quinta-feira, 30 de janeiro de 2014

O céu está para todos, mas nem todos estão para o céu.


Texto de nossa irmã Maria das Graças dos Santos por ocasião se preparar-se para a missão de pintar o mural ao fundo da imagem de Pai Seta Branca, no Templo do Amanhecer de Olinda. Vale a pena reflectir!!!

Naquela Era distante onde a humanidade estava mergulhada na escuridão da ignorância fazendo-os cegos espirituais, Jesus nasceu para dar o testemunho da Verdade Espiritual de Deus.

Jesus sempre existiu por toda a eternidade, mas os homens o desconheciam e tinham uma visão distorcida de Deus. E assim ele nasceu no plano físico se fazendo homem, humano como todos nós. Na simplicidade ele revelou a Presença Divina, tocando os corações endurecidos estimulando-os a vencer a cegueira interior para que o Cristo despertassem em seus espíritos e os mesmos pudessem enxergar o Céu. Entre os cidadãos daquela época Jesus chamou os homens simples para ser seus discípulos como também Maria Madalena. Eram espíritos que traziam uma bagagem transcendental que os capacitavam pra aquela missão. A simplicidade de suas vidas os protegiam da vaidade e do egoísmo estremo que se transformava em arrogância dos sacerdotes fariseus entre outros.

Jesus nasceu na simplicidade e irradiava a luz divina tocando a todos com seu olhar e seu sorriso. Foi o nascimento da Luz do Mundo, a estrela da manhã que anunciava o nascimento da Boa Nova de Deus para a humanidade: o Evangelho.

Jesus dizia: “EU SOU O PÃO DA VIDA”. Dos campos vem o trigo que é transformado em massa e nas mãos do padeiro é amassado junto com outros ingredientes vai se transmutando na alta temperatura do forno completando o processo como pão que alimenta a todos. Jesus veio como pão que alimentava as almas saciando a fome de luz.

Na última ceia, Jesus partiu um pão em pedaços e distribuiu aos seus discípulos para se alimentassem. “UM SE MULTIPLICA EM PEDAÇOS PARA QUE ESTES SE REÚNAM E SE TORNEM UM”. Cada discípulo deixou de ser testemunha da missão de Jesus para viver a missão com o Cristo interno desperto que se transformou em estrela guia de suas jornadas, os quais conduziam as pessoas no caminho de volta para Deus. Sendo assim multiplicaram o Evangelho por vários povos.

Francisco de Assis: espírito luminoso que nasceu na cidade nas proximidades de Roma onde o Evangelho estava sendo distorcido e a humanidade caindo no abismo do egoísmo extremo. Francisco de Assis ainda jovem despertou para sua missão e trouxe sua mensagem de desprendimento dos bens e conceitos materiais eleitos como o que melhor se poderia almejar na época. Francisco se espelhou no Evangelho em sua pureza original expressando o Cristo interno em cada palavra, em cada gesto. E com amor, humildade e tolerância foi tocando as mentes ignorantes e vaidosas e corações endurecidos reactivando os valores espirituais esquecidos, legítimos do Evangelho em suas vidas. Com essa atitude Francisco estimulava a todos em retomar o caminho de volta pra Deus. A sua presença no mundo estabeleceu a luz espiritual sobre a humanidade e chamou à atenção do Céu atraindo espíritos de luz que se uniram na mesma missão.

Este mesmo espírito retorna à terra e encarna nas floresta dos Andes assumindo a roupagem indígena em contacto com a natureza ainda virgem do contacto com a civilização. O amor e a sabedoria das Eras dava ao cacique Seta Branca junto com Yara a condição de lapidar espíritos encarnados que tinham natureza rebelde, endurecida que precisavam morrer para a velha estrada “olho por olho, dente por dente” para nascer no novo caminho de “humildade, amor e perdão.” A condição de índios, favoreciam esse processo.

A ocasião em que Seta Branca expressou todo o seu amor incondicional com a sabedoria divina, revelou-se quando estava no campo de batalha entre sua tribo e os espanhóis. Nessa ocasião ele ergueu sua lança para o céu e fez uma oração cujo poder espiritual provocou o desarmamento dos seus guerreiros e dos soldados espanhóis, levando-os a retornar para seus lares sem derramar sangue.

Na era actual Pai Seta Branca plantou a bandeira rósea do amor através da Doutrina do Amanhecer (revelado pela nossa mãe clarividente Tia Neiva), chamando-nos de meus filhos amados para que nessa jornada sejamos “os trabalhadores da última hora.”

Por esse novo caminho ensina-nos a modelar o nosso espírito através do Evangelho de Jesus Cristo utilizando o trabalho na lei de auxílio dessa Corrente espiritual e ofertando a todos necessitados que nos procuram: tanto os menos favorecidos como os mais abastados da sociedade. E para que o nosso despertar não se perca, trabalhamos sob a égide dessas palavras: AMOR, HUMILDADE E TOLERÂNCIA.

Assim como naquela era distante o nascimento de Jesus tocou a todos com sua luz, neste momento Pai Seta Branca vem nos tocar com seu resplendor e romper a nossa cegueira espiritual promovendo um novo amanhecer da Era de Ouro em nossas vidas.


Maria das Graças dos Santos
Enviar um comentário