sexta-feira, 12 de outubro de 2012

Tolerância (3)


Tolerância
Tolerância - também chamada paciência - é saber aceitar, de forma passiva, ações ou comportamentos com os quais não se concorda ou até mesmo se reprovam, sendo, assim, uma concordância do mal real ou suposto, em respeito à liberdade e ao livre arbítrio, desde que não envolva ofensas ou crueldades. Quando sabemos o que tem que ser feito, a forma positiva de agir, o modo correto de conduzir uma ação e, por amor, evitamos um choque que poderia ser nocivo a quem está agindo mal, estamos sendo tolerantes. Sem tolerância, a vida se transforma em angustiosa luta, cheia de desespero, de sofrimentos e infelicidade. A harmonia com a tolerância nos dá uma projeção de paz e luz em nossa mente. Não somos donos da verdade, mas temos muito conhecimento do Universo e das leis que nos regem. Portanto, devemos aprender a usar a tolerância com os nossos irmãos encarnados e desencarnados, para evitar posições agressivas ou de crítica, a fim de que possamos praticar a Lei do Auxílio não só no sentido do nosso merecimento, mas, principalmente, para nos ajudar a evoluir. Um momento de impaciência pode desencadear anos de aflições e sofrimentos.
Temos, no nosso planeta, irmãos que reencarnaram pelos erros e teimosias, pela crueldade e violência, pelo total desrespeito às Leis Divinas, tristes quadros que envolvem dolorosas lutas espirituais, junto aos quais temos que levar avante nossa missão, armados com nosso amor, com nossos conhecimentos doutrinários e com nossa tolerância. No Sermão da Montanha (Mateus, V, 39 a 41), Jesus dá o exemplo da paciência: “Não resistais ao malvado; pelo contrário, se alguém de ferir na tua face direita, oferece-lhe também a outra. E ao que tenciona citar-te em juízo e tirar-te a tua túnica, deixa-lhe, também, a sua capa. E se alguém te obrigar a ir mil passos, anda com ele ainda mais dois mil.” Esta é a base da tolerância. Quando assumimos uma ação de vigiar ou controlar outra pessoa, para evitar maus comportamentos ou vícios como bebida e drogas, nos arriscamos a afundar cada vez mais aquela pessoa no abismo que pretendemos evitar se não tivermos amor e tolerância. Geralmente é uma atitude difícil, pois, nascida da conscientização do “eu” (*), torna-se um sofrimento silencioso e normalmente mal compreendido pelos outros, porque é muito pessoal o que uma pessoa tem condições de aceitar ou tolerar. A tolerância não deve ser uma atitude dominante da personalidade, mas sim usada no momento certo, com a pessoa certa. Em casos de necessidade, para manter a paz no nosso interior e ao nosso redor, a tolerância é a melhor postura para questões morais e religiosas, não significando isso que devemos ignorá-las, mas, sim, controlar nossas ações e reações, nossas palavras e pensamentos, para não criar conflitos e, dessa forma, afastar aqueles a quem queremos ajudar.
Quando nos envolvemos com outras pessoas querendo atenuar uma dor ou um sofrimento, devemos aprender, com a tolerância, a impor limites para esse envolvimento, pois, se não o fizermos, corremos o risco de sofrer mais que elas ou aumentar sua dor. Essa tolerância é fundamental nas ligações afetivas, na vida a dois, quando o ajustamento de duas pessoas é feito de modo desgastante, na jornada de compartilhar acontecimentos e atos cotidianos na vida do casal. Quando desejamos consertar pontos negativos que vemos em outra pessoa, temos que agir com amor e tolerância para que ela entenda sinceramente o que pretendemos e que estamos tentando modificá-la porque nos importamos com ela. Na verdade, a tolerância é baseada no conceito de que se não podemos modificar uma pessoa, temos que nos modificar a nós mesmos. Mas isso só funciona na direção positiva, quando fazemos um bom exame de consciência e verificamos que a nossa falta de paciência corre por conta de nosso egoísmo (*) ou de nossa sombra (*), e que nada há para ser mudado em outra pessoa, devendo esta ser aceita como é. Quando nos empenhamos em ajudar alguém que vemos trilhando caminhos perigosos ou dolorosos, principalmente se é uma pessoa muito próxima de nós, temos que buscar o fortalecimento de nossa sensibilidade com pequeno desligamento do problema, para que não fiquemos mergulhados totalmente no caso, o que gera desgastes psicossomáticos e energéticos. Isso faz com que possamos nos fortalecer e diminuir nossa ansiedade. Face às agressões dessa pessoa, não reaja, e, sim, apenas se proteja intimamente para não sofrer os golpes em profundidade. Devemo-nos lembrar de que temos que estabelecer limites, com base no amor e na caridade, para tudo o que fazemos. E isso inclui a tolerância.
Se verificamos que estamos mais preocupados em modificar as atitudes de uma pessoa do que ela mesma, devemos repensar nossos atos e analisar friamente a situação. A tolerância é para todos os momentos, exigindo grande sacrifício, sincero, profundo e verdadeiro, um ato de amor que busca criação de equilibrado padrão vibratório no nosso relacionamento, permitindo a aceitação do outro tal como ele é. Devemos ter sempre em consideração, pelo nosso conhecimento doutrinário, que estamos nesta vida para evoluir, e esta evolução tem, como base, a tolerância para com os atos de nossos irmãos, encarnados e desencarnados, que são colocados em nossos caminhos para nos dar a oportunidade de demonstrarmos a elevação de nossos sentimentos.
 
Escrevemos a morte conforme a vida. Escrevemos a morte e a dor quando não temos amor. Olhei para o céu e vi imensas estrelas. As portas estavam fechadas, eu já estava deitada. Dormi. Porque antes pensava na vida com medo da morte, hoje penso na morte com medo da vida. amor é o alimento do corpo. A tolerância é o alimento do amor. O Homem precisa do amor para viver, o amor precisa de tolerância para crescer...”
Tia Neiva – 18/10/1978

Enviar um comentário