segunda-feira, 10 de março de 2014

Trino Araken fala sobre os Templos Externos

            TRINO ARAKEN FALA SOBRE OS TEMPLOS DO AMANHECER
"Sejam bem vindos!
Meus irmãos, eu sou um Doutrinador como os senhores. Tive o privilégio, uma oportunidade ímpar de conviver com Tia Neiva durante treze anos intensivamente e, com seu imenso amor, seu imenso carinho, ela foi me transmitindo, ensinando o que realmente é o mundo do Médium deste Amanhecer.

Eu tenho esperança, e gostaria que que na próxima Consagração não se falasse TEMPLOS EXTERNOS, se falasse TEMPLOS DO AMANHECER. Porque meus irmãos, Tia sempre, ela me falou várias vezes, que quando ela partisse, essa Doutrina iria crescer como uma relva daninha, ela iria se infiltrar, se espalhar por esse Brasil todo.

O Brasil, é o berço do Evangelho, é a Terra Prometida para os espíritos que ainda estão a caminho da libertação. Esse Brasil, esse continente físico, ele já foi ligado à África. Se vocês pegarem o mapa Mundo, vocês vão ver que ele encaixa direitinho na África.

Há muitos mil anos atrás, nós já habitamos no Brasil, principalmente na área da Amazónia e, com o Trabalho de Xingu, essas energias que lá nós deixamos estão sendo transferidas para nós por esses queridos Jaguares que tiveram a coragem de assumir uma encarnação como índios.

Nós não estamos no Brasil por acaso, não foi uma coincidência. Toda essa Tribo, ela reencarnou, está reencarnando e irá reencarnar no Brasil. É aqui que nós vamos desenvolver a Grande Missão deste Planeta.

Nessa simplicidade, meus irmãos, nessa nossa luta do dia a dia, nessas dificuldades, reajustes, cobranças, desajustes, aos poucos vai despertando em nós, em nosso ser a consciência da Individualidade. Essa consciência nos leva aos Planos Etéricos aonde nós desenvolvemos os grandes Trabalhos. O grande Trabalho do Médium não é neste Plano Físico, é quando ele dorme, deixa o corpo, obedece a um comando. E nós vamos, meus irmãos, em cavernas, em pântanos, nos hospitais, nas colónias, nós vamos em busca desses irmãos que não tiveram o privilégio que nós temos de estar encarnados e sendo Evangelizados.

Quando falo em Evangelização, eu não falo em ler o Evangelho, o que é muito comum. Mas, a Evangelização é a prática do ensinamento desse Grande Caminheiro, Governador do nosso Planeta, nesta era, nosso amado e querido Mestre Jesus. Porque meus irmãos, não basta que nós conheçamos as Leis do Amanhecer, os ensinamentos do Amanhecer. É necessário que nós transformemos esses ensinamentos em energia, em força. É uma corrente de energia. Ela acende uma lâmpada; se ela tem maior intensidade, ela gira um motor pequeno; se ela tem uma maior voltagem, ela liga um motor maior. Vocês estão me entendendo? E essa voltagem, ela parte da nossa Individualidade, da nossa consciência.

É fácil fazer o que eu estou fazendo, falar. Agora meus irmãos, praticar é muito mais difícil. Ninguém aqui é juiz de ninguém. Esse é o ensinamento do Grande Mestre Jesus. Ele aceitava a todos, sem distinção de raça, de cultura, de conhecimento. É tanto que, ele escolheu para serem seus Apóstolos, os seus seguidores, homens rudes, homens que não conheciam a Lei daquela época. Vocês seriam capazes de me responder porque? Porque que Jesus não procurou, naqueles tempos, os sábios, os doutores da lei e foi buscar exactamente os seus seguidores, os homens mais rudes, que não conheciam, não tinham a sabedoria do conhecimento de um encarnado sobre as leis daquela época? Vocês imaginam porque? Porque meus irmãos, aqueles homens tinham a mente limpa, não estava impregnada com retalhos de ensinamentos; não estava impregnada com superstições; não estava impregnada com princípios dos sacerdotes viciados, corruptos e assim por diante. Eram mentes favoráveis para que pudessem ser emanadas e impregnadas por aquela energia daquele Espírito Soberano que veio trazer a Mensagem, veio abrir o caminho para que nós tivéssemos a oportunidade de podermos evoluir.

Meus irmãos, nós estamos sendo preparados há quatrocentos anos antes de Cristo. Somos uma tribo muito difícil, somos espíritos difíceis e, tivemos a oportunidade desta encarnação, de nos evoluir e ajudar a outros caminharem. Cada um, cada Individualidade, cada Médium tem sua parcela de responsabilidade nessa imensa nave que chama-se Amanhecer. Todos, todos nós temos. Basta que cada um procure no dia a dia ser o seu próprio juiz, e procurar melhorar.

Nós falamos muito em amor, falamos muito em humildade, falamos muito em caridade, é fácil, são palavras bonitas. Temos muitos chavões bonitos, até deixados pela nossa própria Mãe. Lindos chavões, palavras, uma expressão muito profunda, são fáceis de decorar, de falar. Mas, meus irmãos, nós precisamos é nos conhecer. Esse que é o grande segredo do indivíduo, conhecer a si próprio. Essas encarnações intermináveis que nós estamos fazendo aqui na terra, porque? O que que nos leva a voltar a encarnar? - Porque nós ainda não nos conhecemos. O dia que uma Individualidade conhece a si própria, ela não precisa reencarnar mais, ela está livre, livre. Porque um espírito evoluído é um espírito livre. Ele não precisa mais de Templos, ele não precisa de Rituais, ele não precisa de espaços, ele é livre meus irmãos. Ele tem o amor incondicional, ele ajuda, ele auxilia sem exigir nada, sem dividir, sem estabelecer princípios. Esse é o caminho, meus irmãos, que nós estamos trilhando.

A Doutrina do Amanhecer, ela se baseia num só princípio: na sabedoria de Pai Seta Branca. É o princípio do amor. Agora, meus irmãos, nós precisamos começar sendo tolerantes. É um treinamento. Depois, humildes, porque quem é humilde, ele não precisa ser tolerante, ele já é. Eu não falo nessa humildade de chorar, de fazer gestos, não. Nós precisamos ser humildes perante àqueles que chegam perto de nós. Porque se você teve oportunidade de ter um maior preparo, um maior conhecimento, você também tem condições de aceitar o indivíduo como ele é. Esse é o princípio da tolerância. E o amor? Quem ama não precisa ser tolerante, não precisa ser humilde. O amor é universal. O Sistema Crístico é baseado no amor, no amor incondicional, no amor desses queridos Mentores que nos assistem, que nos orientam, que nos mostram o caminho que nós temos. Então, meus irmãos, nós mostramos a humildade quando nós temos condições de nos abaixarmos a cabeça perante os ensinamentos, perante os princípios, as leis dessa Corrente. É o primeiro passo.


Todo esse princípio não foi criado por Tia Neiva, ele veio do Mundo Espiritual, de experiência de espíritos que já desencarnaram. Pai Seta Branca desencarnou há seiscentos anos, meus irmãos. Amanto desencarnou mais ou menos na mesma época que Pai Seta Branca, há seiscentos anos. Eles têm a humildade de chegar até nós. Pai Seta Branca vem para iniciar o Doutrinador e a Doutrinadora, Pai Seta Branca vem numa Bênção. Pai Seta Branca, meus irmãos, é um espírito que muitos Pretos Velhos ainda não o viram, não tiveram condições de chegar perto dele. E ele vem aqui, e nos diz o seguinte: Eu sou pequenino, eu caibo em vossos corações. E é uma grande lição, os grandes não conseguem penetrar no coração do homem.

Por isso, meus irmãos, vamos aproveitar essa nossa encarnação. Vamos fazer dela a escada para nossa libertação. Somos privilegiados, não precisamos como outras Religiões, outras Doutrinas - de pompas, ou ficar tocando tambores numa praça, ou ficar telefonando de casa em casa para participar de uma reunião. Nós somos tão privilegiados, que as pessoas nos procuram, e nós ainda as tratamos mal. É assim, ah, estou cansado, vou embora, vou fechar esse Retiro logo, esse camarada foi chegar logo agora. Não é assim que nós agimos? Eu estou falando, nós.

Por isso, meus irmãos, nós precisamos repensar a nossa vida mediúnica, e repensar também a nossa vida na terra. Vamos questionar um pouco, porque que nós estamos aqui, o que que realmente viemos fazer. O ser humano, principalmente nós deste Amanhecer gostamos de culpar. Começa assim: culpa o Adjunto, depois culpa o Trino, depois culpa o Preto Velho, depois culpa Pai Seta Branca. Graças a Deus que nós temos a quem jogar, culpar para aliviar as nossas irresponsabilidades. E jamais nós vemos Pai Seta Branca chegar aqui e dizer: você me culpou por isso ou por aquilo, você, ou você, ou você. Na realidade, meus irmãos, Mentores não castigam, Pai Seta Branca não castiga. Porque quem realmente ama, ou ele ama ou não ama. O castigo, meus irmãos, as dificuldades vêm dos nossos próprios atos. Nós mesmos, por irreverência, por vaidade, por prepotência, é que vamos buscar as nossas dificuldades.

Se os senhores se lembram, se os senhores leram as Mensagens de Pai Seta Branca, em uma delas ele diz o seguinte: Eu não vos exijo nada deste Sacerdócio, porém vos prometo tudo para que possam cumpri-lo. Essa é a caminhada da Individualidade dentro do seu livre arbítrio. Contudo, meus irmãos, à medida que aumenta a nossa consciência, a nossa visão, ela se alarga mais. O nosso livre arbítrio na mesma proporção, ele vai diminuindo, porque nós vamos adquirindo consciência do que nós estamos fazendo aqui na terra, o que realmente nós viemos fazer aqui e o que que precisamos fazer. Salve Deus! Não é, meus irmãos?

Assim, vamos nos reciclar. É necessário de tempos em tempos nos reciclarmos para não passarmos a ser uns robozinhos. Porque o nosso próprio trabalho é um trabalho pesado, é um trabalho difícil, nos exige muito, e nos leva, se não tivermos cuidado, a sermos robozinhos e cairmos nos padrões das demais Religiões. O Amanhecer não é uma Religião, o Amanhecer é uma Ciência dos Mundos Etéricos. Para que penetremos nessa Ciência, precisamos nos colocar em condições que nos pedem. Aí, cabe a cada Individualidade.

Reencarnamos, muitos no Angical cem anos atrás. Muitos. Nós temos Pai João de Enoc, Pai Zé Pedro e muitos Enocs, muitos Caboclos, muitos Cavaleiros de Oxosse, muitas Princesas, muitas Pretas Velhas, muitos Pretos Velhos que passaram pelas encarnações do Angical. Hoje são Espíritos de Hierarquia, mas, muitos ainda estão presos naqueles troncos, não conseguiram se libertar. Um deles é o que lhes fala.

Há uns tempos atrás, muitos anos atrás eu me queixei para Pai João, que a minha vida era difícil, muito difícil. Ele me disse assim: Te falta um braço? Eu disse, não. Te falta um pé? Não. Você tem o privilégio até de ter um carro, você não sente, não precisa caminhar. Você tem até um sapato, não sente o pedregulho na sola do pé, e você está assim não é por culpa minha não, porque quando eu falava com você, você virava as costas pra mim, hoje você me chama de Pai. Entenderam o recado?

Então, meus irmãos, é a Individualidade, e Pai João foi o Imperador Tibério no Império Romano. Era tão bonzinho, que enterrava o camarada em pé, só deixava a cabeça de fora e soltava as ratazanas. Então, vocês vejam bem - o caminho do espírito é aproveitar a sua oportunidade. Uma reencarnação é um privilégio muito grande, muito maior do que vocês possam imaginar, e às vezes nós não aproveitamos, nós desperdiçamos e mais tarde nós choramos lágrimas de sangue.

Não quero lhes preocupar, não quero deixá-los preocupados, mas, eu tenho falado com muitos Jaguares que estão do outro lado. Uns estão bem, outros mais ou menos, outros estão com muitas dificuldades, tanto que um chegou e me disse: Eu daria tudo para ter um minuto na terra. Eh, meus irmãos, e eram Sétimos Raios classificados, Rama 2000.

Então, tinha uma senhora, Mãe Preta. Todo mundo achava que ela era maluca. Ela tinha muita afinidade comigo. Um dia, no Angical uma entidade me chamou. Eu cheguei lá e ela disse: sou Mãe Preta. Eu disse: Salve Deus! Estão entendendo? Eu não estava ligando o nome à pessoa. Você não lembra? Sou aquela Mãe Preta, eu sempre falava com você, a gente se encontrava no Angical, no Canal Vermelho, que a gente trabalhava. Ó Mãe Preta, a sua Bênção e ela disse: Deus te abençoa meu filho. Eu estou muito bem e feliz.

Por isso, meus irmãos, não é a aparência, não é a cultura humana, não é, meus irmãos. Nós não vamos ser cobrados por Religiões. Ah não, eu sou Católico, eu sou Protestante, eu sou Espírita. Ninguém vai nos cobrar por isso. Nós vamos ser cobrados pela nossa consciência, pelos nossos atos, pelo que nós fizemos de bom, ou não. É só isso, meus irmãos, pelas nossas obras. É isso que vai pesar, e o juiz não será ninguém, é a nossa própria consciência, meus irmãos. Porque no mundo da razão não há meio termo, é ser ou não ser, meus irmãos.

Estou muito feliz de vê-los. Boa sorte para vocês!"
Enviar um comentário