quarta-feira, 7 de janeiro de 2015

Estrela de Sublimação ou Estrela de Nerhu



A Estrela de Nerhu ou ESTRELA SUBLIMAÇÃO é fonte de energia da transição para uma nova era e, com a Estrela Candente e o Turigano, forma a perfeita simetria que completou a triangulação de forças dos Grandes Iniciados.
Traz toda uma nova energia espiritual, espíritos que formaram uma civilização super avançada, e que, com o tempo, nos trarão grandes inovações. Foi ela quem guiou os Magos do Oriente quando no nascimento de Jesus, o marco desta era, o II Milénio.
Nerhu foi um grande sacerdote do Antigo Egito que conseguiu unir e cruzar essas forças, em trabalho de grande precisão, no qual de purificavam e reforçavam as forças dos sacerdotes do Templo de Karnak, onde está o Oráculo de Amon-Rá, quando o nível de impregnação, pelas cargas negativas do povo que se reunia ao redor do Templo, chegava a altos níveis.
Tia Neiva fez grande preparação para implantar este trabalho. Houve, até, uma Estrela Candente especialmente montada, com a troca de lugares dos mestres e ninfas, com os Ajanãs ocupando os esquifes e os Doutrinadores nos projetores Lua e nos banquinhos, junto aos esquifes.
Agora, sua força se faz presente para nos guiar para o III Milénio, no cruzamento das forças das Estrelas.
Regida pelos Grandes Arcanos, é um trabalho preciso e exige harmonia e concentração de quem dele participa.
O Ministro Aganaro é o responsável por toda a harmonização e manipulação dos raios das Estrelas e das pesadas cargas das Esmênias. O Ajanã que representa o Ministro Eganaro deve ser Vancares, para ter condições de manipular as forças do ritual, conduzindo os raios que chegam para seus projetores na medida ideal e necessária ao perfeito cruzamento destas mesmas forças, operando durante todo o ritual como um estabilizador de forças, distribuindo-as de acordo com o potencial de cada um dos respectivos representantes das Estrelas que estão projetando seus raios: Gairo, Agamor, Agero, Enuro, Nezaro e Riva. Ali se faz presente o próprio Pai Seta Branca, manipulando o conjunto de forças.
Junto ao Vancares atua o Cavaleiro da Lança Verde, o poder da mente, direcionando e manipulando as forças em conjunção que vão atuar nos pacientes e nos mestres e ninfas ali reunidos.
Por tudo isso, pelo elevado grau de forças envolvidas no trabalho, é exigida a máxima concentração de todos os seus participantes.
Com seu ritual contido no Livro de Leis, as observações se dirigem às ninfas que vão ser Esmênias, que representam as virgens que eram sacrificadas, cujos gritos de pavor diante da morte liberavam a energia necessária para a realização dos fenómenos que, à época, ocorriam. As ninfas se concentram no Turigano, com seus mestres, e portando suas lanças. No momento em que o trabalho é aberto, na Estrela Sublimação, também se abre o canal de força no Turigano, e as forças de que elas serão portadoras começam a ser manipuladas no Plano Espiritual. É um momento perigoso, pois são forças das quais não temos a menor noção, e as ninfas e mestres devem manter-se concentrados e em harmonia, evitando falar, movimentar-se e, principalmente, fumar.
Os Núbios eram um povo ao qual eram entregues, no Antigo Egito, diversas tarefas de confiança, formando uma classe acima dos escravos. Trabalhavam nos templos, nos palácios. No Templo de Karnak haviam cerimonias em que nove Núbios carregavam um andor onde estava o Deus Velado, Amon-Rá, onde se originou a denominação de Santo Nono.
As Esmênias Compõe o Santo Nono - cinco Ninfas Lua e quatro Ninfas Sol (5 + 4 = 9) -, e levam para a Estrela de Nerhu cargas negativas que não temos como aferir. Sabemos, apenas, por Koatay 108, que são imensas e poderosas, tendo as Esmênias toda a responsabilidade por sua condução.
Por isso é feita a corrente magnética, entre o Turigano e a Estrela Sublimação, que geram um campo magnético que impede a dispersão de irmãozinhos inluz que, conduzidos pelas Esmênias, podem querer escapar dali, bem como impedem que alguma Esmênia, tomada pelo pânico, deixe o cortejo.
Quando chegam ao portão, são impedidas de entrar por não contarem com qualquer proteção. Vêm, então, as Niatras, mensageiras de Nerhu, que controlam as forças de desintegração da Estrela, e pedem que o representante do Cavaleiro da Lança Vermelha dê proteção ao Santo Nono, que, então, podem entrar no recinto.
As Samaritanas, no início do trabalho, trocam a posição do perfume e do sal, ficando este à esquerda, para permitir que o Regente Arakém use o perfume para fazer a Cruz de Ansanta nas costas do Vancares. Depois que o cortejo passar, com o Regente Tumuchy conduzindo o Vancares, trocam-se as posições, ficando o sal à esquerda e o perfume à direita das Samaritanas.
O trabalho precisa de duas missionárias Dharman Oxinto, que se sentam à esquerda do projetor do Tumuchy. Quando sai o cortejo para levar a morsa ao Vancares, após a emissão da Yuricy, a 1ª ninfa à esquerda do projetor se coloca, junto com a Yuricy, atrás da corte, sendo seguida pela outra Yuricy, que é acompanhada pelo Padrinho do Comandante. A Dharman Oxinto passa pelo projetor do Vancares e pára, voltando-se para o projetor, aguardando a preparação do Ajanã. Colocada a morsa e feito o canto do Ajanã, o cortejo prossegue, e a Dharman Oxinto continua na corte, junto com a Yuricy, até que retorne com o Mestre representante do Tumuchy que levou o Vancares a seu projetor.
Quando o Santo Nono entra, a 2ª ninfa Dharman Oxinto se desloca, junto com a outra Yuricy, até onde estão as Samaritanas, onde pega a bandeja com as taças, e a Yuricy pega o vinho, para servir aos componentes do Santo Nono, após estes terem se anodizado com sal e perfume. A Dharman Oxinto pega a bandeja com duas taças, e a Yuricy coloca o vinho nas taças. A Dharman Oxinto leva a bandeja, num gesto simples e ritualístico, à altura do plexo, junto ao corpo, e, elevando a bandeja, serve ao casal. Terminando de servir aos sete pares, Dharman Oxinto e Yuricy retornam aos seus lugares.
Após se servirem do vinho, as Esmênias são conduzidas aos esquifes, onde fazem suas emissões em conjunto e se deitam, ficando seus mestres atrás, de pé. Principalmente as ninfas Lua, que não estão acostumadas a deitar no esquife, devem ser orientadas para que se deitem com os braços estendidos para a frente, com as mãos espalmadas sobre o esquife, a testa encostada, de frente, na sua superfície.
Outra atenção deve ser dada pelo mestre que, no projetor de Araken, faz a Contagem: ali, esse trabalho é direcionado para o resíduo de cargas que possam ter ficado da Mesa Evangélica, e não deve ser pedida, inicialmente, a mentalização de pessoas, locais, governo, etc. O princípio da Contagem deve estar voltado para a desimpregnação de cargas negativas dos médiuns, algum resíduo que possa restar da Mesa Evangélica, e, depois, então, deve o mestre representante de Arakem puxar as diversas forças da Contagem (das matas, das águas, etc.) para a recuperação daqueles que participaram do trabalho.
O poder da Estrela de Nerhu é tão grandioso que, com o tempo e o avinhamento, irá permitir fenómenos de materialização e aparição de espíritos de outras dimensões, por ação do Oráculo de Agamor, que recebe e manipula as forças dos três Oráculos - de Simiromba, de Olorum e de Obatalá - e faz seu cruzamento, resultando em um conjunto de forças especiais e de caráter específico, destinadas a ir enfraquecendo a proteção do neutrom, de modo a permitir que seja feita muito lentamente a conjunção de dois planos - o visível e o invisível -, de acordo com a capacidade de controle dos fenómenos, desenvolvida pelos Jaguares do Amanhecer.
Enviar um comentário