quarta-feira, 31 de outubro de 2012

Fim de uma Cobrança

Muitas vezes iniciamos um relacionamento sob os auspícios de uma fraterna amizade ou de um grande amor. Mostramos e vemos o quê mais nos agrada na pessoa e nos encantamos com a possibilidade de estar ao lado de um companheiro(a) para toda a vida. Isso acontece nos namoros, casamentos, amizades, sociedades e em praticamente todas as relações interpessoais.

Porém, com o passar do tempo, novas facetas, da então pessoa admirada se revelam, e surgem os conflitos... e despertam-se os reajustes e cobranças.

Teria tudo dado errado? Quando somos conscientes paramos para nos questionar onde erramos. Quando não temos a consciência desperta, normalmente jogamos a culpa no outro, acusamos que a pessoa “mudou”, e as dores do convívio, as intimidades, passam a ser objeto de sofrimento.

Meus irmãos e irmãs, todos nossos reencontros são programados. O reajuste irá se processar. Se ambos estiverem chegado a um nível de evolução e compreensão, entenderão que é chegada a hora de parar, de terminar a ligação sem a necessidade de tornarem-se “inimigos íntimos”.

A energia do reajuste, após manipulada, trará o natural desligamento, quando os envolvidos sentem que cumpriram seu papel. Ou, se insistirem em manter o insustentável, seja pela vaidade, orgulho, ganância, ou qualquer outro sentimento de posse negativo, correrão o risco de iniciar um novo ciclo de desequilíbrio e dívidas futuras.

Nenhuma separação é fácil. Seja uma amizade rompida pela desconfiança, uma sociedade que se esfacela pelo radicalismo de uma parte, ou um matrimônio que desmorona pela incompatibilidade detectada nas personalidades.

Porém é preciso identificar o momento em que termina a cobrança, em que o reajuste está cumprido e esforçar-se ao máximo, com todas as forças mesmo, para terminar em harmonia. Para conquistar o mérito pela consciência.

O reajuste mais barato é o que se paga com dinheiro, as vezes um grande prejuízo material é o menor preço cobrado pelos nossos desequilíbrios de um passado sombrio de tantas encarnações passadas”. (Pai Zé Pedro)

Terminar bem é a coroação do reajuste pelo amor. Não importa se uma das partes “levou tudo”. Como diz Pai Zé Pedro, pode ter sido o melhor preço negociado para sua vida seguir adiante, com saúde e sem perseguições. O apego material nos traz muito mais dor e pode gerar um novo ciclo kármico a ser pago com mais um retorno a este planeta... e as oportunidades de voltar estão escasseando...

Ao identificar a necessidade dos fechamentos, das finalizações, procedamos este “parto” sem dores sofridas! Abra mão, esforce-se para fazer o melhor para outra parte, afinal você não sabe até onde deve, mas sente que deve terminar e tem consciência de que se terminar “bem”, o ciclo estará cumprido, o reequilíbrio realizado e o reajuste finalizado. Assim, estará livre e pronto para o próximo passo, para a próxima missão.


Enviar um comentário