sexta-feira, 6 de julho de 2012

Mesa Evangelica


Um pequeno trabalho, mas que muito nos ensina, sobre o que se passa no Trabalho de Mesa Evangélica. 
O meu muito obrigado ao Adjunto Yumatã. 

A Mesa Evangélica: Pelo Adjunto Yumatã, Mestre Caldeira.
A Mesa Evangélica, talvez o mais simples e um dos mais importantes trabalhos, pois funciona como a “bateria” da nossa Corrente-Mestra!
Por isso, é o primeiro trabalho a ser aberto no Templo e deve ser o último a ser encerrado.
O comandante da Mesa, ao realizar a abertura do trabalho, está “avisando” ao plano etérico que a Mesa já vai funcionar e que os espíritos sofredores já podem ser “enviados”pela Espiritualidade.
O comandante também deve ficar em sintonia total com o trabalho, procurando harmonizá-lo emitindo o “Pai Nosso” sempre que julgar necessário.
A Mesa Evangélica existe, no plano físico, com o vértice do triângulo (farol-mestre) voltado para o Aledá e, no campo etérico, forma um triângulo invertido com a base “emlinha” com a elipse onde fica a figura do caminheiro.
Os faróis servem para interromper a sequência de pólos negativos (Ninfas e Mestres Luas incorporados por sofredores), senão teríamos um trabalho desequilibrado. Pode acontecer de um exú permanecer no Templo e, graças aos mentores, vai ouvindo as emissões, os mantras, vai recebendo as energias dos trabalhos e da Corrente-Mestra, até ficar em condições de ser doutrinado na Mesa Evangélica; é, então, “anestesiado” e levado para lá.
Por isso, o Doutrinador não deve tocar na Ninfa Lua/Mestre Lua, pois o contato físico pode causar um “choque” energético no aparelho.
O espírito “anestesiado” é levado e encaminhado às legiões, ao Canal Vermelho, às grandes filas, onde recebe ensinamentos e vai sendo “doutrinado”: é assim que um espíritoque cultivou o ódio durante anos pode voltar ao seu caminho evolutivo.
Este trabalho é o mais simples e um dos mais importantes, pois é através dele que muitos espíritos têm a oportunidade de “voltar à Deus”; quando trabalhamos na Mesa Evangélica
Enviar um comentário