quarta-feira, 19 de setembro de 2012

O Plano Reencarnatório

O PLANO REENCARNATÓRIO

No Canal Vermelho, o espírito desencarnado faz sua recuperação e quando sente a necessidade de reencarnar, consulta seu Mentor, que avalia suas condições e, se favoráveis, dá início ao plano reencarnatório, propiciando o roteiro para sua reencarnação. Dependendo do nível de consciência, o espírito identifica conflitos, mágoas, arrependimentos, agressões por suas ações e reações em oportunidades que teve em outras encarnações, e se sente infeliz e irrealizado, sabendo que precisa fazer seus reajustes com suas vítimas do passado, conquistar aqueles que se dizem seus inimigos, para que, livre de todo esse peso, possa retornar às suas origens. Suplica, então, por uma nova reencarnação, para resgatar tudo isso e se libertar dos tormentos que o envolvem.
Enquanto nos planos espirituais, o espírito pode evoluir muito, pela vontade e desejo de melhorar, mas somente no plano físico é que pode demonstrar e praticar tudo o que aprendeu. Desde remotas eras, era bem conhecido o fenômeno da reencarnação, denominado samsara pelos védicos.
Pela graça de Deus, o Homem reencarna dentro de um plano de trabalho elaborado em conjunto com seus Mentores, em que são previstas dificuldades, em graus variáveis, visando sua evolução. Cumprir ou não esse plano depende do livre arbítrio daquele espírito e o resultado positivo ou negativo de uma encarnação tem como ponto crítico o reajuste (*).
O espírito que obtém a graça da reencarnação faz seu plano reencarnatório, com base no exame de sua memória absoluta, onde observa suas ações passadas, os traumas que provocou, e, ajudado pelos Mentores, estrutura sua reencarnação, aceita a determinação de seu sexo genético, que pode ser imposto de acordo com a programação do seu carma, em função da sua herança espiritual, conjugando seu livre arbítrio com o cumprimento da Lei de Causa e Efeito, uma vez que terá que atender às necessidades individuais de cada ser para o tipo de reencarnação que vai ter, considerando que o ato reencarnatório visa o progresso e aperfeiçoamento individual e do grupo espiritual. Assim, são previstas as reencarnações por:
    • IGNORÂNCIA - É quando o espírito reencarna com o propósito de melhorar seus conhecimentos e se esclarecer sobre as leis da Vida, tais como o amor, a humildade, a tolerância, a caridade e a misericórdia;
    • EXPIAÇÃO - Quando o espírito retorna à Terra para sofrer as conseqüências de seus erros transcendentais, como acontece com os viciados em bebidas e tóxicos, sofrendo terríveis condições morais e a eles é dada a reencarnação de forma dolorosa e geralmente curta, a fim de que completem o tempo que desperdiçaram na vida anterior;
    • PROVAÇÃO - O espírito reencarna para sofrer no corpo físico e na alma os desafios e provas que lhe proporcionarão condições de evolução conforme sua tolerância e merecimento;
    • REPARAÇÃO - O espírito volta a esta vida para consertar suas falhas transcendentais, compensar as destruições e desencontros que provocou em vidas passadas; e
    • MISSÃO - Aquele que já superou as outras fases e reencarna, por amor, para cumprir uma missão neste planeta, junto a outro espírito, em um lar, em uma cidade, em uma nação ou por toda a Terra.
Como se encontra ligado a um grupo familiar, que ainda existe na Terra, e que teve suas vivências em muitas épocas e em vários lugares, portanto, com variadas nacionalidades, o espírito vai escolher seus pais dentro dos laços afetivos, obedecendo às heranças consciencial, psicológica e espiritual, que envolvem reajustes, compromissos, comprometimentos e outras vinculações cármicas. Os espíritos de seus futuros pais são, então, chamados enquanto seus corpos físicos estão adormecidos neste plano, e podem concordar ou não com o planejamento feito. Desta reunião espiritual resulta o plano definitivo daquela reencarnação, ficando o reencarnante já no envolvimento emocional e psicológico com seus futuros pais.
Os pais têm o livre arbítrio para aceitar ou não a escolha do reencarnante. Se a negarem, o espírito irá procurar outros pais.
Após a decisão, os pais voltam aos seus corpos e de nada lembrarão. Assim, quando vemos uma criança deficiente, um verdadeiro peso para seus pais, devemos ter a consciência de que foi tudo planejado - e aceito - nos planos espirituais, pois faz parte do reajuste daquele grupo. Embora quando estejam de volta ao corpo eles não mais lembrem de coisa alguma, essa missão - ou reajuste - foi aceita, e por isso devem os pais de deficientes físicos ou mentais compreenderem que não estão sendo castigados, mas, sim, tendo a oportunidade de se evoluírem e ajudarem àquele espírito que foi colocado sob seus cuidados, tudo de acordo com o que foi planejado.

Enviar um comentário