terça-feira, 25 de fevereiro de 2014

O Desenvolvimento de um pequeno Pajé


Muita gente me pergunta como foi o meu começo na Doutrina, eu sempre dou um sorriso, mas nunca respondo só digo que passei pelo mesmo caminho que todos...
Mas vendo uma foto aqui, resolvi hoje contar este pedaço da minha história, quem sabe assim ela possa chegar até aqueles que tiveram a mesma sensação que eu no momento de fazer suas escolhas...

Pela necessidade em Manipular as Energias tive que ingressar no Desenvolvimento Mediúnico muito cedo, eu já era Mago desde pequeno e era sempre presente no Templo; como Pequeno Pajé já não tinha mais o que fazer para Manipular e as energias só aumentavam a ponto de preocupar o Adjunto responsável pelo Pajezinho do Templo Amuraçuy na época e também ao próprio Adjunto Amuraçuy Mestre Moacir, que me conhecia desde sempre e viu que não dava mais para segurar a situação...
Seguindo as recomendações da Espiritualidade Maior nos Tronos, recebi a autorização após conversar com a Dharman Oxinto, Ninfa Toninha.
Fiz minha Triagem Mediúnica como todos e passei pelos mesmos processos que todos os Doutrinadores em Desenvolvimento, Consagrei meu Emplacamento recebendo assim a minha Princesa Iracema que nunca me faltou e que sempre me guia e me acompanha nas horas precisas e curadoras e em todos os caminhos por onde tenho que passar...
Até que cheguei as Aulas de Iniciação Dharman Oxinto, quando meu Instrutor me disse que eu teria que escolher uma Ninfa Lua para ser minha Madrinha fiquei muito preocupado.
Eu tinha apenas 13 anos, mas já sabia da seriedade que era esta Doutrina então, queria alguém que fosse tão comprometido com a missão e que tivesse o mesmo amor que eu tenho por Jesus, pelo Vale do Amanhecer, por Tia Neiva e pelo Pai Seta Branca...
Fui para o meu Pajezinho no final da Aula, Rezei chorando com muita fé mesmo e muito amor no meu coração, pedi a Mãe Tildes que colocasse na minha frente alguém da confiança dela...
Quando eu saí do Pequeno Pajé dei de frente com esta Ninfa...
A convidei para ser minha Madrinha de Iniciação e no mesmo momento ela aceitou e ficou feliz, disse que eu era o primeiro afilhado dela (hoje já tem um monte, mas não importa o primeiro sou eu, kkkk).
Hoje me sinto feliz por ver a responsabilidade dela com todo o Povo do Templo Javaci do Amanhecer de Capim Branco- MG ao qual ela é a Aponara, e me sinto mais feliz ainda, porque minha Madrinha é um presente de Mãe Tildes para mim...
Pode- se passar o tempo que for eu sempre serei aquele Pequeno Pajé que um dia foi conduzido por Mãe Tildes a um Castelo Iniciático...
Salve Deus! Adjunto Ogano Mestre Willian, Filho de Devas.

Enviar um comentário