o microplexo e o macroplexo como se fossem três formas de vidas diferentes e separadas. Porém, não devemos nos esquecer que os três ESTÃO UM! É como, por exemplo, o átomo que, formado pelo ânion, pelo cation e pelo neutrom, quando é atingido  um objeto não são atingidos o ânion, o cation ou o neutrom separadamente, mas sim o átomo, por ser impossível separá-los. O ectolítero fica entre os três plexos. É o Sol Interior que emite para os plexos. (...) O espírito humano, ou o espírito em sua condição de encarnado, é simplesmente um espírito revestido por um corpo físico, com sua força subdividida pelo plexo físico e pelo microplexo, e que, ao desencarnar, simplesmente se liberta do corpo, seguindo o curso natural de sua evolução. Quando o espírito desencarna, fica o plexo físico. Desprendem-se o microplexo e o macroplexo, que vão se apurando, apurando, até que o espírito se torna divino e conquista o terceiro plexo: Pai, Filho e Espírito Santo - Santíssima Trindade ou Chave do Verbo Divino! Falamos aqui no espírito fora da matéria, em sua vida além física, Salve Deus!” (Tia Neiva, 3.6.84)

Enviar um comentário