domingo, 2 de agosto de 2015

A QUEDA DA BASTILHA E O BRASÃO DOS KATSHIMOSHY


Salve Deus!
O que um acontecimento ocorrido por volta dos anos de 1300
em França e outro na província de Pronvicur na Rússia, tem a ver com connosco jaguares deste Amanhecer?
Para tentarmos entender esse processo é necessário buscar ou tentar discorrer sobre a movimentação de energias que ocorre em nossos templos, con
nosco e principalmente no processo que nós conhecemos como reajuste espiritual.
O tempo é um referencial matemático que nós escolhemos para fixar acontecimentos no decorrer de nossas existências e
a isso se chama datação dos fatos. Sabemos que o tempo cientificamente não existe. Nossa datação decorre do movimento de translação e rotação.
Voltando para a nossa ciência espiritual sabemos que o comandante supremo do universo, Deus é atemporal. Por sua
omnisciência e omnipresença ele está aqui e a um milhão anos atrás e a frente de nossa contagem. Dessa forma nossos mentores “existem” nesse espaço tempo incomensurável. Eles têm acesso a todas as informações de nosso registo, de nossas encarnações, dessa forma como gestores de nosso processo evolutivo eles podem gerir, ajustar e reajustar nossa caminhada para que possamos saldar nossas dívidas e desta forma, libertar espíritos que ferimos por não saber amar.
O Brasão do
Katshimoshy , é a representação de um povo cigano que teve dois líderes, em dado momento houve uma divisão, enquanto um grupo continuou sua jornada e seu reinado, outro liderado por outro líder resolveu deixá-los , essa acção resultou que foram devorados por lobos. Segundo o Mestre Raul Zelaya, em vídeo gravado por mim, afirmou que este Brasão se apresenta, emana suas forças sempre que há um processo que simula divisão entre nós.
A queda da Bastilha, foi um evento que aconteceu no ano de 1300. Após a revolução francesa que foi responsável pela morte através das traições, rebeliões de milhares de pessoas, o governo estabelecido foi julgado pelo que foi intitulado tribunal do povo e foi aprisionado em uma prisão destinadas a eles chamada de Bastilha.
O povo inconformado com o governo resolve tomar a prisão chamada Bastilha e fazer a justiça com as próprias mãos. Muito embora os historiadores dizem que nessa a
cção só haviam sete prisioneiros, a intenção e expansão do ódio significou muito nesse processo revoltoso, digamos que foi a gota de agua que faltava para encher o copo durante a Revolução Francesa que derrubou a monarquia francesa e seus excessos.
Por termos participado desses conflitos a ligação fluídica existente entre nós jaguares deste amanhecer é bastante acentuada. Outra questão fundamental é que podem
estar encarnados muitos desses indivíduos dessas épocas entre nós, o que os torna como pontos de atracção vibracional.
Baseado nos conceitos de reencarnação foi preciso de criar uma forma, uma maneira técnica para que esses espíritos que se encontravam e ainda se encontram no ódio e na dor pudessem ser alcançados e através desse processo de ligação energética houvesse e haja uma forma de reencontro para sanar esses débitos, assim através do charme depositado naquela região e naquela época eles podem estabelecer uma espécie de ponte ou forma de nos encontrar e fazer sua cobrança espiritual.
O trabalho de prisão é a forma de mostrar e dar também uma espécie de compensação de energia para que esses que estão presos na rede do Cavaleiro verde sejam saciados de seus ódios, Como é um tribunal montado em um templo como todas as forças evangélicas e iniciáticas eles assistem o julgamento e sentem vingados por essa a
cção. Por essa razão sempre nessa época Tia Neiva sugeria o corpo mediúnico que assumisse esse trabalho de prisão.
Mesmo não sendo clarividente ou qualquer situação parecida, não é fácil observar o que está acontecendo com essa tribo a
ctualmente e que essas situações são parecidas com as questões acima citada. Tudo é cíclico e de tempo em tempo as coisas mudam apenas sua aparência , mas os fatos em sua essência são os mesmos.

(Autor desconhecido)
Enviar um comentário