quinta-feira, 28 de junho de 2012

Posses



Se o desespero ameaça tomar conta de si, que tal resolver de vez essa sua dificuldade?
Esse tipo de sentimento infeliz é o resultado da sua falta de fé, não da fé de que muitos falam. É fé num ideal, fé no futuro. Falta-lhe a coragem de lutar e a decisão de prosseguir apesar de todas as dificuldades.
Os meus filhos desesperam-se com muita facilidade. É a hora de aprenderem um pouco com a vida.
Diante do sofrimento pela possibilidade da partida de um afeto, o desespero instala-se, é a hora de trabalhar o desapego. Nos não somos donos de ninguém. Nenhum ser humano é propriedade de outro. Acorde, sorria meu filho. O tempo da escravidão já passou. Por que manter-se algemado a pessoas e objetos?
Às vezes desesperam-se porque julgam que lhes faltam recursos materiais, isso é absurdo, meus filhos.
Está na hora de entender que a verdadeira posse é o fruto do trabalho. Se lhe faltar alguma coisa é porque não trabalhou o suficiente, não perseverou na sua proposta ou, então, quando teve a oportunidade de a ter, não a soube economizar, reservar ou multiplicar.
A vida ensina-nos que aquilo que julgamos possuir, nós temos que dividir com os mais necessitados, somando esforços para multiplicar os resultados, diminuindo as pretensões, para exercitar o desapego.
Ora, meu filho, o desespero é o resultado de uma visão errada da vida.
Pare e pense. Erga a cabeça, que ela não foi feita apenas para embelezar. Pense, organize os seus pensamentos. Reorganize a sua vida e continue a andar. Mesmo devagarzinho, ande… não se permita ficar parado.
Deus abençoa, mas é preciso ter coragem para a maior experiência do mundo que é viver.
Sempre há uma solução. Não existe dor, sofrimento ou mal que não tragam o seu ensinamento, não há problema que não tenha a resposta certa da vida.
(Pai João de Aruanda)
Enviar um comentário