segunda-feira, 25 de março de 2013

Pai Teacher


Isolado em seu castelo na antiga Escócia, agora parte do Reino Unido, o velho Lord (título concedido pelo Rei) sentia um vazio em sua existência. Tinha conquistado tudo o quê precisava para sentir-se verdadeiramente feliz e realizado: posses, terras (o bem mais precioso de todos os tempos), ouro e serviçais leais.
Porém o clamor de seu espírito pediu algo mais... Atribuía seu sucesso material à sua capacidade de gerenciamento de crises, e não a qualquer ser invisível que outros chamavam de deuses, ou a crendice da “sorte”. Sua esposa lhe dedicara fiel amor durante toda sua vida, e ao partir deste plano deixou uma saudade boa, repleta de lembranças agradáveis, que não lhe permitiam a tristeza ao recordar.

Em uma de suas noites de angústia injustificada teve um sonho. Sonhou que os pobres tomavam seu castelo e repartiam todo o seu ouro. Desesperado perguntava a um e outro: “O quê vão fazer com esse outro?” E ouvia sempre a mesma resposta: “Vamos comprar comida!”. “E depois?” insistia com o interlocutor, e novamente uma resposta igual: “Não sabemos!”

Acordou suado e reflexivo no meio da noite.

Pela manhã preparou sua charrete e foi passear pelos povoados que circundavam seu castelo. Viu tanta miséria que chegou a pensar em realizar o sonho e repartir toda sua fortuna. Porém, lembrava da segunda pergunta: E depois? E a resposta: Não sabemos!

Durante semanas reuniu seus leais servidores e passou a elaborar um plano de reestruturação daquela população. Procurou os que sabiam da arte de tecer, plantar e colher. Buscou aqueles que detinham a arte de manufaturar matérias primas e os que conheciam técnicas de armazenamento. Também encontrou os que sabiam das preferências dos nobres consumidores da Corte Real.

Com um planejamento estabelecido, iniciou sua missão: procurar o povo e instruir-lhes sobre como progredir na vida! Um a um dos camponeses, pequenos artesões, costureiras e tantos outros que detinham alguma habilidade, mas nenhuma instrução, técnica ou contatos comerciais, foram recebendo as valiosas lições sobre como poder progredir.

Misturava-se com o povo sem revelar sua real condição de “senhor do castelo”, de Lord. Apresentava-se com uma boina de tecido xadrez, característica dos escoceses, um simples colete e um cachecol cuidadosamente posto. O cachimbo dava-lhe um ar de distinção que o diferenciava dos habitantes comuns.

Suas instruções eram tão precisas e eficazes que todos o passaram a chamar de Professor, ou “Teacher” em inglês.

Teacher mudou a vida de todos e viu a prosperidade chegar àquela região. Poucas vezes foi necessário “colocar algum dinheiro” extra, porém quando o fazia, exigia o compromisso de devolução. Suas técnicas, e precisas informações, eram quase sempre suficientes para que cada um cuidasse de seu próprio negócio.

Em retribuição a todo o bem que praticou junto aos necessitados, aprendeu com eles sobre o Deus a quem oravam pedindo que alguém lhes fosse enviado para ajudar. Convivendo com eles aprendeu sobre sua fé e espiritualizou-se. Mas esta é outra história.

Teacher é visto como o grande protetor de nossas finanças. Não que vá ajudar você a ganhar na loteria, mas para trazer o caminho, para que com seu próprio esforço e trabalho, possa modificar sua vida e trazer a prosperidade.
Portanto, nada de fanatismo, de ficar pedindo soluções mágicas! A resposta está no conhecimento e trabalho. As oportunidades chegam a nossas mãos de acordo com nosso padrão vibratório, com o quê atraímos pelos nossos pensamentos, palavras e ações. Disposto a trabalhar e com a mente clara, pode até receber uma “ajudinha” do professor: Teacher!

O quadro original desta Entidade, pintado a pedido de Tia Neiva, foi deixado na Lojinha do Vale, única fonte de arrecadação oficial de recursos. Mestre Carmênio foi quem o recebeu.

Enviar um comentário