quarta-feira, 17 de abril de 2013

PRESERVAÇÃO DOUTRINÁRIA


Temos um claro compromisso de fidelidade com o quê nossa Mãe Clarividente nos ensinou. Acreditamos em sua Clarividência e, portanto, sabemos que o quê nos foi deixado veio originalmente dos Planos Espirituais.

Nossos Trabalhos, Leis e Chaves, posturas, e até mesmo a elegância, devem ser respeitadas e os “invencionismos” e valores agregados de outras seitas e correntes, abandonados. O quê poderia ser compartilhado em comum já foi claramente agregado na formação do Mestrado e na formação de nossos Símbolos Doutrinários.

Adaptações e acomodações de conveniência, em vãs tentativas de conseguir-se adeptos, caracteriza um proselitismo totalmente contrário ao nosso princípio de atração magnética. Quem deve chegar a Doutrina, chega por atração! O seu crescimento deve ser fruto exclusivo da emanação do local e dos médiuns que fazem parte de um Templo.

Exemplos explícitos do funcionamento real desta “lei” podem ser notados nas diferenças em Templos de mesma idade de fundação, com características similares, mas desenvolvimentos contrários.

Também não podemos aceitar com naturalidade que se tenha necessidade de reformular conceitos para acompanhar modismos e modernismos, a pretexto de adaptá-la aos caprichos dos que já chegam com vertentes pré-adquiridas.

As tentativas de enxerto de idéias e convenções, práticas inconvenientes e comportamentos que não encontram guarida na sua rígida contextura doutrinal, acabam por provocar desvios, atraindo incautos e desconhecedores dos fundamentos básicos de Nossa Doutrina.

Acreditar que precisamos de complementos para nossos Trabalhos é considerar que a Clarividente falhou, deixando lacunas a serem preenchidas com outras filosofias similares e manipulações energéticas de outras correntes.

Com certeza o estudo de outras técnicas tem um ponto positivo: Leva-nos a compreender melhor nossas próprias técnicas. Pois analisando comparativamente vemos o quanto temos nas mãos e o quanto nossa Doutrina é completa!

Porém, enxertar técnicas complementares, por mais delicadas que sejam, fere a integridade, porque o Vale do Amanhecer, embora seja dinâmico, possui uma base inalterável, trazida diretamente dos planos espirituais, que não dispõe de espaço para adaptações, nem acréscimos que difiram da sua estrutura básica.

Torna-se indispensável, portanto, a vigilância de todos verdadeiramente comprometidos com a fidelidade doutrinária, para que a diversidade seitista e sutil da invasão de teses estranhas não predomine no seu campo de ação, terminando por asfixiar a planta boa, cuja mensagem dispensa as propostas reformadoras, caracterizadas pela precipitação e pelo desconhecimento dos seus ensinamentos.

Preservar a Doutrina de perigosas inovações da “Nova Era” é ter a segurança de que Tia Neiva não falhou! Deixou um sistema completo, dinâmico, mas com bases sólidas, fortes e completas.


Enviar um comentário