sexta-feira, 14 de agosto de 2015

Intuição de Doutrinador


Salve Deus!
Diante do quadro actual, onde muitos tentam encontrar respostas para seus conflitos doutrinários e, não os encontrando, acabam por agarrar-se às respostas mais próximas e que atendam, mesmo que superficialmente, essas indagações.
Sabemos que o factor técnico mediúnico existe e, como na definição de energia (que é produzida pela força), ela seria, portanto, quem estaria gerando esta energia. Ela é manipulada, condensada e utilizada segundo o grau evolutivo de quem a usa.
Nas dimensões etéricas a energia é veiculada em diversos níveis. Nessas faixas, individualidades com graus também diferenciados, as recebem e emitem segundo seu padrão vibratório e a sua proposta. Lembrando do questionamento de Tia Neiva: "... acima de nossas cabeças, quem pode afirmar o que é o BEM ou o MAL ?", também podemos afirmar que, mesmo em nosso planeta, "o que é o CERTO ou o ERRADO ?". Muitas vezes esta análise pode ser deturpada ou condicionada segundo o meio em que o indivíduo nasceu ou foi criado. Até mesmo Jesus se viu indagado por Pôncio Pilatos quando perguntou ao Cristo "o que seria a verdade ?".
Em nossa doutrina, por trás dessa faixa de energia que denominamos Neutron, existem dimensões, ou mundos espirituais, tão numerosos que ainda não foi possível nominá-los. Então vem a pergunta delicada e que muito incomoda: "Qual é a certeza que temos se um Templo pode ou não estar conduzindo ou assistindo, dentro das Leis de Nosso Senhor Jesus Cristo:?
Contam que, certa vez, Tia Neiva estava nos Tronos com um de nossos Trinos Presidentes. Depois de um certo tempo acabou se identificando um Exu ali incorporado e no entanto esse nosso Trino achava estar falando com Pai João de Enoque!
Certa feita estava em um Templo quando o Presidente anunciou no microfone que necessitava de 5 representantes do Cavaleiro da Lança Vermelha pois Chapanã havia incorporado e os tais representantes iriam doutriná-lo!
Temos assistido em nossos Templos comentários sobre incorporações estranhas, tanto de espíritos sofredores , quanto de espíritos que se dizem iluminados. E notamos que o DOUTRINADOR, sem colocar a razão doutrinária, que é a sua condição mediúnica nativa, absorve com muita naturalidade essas comunicações.
Pelo menos até 1986, um Mestre elevado já era conhecedor das leis que regem sua conduta como médium Doutrinador e as condições em que os espíritos utilizam para se manifestar, seja sofredor ou nossos Guias. Será que realmente não passamos o tempo de brincar ? ("infusão", de Tia Neiva).
Seríamos missionários perfeitos se o conhecimento doutrinário, aliado à consciência de SER e ESTAR de nossos Médiuns, estivesse crescendo na mesma velocidade dos Templos implantados nesse Terceiro Plano...
Talvez, se isso estivesse ocorrendo, não estaríamos hoje juntando as ovelhas que estão tão dispersas.
Salve Deus.
Por Gilmar (Adelano)
e André Luís (Ajuvano)
Enviar um comentário