segunda-feira, 15 de abril de 2013

Prana


Na Linha Oriental, o prana é o fluido ou energia cósmica prima, universal, fora do espectro eletromagnético, existindo no plano subtil e se constitui na força vital do Universo. O termo significa sopro ou hálito, e foi usado pelos Vedas para designar as várias manifestações da vida ou das energias vitais.
Compondo o corpo subtil do indivíduo, regulando suas relações internas e externas, o prana não é uma forma particular de energia, mas sim a essência última de todas elas. Calor, luz, eletricidade, gravidade, enfim, todas as forças que agem na matéria, em suas múltiplas atividades, são expressões do prana.
Os gregos denominavam-no “éter”, e os pesquisadores modernos o chamam de BIOPLASMA. Envolve e permeia os tecidos mais densos do corpo, agindo de forma inteligente e propositada, controlando a atividade de cada molécula da matéria viva, transportando o princípio da vida de um lugar para outro. Energiza, supervisiona e purifica os neurónios, sustentando a área subtil e vivificante do mesmo modo que o plasma sanguíneo sustenta a parte mais densa.
Além do prana único, existem energias prânicas particulares, geradas pela sua diversificação, que atuam em todas as funções orgânicas e psíquicas do Homem - pensamentos, sentimentos, perceção e movimento.
O prana tem sua sede na cabeça e governa todas as atividades cerebrais superiores, tais como as da mente, da memória, do pensamento e das emoções. O prana regula o funcionamento fisiológico do coração, penetrando no sangue e controlando a oxigenação de tecidos e órgãos vitais. O sistema nervoso extrai o prana de um tecido envolvente, uma essência bioquímica de natureza altamente delicada, que existe em nível molecular ou sub-molecular, localizada especialmente nos órgãos, que estão interligados com o cérebro através de conexões medulares, na espinha dorsal.
Esta ligação é ativada e equilibrada pela ação da Kundalini(*).
O prana tem polaridade, podendo ser acumulado, transformado e conduzido. É absorvido de diversas fontes, principalmente do Sol, do ar e dos alimentos, atuando através de um mecanismo cujo ritmo coincide com o da respiração pulmonar. Quando inspiramos, absorvemos prana; ao expirar o distribuímos pelos vários órgãos do corpo subtil, pelos nervos sutis - chamados nadis - e ele é armazenado nos chacra, para que, conforme as necessidades, seja liberado para todo o organismo psíquico.
A quantidade de prana absorvida pelo organismo é variável e determina a capacidade energética do Homem. Em ambientes tranquilos, sem poluição, ensolarados, criam-se condições para maior absorção do prana.
Nos momentos em que se consegue harmonia mental, através da mentalização(*) também se obtém maior quantidade desta maravilhosa energia.
Assim, o prana não é, em si mesmo, consciência. É uma fina essência biológica que nutre o sistema recetivo da nossa consciência, que é o sistema nervoso, nosso contacto com a consciência universal. Ele é ativado pela Kundalini numa ação altamente energizante.
A corrente prânica é afetada pelas paixões e emoções, pela comida e pela bebida, pelos ambientes e pelo modo de vida; pelo desejo e pela ambição, pela conduta e pelo comportamento. Na realidade, depende de um sem número de estímulos, desde os mais fracos até os mais fortes, que acontecem ao Homem desde que nasce até o seu desencarne.
De acordo com nosso merecimento, às 6 horas da manhã recebemos uma grande projeção de prana, vindo do espaço, que nos fortalece para nossa jornada do dia e da noite.
Por isso se faz necessário ter-se uma vida moral e equilibrada, dentro da conduta doutrinária, em ambientes saudáveis, não por preceitos religiosos, mas, sim, por um imperativo biológico diretamente ligado ao prana.
Enviar um comentário