quinta-feira, 29 de dezembro de 2011

EU



Em nossa marcha evolutiva, há um momento em que o espírito desperta pela percepção de si mesmo, quando o “EU” atinge o nível de poder exercer o livre arbítrio no plano temporal, deixando de ser uma prisão para o espírito.
Pela ação e interação, o “EU” amplia seus conhecimentos e expande suas realizações, refina as emoções e aprimora os sentimentos, permitindo que o espírito, que nasceu simples e ignorante, passe a atuar e crescer no entendimento de si mesmo e de tudo o que está à sua volta neste Universo.
Ele deixa de se aprisionar na idéia de que é um corpo carnal, mortal, limitado pelos sentidos, e desperta para a realidade de que é um ser imortal, iluminado e preciosa existência. Esta é a fase do renascimento do Homem!
Mas, é preciso observar entre o "EU" negativo e o positivo. O negativo é o que desperta para o egoísmo (*), ignorando os outros e buscando sempre vantagens para si mesmo. O positivo é aquele que desperta para o trabalho na Lei do Auxílio, esforçando-se para servir e ser útil aos seus irmãos, sempre preocupando-se em ampliar o seu conhecimento, proporcionando a si mesmo o aperfeiçoamento de seu espírito através das modificações em seu íntimo, sempre exigindo o melhor de si mesmo.
O campo energético da mente é limitado em torno de uma densa massa, nuclear, o “EU” ao redor da qual os mecanismos psicológicos giram como partículas atômicas, instrumentos da vida mental que têm diversas naturezas, indo do sistema sensorial até à capacidade de abstração, controlando a intensidade e a qualidade da energia mental (*).
Seu funcionamento é pulsativo ao redor de seu núcleo, recebendo e transmitindo impulsos de diferentes padrões vibratórios, obedecendo à sintonia em que é colocada pela vontade - a sintonia mental.
O Eu é a sede da decisão, o centro do livre arbítrio e da responsabilidade do indivíduo. Forma uma unidade complexa, idêntico a si mesmo e autônomo no agir, dando aos fatos psíquicos a forma de atos pessoais e, na verdade, é o conteúdo da consciência.
O Eu permanece intocado em qualquer dos planos - físico, etérico ou astral - em que estejamos, isto é, da nossa organização molecular. Transcende as experiências e experimentações psicológicas, sendo sujeito ao corpo e ao meio cósmico, avaliando sensações e sentimentos, fazendo julgamentos, questionando razões, formando uma intersubjetividade que lhe dá natureza secreta, e, independentemente do comportamento do ser, o torna único e incomunicável.
Entre as situações-limite - nascimento e morte - o Eu preside todo o desenrolar da vida, seu determinismo e sua liberdade. Em Delfos vê-se a inscrição: “Conhece-te a ti mesmo!”, e essa é a base da Doutrina do Amanhecer. Aprendemos a nos conhecer, a caminhar para dentro de nós mesmos, sabendo que o Céu e o Inferno estão dentro do nosso Eu.
Em João (XIV, 6) nos é revelado que Jesus disse: “Eu sou o Caminho, a Verdade e a Vida. Ninguém vai ao Pai senão por Mim!” Um dos significados desta frase seria: O Eu é o caminho da verdade e da vida.
Sim, porque como conteúdo da consciência, depende da estruturação do Eu o bom ou mau aproveitamento da reencarnação, da jornada daquele espírito.
Existe até uma doutrina – o solipsismo – que afirma ser o “EU” única realidade no mundo, pois, com suas modificações subjetivas, forma toda a nossa realidade.

  • No mundo físico, muitas vezes ocultamos certos comportamentos a que nosso plexo nervoso nos obriga. Sabendo que o nosso mundo social se escandalizaria, nos escondemos, e Deus nos ajuda, pela razão do nosso sentimento em não querer desafiar os laços sociais do nosso mundo.” (Tia Neiva, s/d)

  • Cada indivíduo concorre para o caráter do seu grupo, que se compõe de diversos graus, desde variedade até a espécie.
Apesar dos milhares de espíritos, tudo gera, se afina, na individualidade.
Nascer, morrer, reencarnar, progredir sempre, na sensação de fenômenos diversos, físicos, abalos fisiológicos, a comoção nervosa, a sua transformação no cérebro, o efeito, a reação orgânica de atração ou repulsa de emoções.
Temos, assim, o conhecimento fisiológico denominado consciência, que se estabelece entre o eu e o não-eu.
Cada indivíduo é um cenário diferente, porque age na individualidade.”
(Tia Neiva, s/d)

Enviar um comentário