quinta-feira, 27 de dezembro de 2012

Procura-se um Adjunto


Procura-se um Adjunto


Procuro um Adjunto que aperte minha mão e olhe nos olhos, e que olhando assim possa sentir-me compreendido e seguro.

Procuro um Adjunto que visite seu povo, que de vez em quando encontre um tempinho para ir a minha casa tomar um café, perguntar como estou e me deixar uma “palhinha da Bênção”. Vocês sabem como é receber a visita do seu Adjunto? Puxa! Parece que estamos recebendo um presente do Pai. Que alegria sentir que aquele homem, que conduz todo um povo, encontrou dez minutos para um café lá em casa. Não precisa falar de doutrina, não precisa nem falar... Ah! Se estes homens soubessem o bem que nos fazem com coisas simples!

Um Adjunto sabe do seu povo, quem está em dificuldades, quem bebeu, quem se separou, quem está “sumido”. Às vezes o povo cresce tanto que é preciso ter regentes que tragam as informações e então... Telefona! Como é importante um telefonema do Adjunto... Ou, nos atuais tempos, um e-mail pessoal.

Nossa maior referencia doutrinária hoje, sem Tia Neiva, é nosso Adjunto! Um homem que não se envolve nos conflitos e só se preocupa com o trabalho espiritual, se preocupa com os componentes e sempre chama cada um pelo nome, nem que tenha que olhar a plaquinha para lembrar.

Um Adjunto nos orienta. É a “figura mais fácil do templo”. Pois está sempre presente e atento a cada movimentação. Jamais vira estrela ou tem síndrome de semi-deus. Nunca se afasta da energia que verdadeiramente o sustenta: Seu Povo! Lembra da INVOCAÇÃO DO ADJUNTO KOATAY 108: SENHOR, FAZE DESENCADEAR EM MIM A FORÇA VERDADEIRA DOS HUMILDES... Tia Neiva, em 5 de maio de 1978.

Procuro um Adjunto que lembre do seu juramento: “Resplandeça, sempre, a luz da caridade e do amor! Que a tolerância e a humildade encontrem acesso em todo o meu ser!”

Um Adjunto lembra-se da Lei, e sempre reserva um dia do mês para comandar pessoalmente todo o Retiro. Tia Neiva, 18 de fevereiro de 1979

Como ficamos felizes quando nosso Adjunto nos pede para fazer alguma coisa! Nos desdobramos para não decepcioná-lo! E não precisamos nos preocupar, pois nunca nos pedirá dinheiro. No máximo, auxílio para encontrar uma forma de obtê-lo, e sempre para benefício de todo o povo.

Pai Seta Branca em 30 de dezembro de 1978 registrou para os Adjuntos: Todo amor nesta marcha , neste NOVO AMANHECER, que depende de conheceres a ti mesmo, para melhor emitires a humildade, a tolerância e o amor, que é a Lei de tua regência. Todo o universo ouve o teu sagrado juramento, que fizeste com as seguintes palavras: Oh, fira-me quando o meu pensamento afastar-se de ti.

Tia Neiva em 17 de maio deste mesmo ano falava das obrigações do um Adjunto: Um Adjunto é um perfeito cavalheiro, respeitando a todos. Aprende a ser tolerante, mesmo diante da provocação dos seus colaboradores. Jamais se identifica falsamente com grosserias, fazendo-se de melhor, abusando de tua autoridade.

Um Adjunto não causa ansiedade nos componentes pelas ações de seu corpo, pelos pensamentos de sua mente ou por suas palavras.

Procuro um Adjunto...
Enviar um comentário